Um dia de arte e história no Rio de Janeiro

Sempre que uma exposição importante vem pro Rio, é a mesma novela: filas intermináveis, horas de espera. Com a mostra de Wassily Kandinsky, no Centro Cultural Banco do Brasil, não seria diferente. Resolvi tentar uma estratégia para burlar a multidão: escolhi uma manhã ensolarada de domingo, em que, presumivelmente, a arte abstrata teria dificuldades em competir com a praia. Sucesso absoluto! Salas praticamente vazias, nem sombra de fila!

Kandinsky no CCBB
Kandinsky no CCBB
Domingo de sol = museu sem fila!
Domingo de sol = museu sem fila!

Kandinsky é um de meus artistas favoritos e eu fiz toda uma “preleção” na véspera, para que o Dudu usufruísse da experiência de uma forma mais completa. Confesso, porém, que eu esperava mais… Embora divulgada como uma retrospectiva deste artista específico, o que encontramos foi uma mostra relativamente ampla de artistas russos contemporâneos de Kandinsky, entremeados por uma meia dúzia de quadros do próprio. Vale ressaltar, porém, que esta meia dúzia vale, sem sombra de dúvida, a visita. São obras de peso, que enchem os olhos e mexem com a nossa alma.

Descobrindo os encantos da arte abstrata
Descobrindo os encantos da arte abstrata

Como o programa acabou se revelando mais curto do que o previsto, meu marido Alexandre sugeriu esticarmos até o Paço Imperial. Havia 4 crianças em nosso grupo, e achamos que seria interessante desbravar um pouco o Centro do Rio com elas.

O pátio interno do Paço Imperial
O pátio interno do Paço Imperial
Paço Imperial
Paço Imperial
O Arco do Teles, resquicio da "belle époque" carioca
O Arco do Teles, resquicio da “belle époque” carioca

Foi uma tremenda bola dentro! Estava em cartaz no Paço uma exposição enorme do artista brasileiro Waldemar Cordeiro. Sua obra ia progredindo, ao longo de sua vida, de abstrata e geométrica, como no final da produção de Kandinsky, até chegar à arte concreta, mais contemporânea. Foi como uma continuação natural do programa anterior. Todo mundo curtiu e aprendeu muito!

Exposição Waldemar Cordeiro
Exposição Waldemar Cordeiro

No final, ainda visitamos a Sala da Moeda, para um contato mais próximo com a história do Brasil. Na verdade, História é a matéria favorita do Dudu na escola, e ele gostou muito de saber que foi ali que a república foi proclamada.

A Sala da Moeda
A Sala da Moeda
Descobrindo o nosso passado
Descobrindo o nosso passado
Terminais interativos mostram fotos antigas e passagens importantes da nossa história
Terminais interativos mostram fotos antigas e passagens importantes da nossa história

Só acho uma pena que o casario antigo do Centro do Rio esteja tão mal conservado… O lugar tem tanto potencial turístico quanto qualquer cidade européia, mas aqui não se dá o mesmo valor nem se tem o mesmo cuidado… Quem sabe todos estes projetos de revitalização ainda tragam bons frutos para esta parte da cidade? O Rio de Janeiro tem muitos atrativos além das belas praias. Nada impede, porém, que toda esta programação cultural possa terminar numa boa farra nas areias do Leblon…

Fim de tarde no Leblon
Fim de tarde no Leblon

 

Exposição Kandinsky: tudo começa num ponto

Centro Cultural Banco do Brasil (Rua Primeiro de Março, 66, Centro, Rio de Janeiro)

De 28/1 a 30/3, das 9 às 21h

Entrada Franca

 

Paço Imperial

Praça XV de Novembro, 48, Centro, Rio de Janeiro

Terça a domingo, das 12 às 18h

Entrada Franca

 

Anúncios

5 obras de arte em Nova York

Nova York é uma das cidades mais atraentes do mundo para quem gosta de arte. Ela abriga alguns dos museus mais importantes do globo. Mais uma vez, é tarefa impossível elencar somente 5 obras, mas vou fazer uma escolha afetiva – como sempre – e deixar o espaço dos comentários pra você me contar as suas preferências, assim vai ficar mais divertido! Uma coisa é certa: deixar Nova York sem ter feito uma visitinha a estas verdadeiras referências culturais seria uma perda lastimável…

Não vou me estender nos comentários sobre cada obra. Sou uma apreciadora, não uma profunda conhecedora. Pelas minhas escolhas, você vai ver que tenho uma certa preferência pelos artistas do final do século XIX e século XX. Mas acredito, acima de tudo, que um quadro se torna um favorito pelo poder que ele tem de me impactar, de me prender, de me tocar emocionalmente. Então, minha seleção não segue um critério definido. Quadros que eu amo e pronto. Sem explicação.

 

1 – Dança (Henri Matisse) – Museu de Arte Moderna (MoMA)

Todo mundo conhece esse quadro, é um dos mais famosos da história da pintura, mas vê-lo ao vivo, em tamanho natural, me trouxe borboletas ao estômago.

Matisse: Dance
Matisse: Dance

 

2- Panel for Edwin R. Campbell, números 1 a 4 (Vasily Kandinsky) – Museu de Arte Moderna (MoMA)

Esta série de enormes painéis mostram a força da pintura de Kandinsky e me mantiveram hipnotizada por um longo tempo em frente a eles.

Kandinsky: Panel for Edwin R. Campbell n. 4
Kandinsky: Panel for Edwin R. Campbell n. 4

3- Noite estrelada (Vincent Van Gogh) – Museu de Arte Moderna (MoMA)

Minha visita ao MoMA foi a primeira vez em que vi um Van Vogh pessoalmente. As reproduções não traduzem nem de longe a textura e a vida que salta aos olhos no quadro original. Foi um momento único e inesquecível.

Van Gogh: The starry night
Van Gogh: The starry night

4- The dancing class (Edgard Degas)Metropolitan Museum of Art

O Met possui um enorme acervo da obra de Degas, entre pinturas e esculturas, de impressionante sensibilidade. Meu amor pelo ballet faz com que o conjunto me toque particularmente.

Degas: The dancing class
Degas: The dancing class

5- The unicorn tapestries (arte medieval, sul da Holanda) – The Cloisters

As sete tapeçarias que compõe a série do Unicórnio estão expostas neste claustro medieval trazido pedra por pedra da Europa, e que faz parte do sistema do Metropolitan Museum. Sou fascinada pela Idade Média, e estas belíssimas tapeçarias constituem uma das mais expressivas referências da arte deste período.

The unicorn in captivity
The unicorn in captivity

 

E você? Quais as obras de arte que mais te emocionaram? Ainda vou escrever sobre minhas preferências em outras cidades, mas estou louca para conhecer as suas! Escreve aqui nos comentários, estou esperando…

Museus em Paris que valem a visita – Parte 2

No post do dia 30 de agosto, comecei a série sobre museus interessantes em Paris, para quem quer algo além do Louvre e do Musée d’Orsay. Hoje, vou falar exclusivamente sobre aquele que pode ser considerado tão imprescindível quanto os dois anteriores: o Centre George Pompidou.

O museu de arte moderna de Paris conta com uma coleção impressionante dos maiores nomes da arte do século XX: Picasso, Kandinsky, Braque, Matisse e tantos outros, que é até difícil enumerar. Sem contar que o prédio, em si, é uma atração à parte. A fachada de canos aparentes e coloridos, a arquitetura absolutamente inusitada e as rampas e escadas externas, que permitem incríveis vistas da cidade, fazem do Pompidou um programa imperdível.

O museu abrigou algumas das exposições temporárias mais impressionantes que presenciei na vida, como a retrospectiva da obra completa de Kandinsky e a incrível mostra sobre as relações entre a Dança e as Artes Plásticas. Vale à pena entrar no site antes de viajar para conferir a programação e, conforme for, comprar ingresso antecipado. As melhores exposições costumam lotar e/ou ter filas enormes.

A livraria oferece muitas opções bacanas para estimular a sensibilidade artística nas crianças. Dudu adorou o livro sobre Kandinsky que eu comprei pra ele, cheio de adesivos para ele compor suas próprias obras, segundo o estilo do artista. Por causa disso, quando eu o levei a uma exposição de arte russa no Centro Cultural Banco do Brasil (aqui no Rio), ele reconheceu o Kandinsky de longe, em meio aos outros quadros.

Há toda uma programação voltada para as crianças, com oficinas de arte e atividades variadas. Minha amiga Anna levou suas meninas de 5 e 7 anos a Paris, e ambas concordaram em eleger o Pompidou o museu mais legal da cidade.

Centro George Pompidou Fonte: site Great Buildings
Centro George Pompidou
Fonte: site Great Buildings