Dicas básicas para viajar com crianças

1- Flexibilidade

É a coisa mais importante que eu poderia te falar. Tenha flexibilidade para tudo: horários, alimentação, sono, roteiro. Se não der pra manter a rotina dos orgânicos, ou mudar um pouco o horário de comer, tudo bem. Talvez também haja alguma alteração nos horários de sono. Ou não, caso o seu filho tope numa boa dormir no carrinho. Você não vai estar na “night” com uma criança pequena às 3 da madrugada, mas pode uma noite ficar até as 22h num restaurante, sem que isso impacte para sempre o desenvolvimento emocional do pequeno. Pode ser que você não consiga cumprir todo o roteiro que planejou, pois um dia seu filho ficou exausto e você voltou cedo pro hotel. Sem problemas, qualquer hora vocês voltam e fazem o que ficou faltando. Ou não, fazem outras coisas e visitam outros lugares. Viajar com os filhos é, em si, uma experiência maravilhosa para toda a família. Quando a gente flexibiliza, anula o stress e pode usufruir muito mais plenamente desta experiência.

 

2- Flexibilizando a flexibilidade 😉

Se o seu filho não dorme sem um copo de Ninho 3+, ou só bebe água de coco, ou come biscoito Maizena diariamente no lanche, não tenha dúvidas: leve na mala. A bagagem é sempre mais vazia na ida do que na volta, estes itens serão inteiramente consumidos ao longo da viagem e ficará mais fácil flexibilizar com o resto da alimentação se a criança tiver alguma referência dos seus hábitos caseiros. Eu viajo com carregamento de água de coco, na maior tranquilidade. Todo dia, saio do hotel com uma caixinha na bolsa e ele pode, a qualquer momento, ter um gostinho de casa. Na volta, o espaço é ocupado pelas compras!

Na Torre de Londres, pausa para uma Água de Coco
Na Torre de Londres, pausa para uma Água de Coco

 

3- Remédio para enjôo

Se o seu filho precisa tomar remédio para enjôo (prescrito pelo pediatra, é claro), espere para dá-lo dentro do avião. Se a criança tomar o remédio na sala de embarque e, de repente, ocorrer um atraso, você corre o risco do efeito do medicamento “vencer” quando ainda é necessário, sem que você já possa ministrar outra dose. Isso aconteceu com o Dudu uma vez, e foi horrível. O Alexandre foi sozinho com ele me encontrar na Europa, deu o remédio dentro do aeroporto e, logo depois, foi anunciado o atraso. O vôo só saiu mais de duas horas depois. Resultado: o pobrezinho passou mal cinco vezes no avião. Para não ter problemas com a decolagem (que pode nausear a criança), dê o remédio assim que embarcar. A acomodação dos passageiros e liberação para decolar vai te dar tempo suficiente para a medicação fazer efeito e você ficar mais “garantida”.

 

4- Maletinha de brinquedos

É importante levar alguns brinquedos favoritos do seu filho para distrai-lo no avião, no hotel ou em situações de longas esperas. Mas esta seleção deve ser prática e racional. Você não quer sair do Brasil já com excesso de bagagem, né? A criança precisa entender que não dá pra carregar a Bat Caverna do Imaginex nem o Castelo de Diamantes da Barbie na bagagem de mão. Não esqueça, inclusive, de que você provavelmente comprará novos brinquedos ao longo da viagem. Eu costumo fazer assim: separo uma maletinha pequena e digo ao Dudu que temos de escolher brinquedos que caibam ali. Quantos ele quiser, contanto que caibam na maletinha. Sempre incluo um caderno e lápis de cor. Esta ideia apareceu no blog Tempo Junto, e funciona super bem. Existem muitas opções bacanas que não ocupam espaço, como dedoches, super trunfo, carrinhos e bonequinhos. Ainda por cima, você já ensina ao seu filho como ser razoável na hora de arrumar as malas…

A maletinha do Dudu está no blog Tempo Junto
A maletinha do Dudu está no blog Tempo Junto

5- Lista de compras

Antes de viajar, faça um inventário das roupas e sapatos que seu filho já tem, para ter uma noção do que ele realmente precisa. Não esqueça de anotar os tamanhos, de acordo com o lugar para onde você está indo. Se você não viaja todo ano, é legal ter o planejamento de tamanhos que durem até a próxima vez. Assim, você pode criar uma lista básica, do tipo: 1 calça jeans tam 3 e tam 5; 3 pijamas de frio tam 3; calça de moletom tam 5; shorts tam 3 e tam 5; tênis tam 13,5 e tam 1Y.  A partir daí, você fica “situado” e pode até se permitir mais liberdade para comprar o vestidinho apaixonante ou a camisa igual à do papai, sem correr o risco de deixar a criança com uma coleção de itens semelhantes e absolutamente sem meias ou bermudas.

 

6- Menos bolsas

Quanto mais bolsinhas e mochilinhas você carregar, maiores as chances de se enrolar e perder alguma coisa. De preferência, reúna tudo em uma só mochila, ou mesmo na bolsa de fraldas do bebê. Reserve um compartimento só pra você, com carteira, óculos, caneta, etc., mas concentre seus pertences e os da criança em um só volume. Se quiser realmente separar suas coisas mais importantes, use uma daquelas bolsinhas a tiracolo, que você não tira pra nada, pois vai deixar suas mãos livres. Os brinquedos que ele leva do hotel têm que caber na bolsa! Você não quer se ver às voltas com mil sacolas, mais um bicho enorme de pelúcia, enquanto seu filho pede colo! Alguma coisa acaba largada pra trás…

7- Preparação

O segredo para uma criança aproveitar ao máximo uma viagem é a preparação. Familiarizá-la com o destino, com os lugares que ela visitará, pintar um quadro na imaginação dela, contribuem significativamente para o entusiasmo que ela expressará ao se deparar concretamente com todas as novidades do passeio. Escrevi um post exclusivamente sobre isso, para ler clique aqui.

8- Carrinho

Indispensável, incontornável, imprescindível. Quanto mais simples e leve, melhor. A menos que você esteja partindo para uma viagem muito longa com um bebê muito pequeno, aí talvez você precise de um mais “potente”. Na grande maioria das vezes, o ideal é um daqueles do tipo guarda-chuva, bem básico, que você abre e fecha com uma só mão, e será seu companheiro fiel toda vez que seu filho ficar cansado, tiver que esperar na fila, na loja, no aeroporto. Não abro mão! Também escrevi um post só sobre este assunto, leia aqui.

Carrinho: item indispensável!
Carrinho: item indispensável!

9- Chuteiras e camisas

Se você é mãe de menino, provavelmente sairá do Brasil com uma lista de pedidos de chuteiras e camisas de times de futebol. As mães de meninas não fazem ideia da quantidade infinita de opções. Os garotos sabem, inclusive, que determinada camisa do Paris Saint Germain é a da temporada passada, para jogar fora de casa, e te fazem solicitações ultra precisas, como o terceiro uniforme do Bayern do segundo semestre deste ano! O pai acha tudo isso muito natural, a mãe acaba se acostumando. A dica é a seguinte: antes de viajar, pesquise as “encomendas” nos sites nacionais da Nike e da Adidas, e também na Netshoes, e anote. Os produtos oficiais costumam ter o mesmo preço em qualquer parte do mundo. As chuteiras ocupam espaço na mala. Se, na volta, você descobrir que poderia ter comprado pelo mesmo valor, parcelado em reais, sem sair de casa, vai faltar parede pra bater com a cabeça… 🙂 Quanto às camisas, a diferença é que, na Europa, você vai encontrar uma variedade inexistente por aqui, especialmente em relação a times menos “badalados”, mas igualmente desejados pelos nossos pequenos fanáticos. Nos Estados Unidos, entretanto, quase não se encontram itens relacionados a futebol (soccer). Se estiver sem a criança na hora, cuidado para não trazer um tênis de futebol americano (football), como minha mãe fez certa vez, que não vai servir para nossa paixão nacional. Em Orlando, no Florida Mall, há uma loja chamada World of Soccer. Foi o único lugar onde encontrei alguma coisa. Mesmo assim, a chuteira específica do Neymar, que constava na cartinha do Papai Noel, ficou presa no trenó: não encontrei de jeito nenhum e tive que inventar uma história mirabolante, que eu conto pra você qualquer hora. Nas lojas da Nike e Adidas dos outlets, você vai garimpar uma coisa ou outra, de repente aquela básica para “bater” na escola, mas não espere comprar ali o objeto de desejo do seu filho. A menos que o lance dele seja basquete…

 

De uniforme do Milan, no Disney's Hollywood Studios
De uniforme do Milan, no Disney’s Hollywood Studios

E você? Tem uma dica super bacana pra compartilhar com a gente? Escreve aqui nos comentários!

Viajar com os filhos é tudo de bom!

Anúncios

Essa Marina, tão pequenina, já foi a Paris, Barcelona, Córsega, Sardenha…

A beleza indescritível da Córsega
A beleza indescritível da Córsega

Minha amiga Priscilla estava pronta pra me pedir umas dicas para a primeira viagem internacional da Marina, quando recebeu o e-mail que enviei somente ao círculo mais íntimo, contando a novidade do blog. Por isso, alguns dos primeiros posts que escrevi (como, por exemplo, este, este aqui e também este), foram dedicados a ela.

Como ela é super mega blaster adorável, enviou ao Roteiro Renatours um relato detalhado da epopéia, com direito a fotos e ao ponto de vista de uma mãe sensível sobre a experiência de viver esta aventura com uma criança bem pequena. Com vocês, Priscilla Menezes!

 

A carioquinha Marina desfila nas areias da Córsega
A carioquinha Marina desfila nas areias da Córsega

 

“A viagem foi excelente!!! Realizar um sonho de infância da minha mãe, ver minha filha se divertindo com tudo e meu maridão cuidando das três com a maior vontade de fazer tudo dar certo foi uma experiência maravilhosa! Claro que conciliar gostos e ritmos diferentes nem sempre é simples, mas de um modo geral tiramos de letra, demos boas risadas, vimos coisas lindas e conhecemos lugares inesquecíveis!

Priscilla, Guilherme, Marina e sua vovó Helena passaram momentos memoráveis juntos!
Priscilla, Guilherme, Marina e sua vovó Helena passaram momentos memoráveis juntos!

Só passamos um perrengue pra chegar em Paris… Fomos da Sardegna pra Córsega programados pra ficar uma noite e voltar. Acabamos ficando 3 dias presos por causa do vento forte que fechou o porto. Com isso perdemos o voo da Sardegna pra Paris e, pra finalizar, quando finalmente conseguimos comprar novas passagens e íamos embarcar, descobrimos que as malas tinham sido despachadas para Milão. Por sorte o avião ainda não tinha decolado e conseguimos resgatar as malas a tempo no maior sufoco! Mas deu certo. E valeu todo o perrengue! Só foi muuuito corrido. 5 dias só, ainda pegamos chuva que não estava nos planos, um feriado na segunda, que fez muita coisa fechar no domingo também (como o Bon Marché que vc tinha recomendado…   😦 ). Mas enfim, aproveitamos (MUITO) o que deu!

O fato de termos ficado em apartamentos alugados por onde passamos foi uma experiência muito positiva. Primeiro pelo preço que foi mais em conta, segundo porque podíamos fazer comidas que a Marina gosta e está familiarizada, então se um dia ela não almoçava muito bem, batia um pratão no jantar. Voltou até mais gordinha. E por último, pelo fato de ensinar a cuidar das coisas que não são nossas. No primeiro dia em Barcelona ela viu a cama e logo quis pular! Eu expliquei uma vez só que ali era uma casa emprestada, que não podíamos pular porque poderia quebrar e que tínhamos que tomar cuidado pra deixar tudo do jeito que recebemos. Não precisei falar duas vezes. Em todos os apartamentos, embora ela tenha se sentido super à vontade, foi super cautelosa, não pegava o que não podia, se preocupava em não sujar ou limpar o que sujava “pra moça não ficar chateada com a gente, né mãe?”. Sem querer foi uma lição e tanto pra ela!

De um modo geral a viagem com ela foi bem tranquila! É claro que foi cansativo, que minha lombar está um caco até agora e vou precisar de você pra me desentortar. Mas tirando isso e um ataque ou outro de mau humor nos momentos de sono ou cansaço, que foram contornáveis, posso dizer que foi mais fácil do que eu imaginei!!!

 

Versailles 2
Essa Marina, tão pequenina, sabe se divertir!

 

Barcelona é uma festa!
Barcelona é uma festa!

 

A alegria da Marina na praça do Louvre
A alegria da Marina na praça do Louvre

Foi lindo de ver como ela se divertia, Re! As suas dicas valeram muito nesse sentido. Embora eu já viesse conversando com ela desde o inicio sobre a viagem, nos últimos dias, no meio da correria de arrumar tudo e não esquecer nada, eu parei para dar atenção a ela. Contei curiosidades dos lugares onde íamos passar, comprei livro, estimulei bastante a imaginação dela, mostrei cenas de lugares por onde passaríamos. E valeu muito, foi fundamental essa preparação mais cuidadosa. Levei na malinha também uns brinquedinhos de casa que ela gosta, cadernos de pintura, joguinhos, livros, tablets com apps novos, e ia tirando aos poucos da cartola. Mas confesso que usei bem menos do que imaginei. As novidades eram tantas e a expectativa tão grande que só isso já era suficiente na maior parte do tempo.

Até nos programas onde eu achei que ela poderia ficar entediada, ela aproveitou. Quando cansava, dormia no carrinho (que não abrimos mão de levar daqui, como vc tbm mencionou no blog), acordava e voltava a curtir. Curtiu tanto as bailarinas de Degas no  D’Orsay que me pediu pra fazer Ballet (eu já tinha perguntado várias vezes antes se ela queria e ela sempre dizia que não). Lutou contra o sono até conseguir ver a Monalisa (embora tenha ficado com uma cara de “ué?” com o tamanico dela, disse que gostou… rs). Ficou muito decepcionada porque a Rainha não estava em casa em Versailles – fomos no feriado e apenas o jardim estava aberto – mas correu muito pelos gramados do jardim dela! Tá abrindo boca de tubarão pra comer desde o dia do aquário de Barcelona, ficou impressionada! Amou a torre “muito enorme!!!” e soltou um “acheeii ele!!!” quando viu o carrossel que ela tinha visto no livro! No arco do triunfo me perguntava cadê o avião que passou no meio dele que ela tbm tinha visto no livrinho! Correu muito no Parque Güel, ficou eufórica no teleférico do Parque Montjuic, principalmente porque ele nos deixou pertinho do castelo – igual ao castelo do vento que a Peppa vai com a família dela! E, claro, nem preciso dizer da alegria dela nas praias maravilhosas da Córsega e da Sardegna! Ficava solta, fazia amizades, se comunicava do jeito dela e até chorava porque não queria ir embora e deixar o “amigo”. Então todos os dias foram muito divertidos pra ela e isso nos deixou tão felizes!

Amiguinho da Marina
Fazendo amizades na Sardenha
tubarao
Para encarar esse bocão de tubarão, só mesmo no colo do papai…

 

Sobrevoando a Torre Eiffel de carrossel
Sobrevoando a Torre Eiffel de carrossel
carrinho
Deixar o carrinho no Brasil? Nem pensar!!!
pri e marina
Foi no castelo de Montjuic que a Marina achou que a Priscilla era a Mamãe Pig!

 

Uma coisa que ajudou muito foi fazer um balanço no fim do dia, antes de dormir, de tudo o que fizemos. Enquanto relembrávamos, eu elogiava o comportamento, pontuava as atitudes positivas dela ao longo do dia, dizia o quanto eu estava feliz de viajar com ela e ela também dizia: “foi muito legal”, “também adorei isso”, “também estou amando nossas férias!”. E dava importância a isso. Quando fazia algo errado, depois me perguntava: Mamãe, você ainda está feliz comigo? (rs). Eu senti que não fomos só nós que nos preocupamos em fazer as coisas fluírem bem pra ela, a recíproca foi muito verdadeira. Foi uma delícia!

E foi a conta certa. Foram 20 dias intensos e no final ela já estava cheia de saudade das coisinhas dela, de casa, da escola, dos amigos e da família. Tanto é que na primeira noite de volta ao Brasil ela disse na cama: Ai, mamãe, que bom que a gente voltou pro Rio de Janeiro! Como quem diz: viajar é bom, mas nada como a nossa casa! rs.

Agora to aqui com aquele gostinho de quero mais, mais e mais! Ai, ai…

Super obrigada pela ajuda, pelas dicas, pelo carinho.

Um beijo enorme,

Pri.”

 

Europa com criança é tudo de bom!!!
Europa com criança é tudo de bom!!!

Eu é que agradeço, Pri, o privilégio de receber uma carta como esta! Que venham muitas outras aventuras viajantes para nossa pequenina Marina!

Meninos no castelo da Cinderela?

Eu tinha a maior vontade de conhecer o castelo por dentro. Quando fui à Disney aos 13 anos, não estava incluído na excursão. Na primeira vez do Dudu, entrei na onda de que “menino não gosta”. Na segunda vez, em 2010, eu estava fazendo 10 anos de casada (3 meses antes, tudo bem, mas estava valendo…). Resolvi me dar este mimo! Falei pro Dudu que, como era meu aniversário de casamento, eu gostaria que meus dois príncipes – ele e o Alexandre – me levassem para almoçar com a Cinderela. Ele topou numa boa, ainda bem. E aí veio a surpresa: ele adorou!

Dudu fez questão de fotografar o casal
Dudu fez questão de fotografar o casal

Logo na entrada, os meninos ganham uma espada de cavaleiro e uma estrela azul, a “wishing star”, para fazerem seus pedidos. Dudu tem muitas espadas (de pirata, mosqueteiro, jedi…), mas a favorita é, até hoje, a que ele ganhou no Cinderella’s Royal Table.

Os meninos ganham uma espada de cavaleiro e uma "wishing star"
Os meninos ganham uma espada de cavaleiro e uma “wishing star”

 

Adivinha que pedido ele fez à estrela? Pra voltar à Disney todos os anos!
Adivinha que pedido ele fez à estrela? Pra voltar à Disney todos os anos!

Em um dado momento, todos os rapazes têm de fazer seu juramento de cavaleiro. Eles se sentem muito importantes!

Prevendo que ele poderia ficar pouco à vontade com as princesas, sugeri que ele pegasse os autógrafos para suas melhores amigas, que nunca tinham ido à Disney. Quando ele pediu que Ariel assinasse para sua amiga Juliana, ela falou: “Uau! Que boa ideia, pegar autógrafos para as amigas! Juliana vai ficar tão feliz… Você é um ótimo amigo, Eduardo!” Ele ficou todo orgulhoso…

Ariel adorou assinar um autógrafo para a amiga do Dudu!
Ariel adorou assinar um autógrafo para a amiga do Dudu!

Além disso, o restaurante é lindo, a comida é ótima e o ambiente é perfeito.

Então, se você tem filhos de ambos os gêneros, não se preocupe: seu menino também vai curtir o almoço com as princesas, mesmo que não tanto quanto a menina. E se você, assim como eu, é mãe de menino… Permita-se! Leve seus príncipes para experimentar a mesa real e tenha seu dia de princesa!

Hoje faço 14 anos de casada, por isso tive a ideia de escrever sobre este assunto. Estou me perguntando que lindas surpresas me aguardam… 😉

O lindo salão do Cinderella's Royal Table
O lindo salão do Cinderella’s Royal Table

Mickey preparou uma surpresa pra você!

Você consegue avaliar a sensação do seu filho, ao chegar ao quarto do hotel na Disney, e se deparar com uma festa surpresa, preparada especialmente para ele, pelo Mickey “em pessoa”?

Eu vivi esta experiência e garanto que ficará em minha memória para sempre.

A Disneyworld oferece uma enorme gama de surpresas que podem ser entregues no seu quarto, desde que você esteja hospedado dentro do complexo do Walt Disney World Resort. As possibilidades vão desde balões, brinquedos e cestas de guloseimas, até as chamadas “In-room celebrations”. Você pode escolher uma festa de boas vindas ou de aniversário, com tema de piratas ou princesas, tem até opões para lua de mel e pedido de casamento!

Nós comemoramos o quinto aniversário do Dudu em Orlando, e encomendamos para ele uma dessas festas. No dia marcado, ao chegarmos no hotel, nos deparamos com uma linda faixa pendurada na porta do quarto!

 

Antes de entrar no quarto, o encanto já começou!
Antes de entrar no quarto, o encanto já começou!

 

Lá dentro, Dudu descobriu, maravilhado, as outras surpresas que o Mickey tinha preparado para ele: presentes, guloseimas, orelhas personalizadas, um porta-retrato assinado, um caderno de autógrafos com uma mensagem especial. Também um enorme balão musical e um banner. Um bolo de chocolate feito pela Minnie. E alguma coisa piscando atrás da cama… A Sininho passou para deixar um pouco de pó mágico!

DSC04469

DSC04470

DSC04471

DSC04472

DSC04475

DSC04477

 

Foi puro encantamento! Ele ficou tão emocionado que resolveu encontrar um jeito de agradecer ao Mickey. Pegou um guardanapo e um canudo, desenhou o querido ratinho e fez uma bandeira. No dia seguinte, em que fomos novamente assistir ao show Fantasmic no Hollywood Studios, a cada vez em que o Mickey surgia em cena, Dudu agitava a bandeirinha e gritava: Thank you, Mickey!!!

 

DSC00070

 

A festa que eu encomendei (Mickey’s Birthday Wish), custa hoje US$ 215,00. A Mickey and Pals Big Birthday Wish é mais “completa”, mas custa US$ 395,00. Há pequenas surpresas que começam em US$ 4,95, como o balão da Ariel escrito Happy Birthday. Enfim, possibilidades para todos os bolsos.

Para reservar sua celebração ou seu presente, entre no site da Disney Floral and Gifts e escolha a opção desejada. Depois, prepare o coração para presenciar a emoção do seu filho ao viver esse momento mágico!

 

 

Levar ou não levar o carrinho, eis a questão!

Muita gente me pergunta se deve levar o carrinho para a Disney, ou se é melhor alugar ou comprar lá. Peço que você tente visualizar as seguintes cenas de terror (melhor tirar as crianças da sala!):

 

Take 1: Você chega ao aeroporto de Orlando, após uma noite de viagem e uma possível conexão, e precisa ficar na fila da imigração. Seu filho estava dormindo no avião e continua exausto. Você tem bagagem de mão, casacos e um provável brinquedo pra carregar, além dos passaportes e demais papéis que precisam estar à mão. E seu filho quer colo.

 

Take 2: Acaba o pesadelo da imigração, você respira aliviado. E descobre que tem de andar léguas até o balcão de aluguel de carros, ou a recepção do Disney’s Magical Express (o ônibus da Disney, em outro post eu conto). E, mais uma vez, seu filho quer colo.

 

Take 3: Você alugou um daqueles lindos carrinhos dentro do parque da Disney. São 9 ou 10 horas da noite, seu filho está desmaiado no dito cujo, é hora de partir… E você tem que devolver o carrinho na saída do parque! Com mochila, casacos e o balão do Mickey, você vai levar uma criança adormecida no colo até o ponto do transporte que te leva até o estacionamento, depois andar até o carro, depois saltar no estacionamento do hotel e andar até o quarto.

 

Take 4: Você está no shopping, querendo comprar um enxoval completo para uma criança “ingrata”, que acha aquele programa uma chatice. Não consegue escolher nada, porque está apavorado com a possibilidade de perdê-la, já que ela não para de correr entre as araras de roupas.

 

Preciso continuar?

Minha resposta à fatídica pergunta é SEMPRE  a mesma: leve seu bom e velho carrinho tipo guarda-chuva.

Além de ser um ponto permanente de descanso para a criança (e para os pais), o carrinho serve de cabide para bolsas, casacos e compras, e até mesmo carrega as sacolas do carro até o quarto do hotel.

 

IMG_1884
Com a tralha pendurada no carrinho, as mãos ficam livres para brincar!

 

Optar por comprar lá vai te deixar descoberto no aeroporto, um dos lugares em que você mais precisará dele. No carrinho, a criança descansa, dorme, e ainda está segura pelo cinto.

Nas esperas mais longas (no shopping ou na imigração, por exemplo), você ainda pode lançar mão da arma secreta. E aqui eu peço um minuto silêncio pelo saudoso Steve Jobs, inventor do iPad, do iPhone, do iPod…

Ainda por cima, o casal pode aproveitar uma soneca do filhote para um brinde ou dois!

 

Uma taça de vinho em Epcot, na hora da soneca
Uma taça de vinho em Epcot, na hora da soneca

 

O carrinho não conta como bagagem e você despacha na entrada da aeronave. É um amigo para todas as horas, não o deixe para trás!

 


DSC01542

 

Um dia (feliz) no museu

 

Crianças adoram museus. Você pode acreditar nisso.

Museus são lugares cheios de cor, objetos inusitados, uma imensa variedade de experiências.

Só que uma criança pequena, talvez, não esteja tão interessada em saber os detalhes históricos minuciosos que cercam uma peça específica, nem que um quadro tenha sido pintado por determinado artista em tal período, ou possivelmente se cansará após uma caminhada excessivamente longa… Aliás, o carrinho é sempre um bom aliado!

Há muitas alternativas para incrementar a visita, tanto a galerias de arte menores quanto a grandes museus, como o Louvre ou o Metropolitan. Dudu passou 5 horas felizes no British Museum de Londres, sem se entediar. Seguem algumas de minhas dicas:

  • Antes de viajar, apresente à criança as principais atrações do museu que será visitado. Para isso, há livros, revistas e o próprio site do museu. Vai ser muito legal mostrar ao seu filho determinada peça, ao vivo, e dizer: Lembra? A gente viu isso no site!
  • Explique previamente as regras: não correr, não tocar em nada, respeitar os outros visitantes.
  • Faça intervalos regulares para lanche ou almoço.
  • Em uma pinacoteca, por exemplo, costumo perguntar ao Dudu: qual o seu quadro preferido nesta sala? Ele se entretém por um bom tempo, examinando cada obra, até dar seu veredicto. Não importa se ele “esnobou” o da Vinci ou o Rembrandt em prol de um pintor menos valorizado. O que vale é o fato de que ele observou diferentes quadros e percebeu que um deles lhe despertou mais a sensibilidade. Às vezes, inclusive, ele escolhe, sem saber, o mesmo artista em salas diferentes, o que já vai denotando um pouco suas preferências… Missão cumprida, né?

 

Dudu e sua amiga Carol curtindo a Pinacoteca de São Paulo
Dudu e sua amiga Carol curtindo a Pinacoteca de São Paulo

 

  • Coloque uma máquina fotográfica nas mãos da criança e permita que ela registre suas próprias impressões. Você certamente se surpreenderá com o resultado. Dudu viu e fotografou coisas que nos tinham passado inteiramente despercebidas.

 

No British Museum, Dudu ficou um tempão contemplando esta reprodução de um pagode japonês...
No  Victoria and Albert Museum de Londres, Dudu ficou um tempão contemplando esta reprodução de um pagode chinês…

 

DSC03265
Só ele percebeu que havia bonequinhos lá dentro!

 

  • Aproveite as atividades propostas pelo museu, especialmente para os pequenos. No British Museum, por exemplo, há um projeto chamado Hands On, em que monitores permitem que os visitantes peguem algumas peças nas mãos. O Centre Pompidou sempre tem atividades de artes para as crianças, geralmente baseadas nas exposições em cartaz.

 

Projeto Hands On, no British Museum. Pode tocar à vontade!
Projeto Hands On, no British Museum. Pode tocar à vontade!

 

  • Na lojinha do museu, peça à criança para escolher alguns postais de sua preferência, e faça uma “caça ao tesouro”, em busca das peças que os ilustram. A partir de uns 6 ou 7 anos, é diversão garantida!
  • Nas sessões destinadas a antigas civilizações, permita-se soltar a imaginação e inventar histórias. A visita se transformará numa incrível aventura, se seu filho imaginar o faraó passando por aquele portal, ou que ali vivia um samurai, ou que aquelas jóias pertenciam a uma princesa encantada… Creio, realmente, que podemos deixar a acurácia histórica para quando ele estiver um pouco mais velho, não é? O importante agora é criar o hábito dos programas culturais e, principalmente, despertar o interesse em conhecer a arte e o passado que nos trouxe até aqui.

 

Os mistérios do Egito realmente captaram a atenção do Dudu
Os mistérios do Egito definitivamente captaram a atenção do Dudu

 

Ele fez questão de fotografar o faraó Ramsés II
Ele fez questão de fotografar o faraó Ramsés II

Formulando encantamentos

Aqui no Rio de Janeiro, as férias escolares já chegaram. É tempo de escrever sobre viagens com crianças (talvez meu tema preferido…).

Em primeiro lugar, gostaria de dizer que não é preciso levar seu filho à Disney para que ele se sinta no reino da fantasia. Até mesmo logo ali, em Petrópolis, o Museu Imperial pode estar cercado de toda uma atmosfera mágica. Qualquer lugar do mundo pode ser encantado, basta um pouquinho de pó de fada. Para mim, o pó de fada se chama “preparação para a viagem”.

Dudu viaja conosco desde os 7 meses, mas foi aos 2 anos que começaram as “preparações”. Existem filmes e histórias infantis relacionados a quase qualquer roteiro que você puder escolher. Quando a criança toma contato com um local através de imagens e personagens que povoam seu imaginário, aquele lugar automaticamente se enche de magia. Por exemplo: aos 4 anos, quando Dudu visitou o Regent’s Park (Londres), ele estava passeando onde os dálmatas Pongo e Prenda (e seus donos) se conheceram. E o Big Ben é o relógio sobre cujos ponteiros Peter Pan pousou com Wendy e seus irmãos… Da mesma forma, o Zoo do Central Park (Nova York) é vivo na imaginação dos pequenos como cenário de Madagascar, e uma visita ao Museu de História Natural de Nova York pode ficar mais divertida após a exibição de Uma Noite no Museu. Paris é cenário de Aristogatas, Ratatouille, O Corcunda de Notre Dame, Os Três Mosqueteiros e tantos outros, e uma viagem ao interior da Itália merece ser precedida de uma sessão de Pinocchio (aliás, o boneco é presença garantida em lojas de brinquedos artesanais por aquelas bandas…). Mesmo a Disney ganha muito em aproveitamento, se a criança estiver mais familiarizada com o que ela verá.

 

O lago do Regent's Park, em Londres: cenário de 101 Dálmatas
O lago do Regent’s Park, em Londres: cenário de 101 Dálmatas

 

Harry Potter quebrou esta vitrine do Zoo de Londres, para libertar uma cobra e despertar a ira de seu tio Dursley!
Harry Potter fez desaparecer esta vitrine do Zoo de Londres, para libertar uma cobra e despertar a ira de seu tio Dursley!

 

Do alto da torre, Quasímodo e suas amigas gárgulas observavam Esmeralda lá embaixo, na praça de Notre Dame
Do alto da torre, Quasímodo e suas amigas gárgulas observavam Esmeralda lá embaixo, na praça de Notre Dame

 

A lista é quase infinita, passando pelos cinco continentes, entre desenhos animados, filmes “de pessoa” (como diz o Dudu) e livros que não viraram filmes, mas que nem por isso são menos estimulantes. Além disso, estratégias especiais também podem transformar museus e monumentos em grandes aventuras. Mas isso será assunto para próximos posts… Pouco a pouco, pretendo ir escrevendo sobre a preparação para meus destinos favoritos, e estou aberta a sugestões! Qual será o cenário das peripécias da sua família nestas férias?