Deslocamentos dentro da Europa: de trem ou de avião?

Existem alguns fatores que devem ser levados em conta na hora de tomar essa decisão. Os mais relevantes são: preço, tempo de viagem e comodidade.

Quando se trata de avaliar o preço, você deve orçar três opções possíveis:

 

  1. Um único bilhete de avião, com as paradas previstas. No site da companhia aérea, ao fazer a simulação, escolha a opção “múltiplos destinos” e já inclua todas as cidades. Por exemplo: Rio – Paris dia 28/9; Paris – Londres dia 4/10; Londres – Rio dia 10/10. Dependendo da companhia e do número de paradas, isto tanto pode sair caríssimo quanto uma ótima pedida. Confira também o valor do bilhete de ida e volta simples.
  2. Bilhete de avião interno em companhia low cost. Às vezes, há precinhos inacreditáveis! Sugiro que você pesquise em um site “genérico”, tipo  eDreams ou Decolar, escolha a companhia e depois, se for efetivamente comprar o bilhete, entre diretamente no site da companhia aérea, para comparar. Não esqueça de que os sites de busca cobram um taxa de serviço no final. Some o custo dos diferentes bilhetes internos com o do seu vôo do Brasil e compare com o anterior.
  3. O trem na Europa não é tão barato quanto você poderia pensar. Pode custar o mesmo que um bilhete de avião. Mas é possível encontrar uma boa promoção. Em geral, os sites das companhias ferroviárias de cada país oferecem melhores preços do que os sites “genéricos”, como o Rail Europe, mas você deve pesquisar. Seguem os links específicos de alguns países:

 

França

Reino Unido

Itália

Espanha

Portugal

Suíça

Alemanha

Outro fator importante é o tempo de viagem. Aqui, não se deve considerar somente a duração marcada no bilhete, mas o tempo total, incluindo o deslocamento para o aeroporto, tempo de check in, etc. Geralmente, os aeroportos são distantes do centro da cidade, enquanto as estações de trem costumam ser bastante acessíveis. Além disso, para o trem, você não precisa chegar com tanta antecedência. O trajeto Paris-Londres, por exemplo, acaba dando aproximadamente o mesmo tempo total, pois os aeroportos de Heathrow e Charles de Gaulle são distantes do centro e o Eurostar é um trem de alta velocidade, que faz o trajeto em 2h30min. Quando a distância é muito grande, ou não há trens diretos, o vôo pode compensar.

 

Finalmente, o fator comodidade. Se os dois quesitos anteriores empatarem, eu sempre vou preferir o trem. Aliás, mesmo que o avião ganhe de pouco, no preço e no tempo. Aeroporto é uma chatice, tem que despachar e resgatar malas, entrar em fila, passar no controle de passaporte, etc. Para pegar o trem, você chega na estação uns 20 minutos antes, entra com a sua mala (perto de cada porta de entrada há um local para deixar as bagagens), depois sai e pronto. A exceção é o Eurostar para Londres, onde você terá de chegar uma hora antes e passar pelo controle de passaporte, mas mesmo assim é beeeem mais prático do que pegar um avião. Sem contar o stress para quem tem medo de voar… A viagem de trem, ainda por cima, tem um benefício adicional: é um grande passeio. Você compra um lanchinho com champagne no vagão restaurante e relaxa, apreciando toda a paisagem na janela!

 

Quanto aos famosos passes de trem, eu acho que só valem à pena se você pretende visitar muitas cidades em um curto espaço de tempo. Neste caso, é bom comparar os preços com o aluguel de carro. Eu usei o Europass quando viajei sozinha, na casa dos 20 anos, e foi perfeito. Porém, se vão duas ou mais pessoas, dependendo do roteiro, o carro pode ser mais barato, além de dar mais liberdade. Por outro lado, o carro só é prático quando se trata de um passeio pelo interior, percorrendo pequenas cidades e vilarejos (Toscana, Costwolds ou Provence, por exemplo). Quando o roteiro foca nas capitais e cidades maiores, onde há dificuldade de estacionamento e o transporte público é eficiente, recomendo fortemente a opção pelo trem.

 

Da estação de trens no Aeroporto de Paris, é possível partir diretamente para toda a Europa
Da estação de trens no Aeroporto de Paris, é possível partir para qualquer lugar da Europa

 

Minha velha amiga Estação de Arras, rumo ao Centre de Formation Philippe Campignion
Minha velha amiga Gare d’Arras, para onde pegamos o TGV (trem de alta velocidade) rumo ao Centre de Formation Philippe Campignion

 

A Europa entrelaçada e conectada
A Europa entrelaçada e conectada

 

Bem, com todos estes elementos, acredito que você esteja devidamente equipado para tomar suas decisões. Agora é só escolher o roteiro!

E se precisar de mais alguma dica, poste aqui nos comentários. Será um prazer te ajudar.

Anúncios