Deslocamentos dentro da Europa: de trem ou de avião?

Existem alguns fatores que devem ser levados em conta na hora de tomar essa decisão. Os mais relevantes são: preço, tempo de viagem e comodidade.

Quando se trata de avaliar o preço, você deve orçar três opções possíveis:

 

  1. Um único bilhete de avião, com as paradas previstas. No site da companhia aérea, ao fazer a simulação, escolha a opção “múltiplos destinos” e já inclua todas as cidades. Por exemplo: Rio – Paris dia 28/9; Paris – Londres dia 4/10; Londres – Rio dia 10/10. Dependendo da companhia e do número de paradas, isto tanto pode sair caríssimo quanto uma ótima pedida. Confira também o valor do bilhete de ida e volta simples.
  2. Bilhete de avião interno em companhia low cost. Às vezes, há precinhos inacreditáveis! Sugiro que você pesquise em um site “genérico”, tipo  eDreams ou Decolar, escolha a companhia e depois, se for efetivamente comprar o bilhete, entre diretamente no site da companhia aérea, para comparar. Não esqueça de que os sites de busca cobram um taxa de serviço no final. Some o custo dos diferentes bilhetes internos com o do seu vôo do Brasil e compare com o anterior.
  3. O trem na Europa não é tão barato quanto você poderia pensar. Pode custar o mesmo que um bilhete de avião. Mas é possível encontrar uma boa promoção. Em geral, os sites das companhias ferroviárias de cada país oferecem melhores preços do que os sites “genéricos”, como o Rail Europe, mas você deve pesquisar. Seguem os links específicos de alguns países:

 

França

Reino Unido

Itália

Espanha

Portugal

Suíça

Alemanha

Outro fator importante é o tempo de viagem. Aqui, não se deve considerar somente a duração marcada no bilhete, mas o tempo total, incluindo o deslocamento para o aeroporto, tempo de check in, etc. Geralmente, os aeroportos são distantes do centro da cidade, enquanto as estações de trem costumam ser bastante acessíveis. Além disso, para o trem, você não precisa chegar com tanta antecedência. O trajeto Paris-Londres, por exemplo, acaba dando aproximadamente o mesmo tempo total, pois os aeroportos de Heathrow e Charles de Gaulle são distantes do centro e o Eurostar é um trem de alta velocidade, que faz o trajeto em 2h30min. Quando a distância é muito grande, ou não há trens diretos, o vôo pode compensar.

 

Finalmente, o fator comodidade. Se os dois quesitos anteriores empatarem, eu sempre vou preferir o trem. Aliás, mesmo que o avião ganhe de pouco, no preço e no tempo. Aeroporto é uma chatice, tem que despachar e resgatar malas, entrar em fila, passar no controle de passaporte, etc. Para pegar o trem, você chega na estação uns 20 minutos antes, entra com a sua mala (perto de cada porta de entrada há um local para deixar as bagagens), depois sai e pronto. A exceção é o Eurostar para Londres, onde você terá de chegar uma hora antes e passar pelo controle de passaporte, mas mesmo assim é beeeem mais prático do que pegar um avião. Sem contar o stress para quem tem medo de voar… A viagem de trem, ainda por cima, tem um benefício adicional: é um grande passeio. Você compra um lanchinho com champagne no vagão restaurante e relaxa, apreciando toda a paisagem na janela!

 

Quanto aos famosos passes de trem, eu acho que só valem à pena se você pretende visitar muitas cidades em um curto espaço de tempo. Neste caso, é bom comparar os preços com o aluguel de carro. Eu usei o Europass quando viajei sozinha, na casa dos 20 anos, e foi perfeito. Porém, se vão duas ou mais pessoas, dependendo do roteiro, o carro pode ser mais barato, além de dar mais liberdade. Por outro lado, o carro só é prático quando se trata de um passeio pelo interior, percorrendo pequenas cidades e vilarejos (Toscana, Costwolds ou Provence, por exemplo). Quando o roteiro foca nas capitais e cidades maiores, onde há dificuldade de estacionamento e o transporte público é eficiente, recomendo fortemente a opção pelo trem.

 

Da estação de trens no Aeroporto de Paris, é possível partir diretamente para toda a Europa
Da estação de trens no Aeroporto de Paris, é possível partir para qualquer lugar da Europa

 

Minha velha amiga Estação de Arras, rumo ao Centre de Formation Philippe Campignion
Minha velha amiga Gare d’Arras, para onde pegamos o TGV (trem de alta velocidade) rumo ao Centre de Formation Philippe Campignion

 

A Europa entrelaçada e conectada
A Europa entrelaçada e conectada

 

Bem, com todos estes elementos, acredito que você esteja devidamente equipado para tomar suas decisões. Agora é só escolher o roteiro!

E se precisar de mais alguma dica, poste aqui nos comentários. Será um prazer te ajudar.

Anúncios

O dia em que Renata virou Renatours

Nos últimos anos, tenho sido uma grande fornecedora de dicas de viagem. Perdi a conta de quantos cafés compartilhei, para ajudar pacientes, alunos e amigos a programar a viagem à Disney com os filhos, reservar um concerto em Paris, escolher a melhor opção para levar os netos. Até uma professora do meu filho recorreu a mim para o planejamento da lua de mel! Tenho e-mails semiprontos sobre várias cidades e informações na ponta da língua.

Durante uma sessão de fisioterapia, conversava sobre isso com meu queridíssimo paciente Gustavo Monteiro. Comentei, brincando, que um dia ainda abriria uma agência de turismo, ao que ele retrucou:

  • E vai se chamar Renatours!

Pronto, eu estava rebatizada. Todo mundo incorporou rapidamente o apelido, e passei a receber regularmente e-mails pedindo “consultoria Renatours”. Foi um outro paciente, o Bruno Marques, a primeira pessoa a me dizer:

  • Você TEM que fazer um blog!!!

Isso porque, também durante a sessão, eu esclareci mil dúvidas que ele tinha sobre duas viagens que estava planejando (Turks and Caicos com a esposa e Disney com toda a família).

Depois de ouvir esta frase repetidas vezes, das mais diferentes pessoas, resolvi me render. Toda viagem tem surpresas escondidas, mas é mais fácil encontrar os tesouros se soubermos quando e onde cavar. O objetivo deste blog é dividir com você minha forma de traçar mapas para estes tesouros, e eu te convido a cavar comigo.