De carro pelo Velho Oeste – Parte 4: Sedona e a Rota 66

Nesta série de posts, você conheceu os intrépidos Gustavo e Edith, que adoram viajar de carro pelos Estados Unidos. A viagem que eles compartilharam com a gente aqui no blog foi uma “roundtrip”, partindo de Las Vegas e seguindo para Salt Lake City, Parque Yellowstone, Cody, Gillete – Devil Tower – Rapid City (Monte Rushmore), Sidney (NE), Pueblo, Albuquerque, Flagstaff – Sedona e de volta a Las Vegas.

De todo este roteiro, o Gustavo selecionou os locais mais interessantes e contou pra nós, em ordem de aparição nos posts: Yellowstone (Parte 1), Cody e Devil’s Tower (Parte 2), Monte Rushmore (Parte 3) e, finalmente, Sedona, que será tema deste texto. Deixo a palavra com o Gustavo:

A cor avermelhada dos morros que caracterizam a região
A cor avermelhada dos morros que caracterizam a região

“Na continuação da nossa viagem, que começou e acabou em Las Vegas, passamos pelos estados do Novo México e do Arizona. Utilizamos a rodovia I-40, que em um bom trecho a partir de Oklahoma substituiu a romântica e carismática Route 66.

Vimos grupos de motoqueiros passeando na antiga Rota 66 quando ela não era sobreposta pela I-40.

Em alguns trechos, o traçado da antiga rodovia foi aproveitado e a nova se sobrepõe à antiga, só que bem mais ampla.

Por cerca de 600 quilômetros estivemos em pleno convívio com o charme do passado e a modernidade do presente.

O mapa da antiga Rota 66
O mapa da antiga Rota 66

Ao transitar por aquela(s) estrada(s) compreende-se o que significavam aquelas vastas planícies áridas e açoitadas, não raro, por fortes ventos a levantar sua poeira. Tivemos a oportunidade de apreciar o fenômeno de uma “tempestade de poeira” de intensidade muito fraca, já na planície do Arizona. Quando elas são fortes constituem problema sério.

Hospedamo-nos em Flagstaff, em setembro, fora da temporada de esqui, portanto. A cidade é ainda hoje cortada pelo traçado original da Rota 66, há inúmeras placas a nos lembrar disso.

De Flagstaff a Sedona, ambas no Arizona, não se leva uma hora, é rápido e o trajeto é surpreendentemente belo.

Sedona é uma cidade envolta em misticismo, cheia de histórias fantásticas e misteriosas, verdadeiras ou não,  e rodeada de morrotes e morros de cor avermelhada. A cidade não tem um Centro tal como conhecemos, ela é dispersa ao longo da própria estrada. Se o viajante não estiver atento e /ou não souber disso, passa direto, que foi o que nos aconteceu. Em um centro de Atendimento ao Turista fomos devidamente informados da particularidade da cidade, recebemos um mapa, e soubemos também que é a pergunta mais frequente :”Onde fica o Centro?” Não fica. Há muitas placas indicando o caminho para trilhas a pé, de graus diversos de dificuldade, que conduzem às partes altas dos morros que cercam a cidade.

Sedona
Sedona
Entrada para uma das trilhas
Entrada para uma das trilhas
Arredores de Sedona
Arredores de Sedona
Sedona
Sedona

Embora não estivesse na nossa programação entramos pela Coconino National Forest, um Parque de onde se tem acesso mais próximo às desafiadoras rochas vermelhas. Ali há uma pequena capela, incrustrada nas rochas, destoando completamente do meio-ambiente que a cerca, construída em cimento aparente e de gosto questionável. Mas serviu para as nossas preces de agradecimento por estar ali a passeio e desfrutando de boa saúde. É a Holy Cross Chapel.”

Holy Cross Chapel
Holy Cross Chapel

 

De lá, o casal seguiu de volta a Las Vegas para o fim da aventura. É claro que o Gustavo já está planejando a próxima… Vamos esperar ele contar aqui no blog!

Anúncios

5 programas favoritos do Dudu no Rio de Janeiro

Minha pequena família é nascida e criada no Rio de Janeiro. Nesta semana dedicada a destinos brasileiros, achei que seria uma boa ideia compartilhar com você as preferências do  Dudu aqui mesmo, na nossa cidade, tão propícia para o turismo. Perguntei a ele quais os 5 favoritos, e ele deu ótimas dicas! Tem carioca que diz: “eu moro onde os outros tiram férias”… Seguem, então, opções comprovadamente perfeitas para um fim de semana em família.

 

1- Praia

A opção mais óbvia! A pergunta mais frequentemente formulada pelo carioca é: será que vai dar praia? O blog Tempo Junto já até publicou um post muito legal com brincadeiras na areia, que teve participação do Dudu (ele é super amigo da Carol, filha da blogueira Patrícia Marinho). Se você for com crianças, existem dois “points” certeiros: O Ipabebê e o Baixo Bebê do Leblon. Eu prefiro, de longe o Ipabebê. Fica em frente à Rua Joaquim Nabuco, pertinho do Arpoador. Trata-se de uma associação organizada pela incrível Viviane Oliveira, em que os sócios contribuem para manter a limpeza, a segurança, o bom estado dos brinquedos e até mesmo festas e atividades diversas. O Ipabebê é aberto a todos, você não tem que ser sócio para frequentar! Tem estacionamento de carrinhos e o moço do quiosque coloca a água de coco fresquinha na mamadeira pra você…

 

No Posto 6, o destaque do cenário é o Forte de Copacabana
No Posto 6, o destaque do cenário é o Forte de Copacabana
Primeiros contatos com o mar de Ipanema
Primeiros contatos com o mar de Ipanema
Festa junina no Ipabebê
Festa junina no Ipabebê
Dudu fez amizades no Ipabebê que duram até hoje!
Dudu fez amizades no Ipabebê que duram até hoje!
Sossego em Grumari
Sossego em Grumari
Dudu e Carol na praia do Leblon
Dudu e Carol na praia do Leblon
Entendeu por que as pessoas aplaudem o por do Sol no Arpoador?
Entendeu por que as pessoas aplaudem o por do Sol no Arpoador?

 

2- Jogar bola na Lagoa

A Lagoa Rodrigo de Freitas é um dos lugares mais lindos e bem aproveitados do Rio. Os quiosques ao redor oferecem inúmeras opções gastronômicas, há quadras de esportes, pista de skate, parquinhos infantis, uma enorme ciclovia e o cinema Lagoon, um dos melhores do Rio, que inclui ainda um complexo de restaurantes. Uma das coisas que o Dudu mais gosta de fazer no fim de semana é “aparecer” na quadra de futebol que fica na altura do Corte do Cantagalo, quase em frente ao Parque da Catacumba (também um programão, aliás!). Sempre há meninos jogando bola, é só chegar e participar. Dá pra ficar a manhã inteira nesta curtição. Depois, é tomar uma água de coco no quiosque Palaphita Kitch, para relaxar e apreciar a paisagem.

Os meninos se esbaldam no futebol da Lagoa
Os meninos se esbaldam no futebol da Lagoa
Vêm meninos de todas as idades! E tem sempre um pai pra ajudar a dividir os times...
Vêm meninos de todas as idades! E tem sempre um pai pra ajudar a dividir os times…
Merecido descanso
Merecido descanso

 

3- Maracanã

Não tem jeito, é a paixão nacional. Desde pequeno, Dudu já acompanha o papai na torcida pelo Fogão! Os momentos de maior emoção foram nas três vezes em que ele entrou em campo como mascote. Se tiver a oportunidade de estar no Rio em dia de jogo, não deixe escapar!

Torcendo pro Fogão, com a camisa autografada pelo Seedorf
Torcendo pro Fogão, com a camisa autografada pelo Seedorf
Tarde no Maraca
Tarde no Maraca

4- Theatro Municipal

Dudu foi acostumado com música desde a barriga. Aos 3 anos pediu pra estudar violino. Hoje em dia, é meu grande parceiro de Municipal, lugar que faz parte da minha história desde meus 5 anos. Juntos, já presenciamos concertos de grandes nomes da música, viver isso ao lado dele é uma experiência mais do que especial! O teatro é belíssimo e, por si só, vale a visita. Faz parte do lindo conjunto arquitetônico da Cinelândia, com o Museu de Belas Artes e a Biblioteca Nacional. Pérolas do Rio antigo….

A árvore de Natal do Theatro Municipal: enfeitado para o tradicional Quebra Nozes
A árvore de Natal do Theatro Municipal: enfeitado para o tradicional Quebra Nozes
O belo edifício histórico que é lar da música clássica no Rio
O belo edifício histórico que é lar da música clássica no Rio
Depois do concerto, o troféu: autógrafo e foto com o grande ídolo Joshua Bell
Depois do concerto, o troféu: autógrafo e foto com o grande ídolo Joshua Bell

 

5- Livraria da Travessa

É o perfeito complemento para o futebol na Lagoa! Além da área de leitura para as crianças, existe o delicioso restaurante Bazzar dentro da Travessa. Depois da água de coco no Palaphita, a gente vai passeando pela orla da Lagoa até a esquina da Rua Aníbal de Mendonça. Entramos em Ipanema por ali e  chegamos à Rua Visconde de Pirajá, já do ladinho da livraria mais legal da cidade, para um almoço caprichado e uma leitura sossegada. Nosso programa favorito para manhãs de sábado ou domingo.

 

Dudu se sente em casa na Livraria da Travessa
Dudu se sente em casa na Livraria da Travessa

 

E aí, o que você está esperando pra trazer seus filhotes para a Cidade Maravilhosa? O Dudu garante que eles vão se divertir!

Turks & Caicos: os sabores do paraíso

O restaurante do parque aquático é um navio pirata
O restaurante do parque aquático Pirate’s Island tem a forma de um navio

No post do dia 16 de agosto, contei como foram nossas férias inesquecíveis, com nosso amigos Anna e Sérgio, no Beaches Resort Turks and Caicos. Conforme prometido, hoje vou dedicar um texto inteirinho só para a experiência gastronômica proporcionada por este resort all-inclusive, que conta com 19 restaurantes e 12 bares (clique aqui para a lista completa). Não fui a todos, pois há dois exclusivos para adultos, bem como bares noturnos, com música, etc., que não cabiam no nosso programa. Além disso, alguns eram tão maravilhosos, que a gente sempre ficava na dúvida entre repeti-los ou conhecer novidades. Na nova vila Key West há também um restaurante. Segundo Anna e Sérgio, que foram de novo este ano, é muito bom. Entretanto, eles continuam achando que a Italian Village é a melhor.

Um destaque importante é a boa vontade de todo o staff. Um dia, estávamos dando o jantar às crianças e perguntamos se tinha arroz branco, pois no buffet só estávamos vendo arroz à grega, com amêndoas, etc. O maître pediu que aguardássemos só um pouquinho. Quando nos demos conta, ele tinha ido em outro restaurante buscar uma travessa de arroz branco só pros nossos pimpolhos. O mesmo aconteceu quando eu comentei, à mesa do Mario’s, que iria pegar uma pizza pro Dudu no Dino’s, e o garçom disse que não precisava, ele mesmo iria lá buscar pra nós. Logo no início da viagem, percebi a ausência de água de coco nos cardápios. Perguntei na recepção se algum dos restaurantes servia essa bebida, que é a favorita do Dudu. Eles responderam que, infelizmente, não. No dia seguinte, entretanto, quando eu abri o frigobar, havia um galão de uns 2 litros de água de coco natural e fresquinha, especialmente para o meu filhote. Quando eu digo que o atendimento deles é um show…

Os vinhos são um caso à parte. Acho que nós quatro nunca bebemos tanto vinho em nossas vidas! A vinícola californiana Beringer desenvolveu uma linha exclusiva para a rede Sandals (da qual o Beaches faz parte), que consiste em 5 variedades: os tintos Merlot e Cabernet Sauvignon, os brancos Chardonnay e Pinot Grigio, e um espumante. Tudo incluído, é claro! O hotel dispõe de uma carta de vinhos e champagnes nobres, então se você quiser gastar dinheiro e não abre mão da Don Perignon, não tem problema. Pessoalmente, nós ficamos perfeitamente felizes com o Pinot Grigio que degustávamos no almoço, o Cabernet do jantar e um ou outro espumante na piscina… Que vida dura…

Eu não bebo cerveja, mas o Alexandre, a Anna e o Sérgio curtiram muito o pub irlandês Cricketer’s. Para a piscina, eles não viam nada melhor do que uma Guinness ou alguma outra opção da extensa carta de cervejas britânicas. Todas as piscinas têm bar dentro e fora, com grande variedade de drinks. Inclusive a piscina infantil, só que lá os drinks são de suco e sorvete!

Vou falar um pouco sobre os restaurantes que experimentamos. Depois que você também passar uns dias por lá, me conta o que achou! 😉

 

Mario’s

No almoço, eu acho que nunca cheguei a experimentar os pratos quentes. A mesa de saladas era tão espetacular, que eu acabava ficando só nisso. As sobremesas também eram um sonho. Ficávamos na varanda, de frente para as piscinas do Italian Village. À noite, o restaurante ganha ares medievais e uma cozinha mais “substanciosa”. Sempre uma delícia!

Uma noite medieval no Mario's
Uma noite medieval no Mario’s

 

Almoços inesquecíveis no Mario's
Almoços inesquecíveis

Barefoot by the sea

Nosso favorito para o café da manhã. Panquecas de blueberry, salada de melões variados com iogurte e granola, croissants perfeitos… Tudo isso na areia da praia, com o mar logo ali.

No Barefoot by the Sea tem mesa de adulto e de criança
No Barefoot by the Sea tem mesa de adulto e de criança

 

Começando bem o dia
Começando bem o dia

Schooners

Estávamos na dúvida entre o risotto de king crab com manteiga de lagosta, sugerido pelo chef, e o marlin azul aromatizado no capim limão. A atendente sorriu e resolveu o problema: trago uma travessa de risotto para vocês degustarem, depois o marlin azul! Não sei como não voltei rolando desta viagem…

DSC02035
Um brinde às férias perfeitas!

 

O cardápio tentador do Schooners
O cardápio tentador do Schooners
Frutos do mar à luz da Lua
Frutos do mar à luz da Lua

 

Café de Paris

Café expresso, chá inglês, capuccino, mais uma linda vitrine de tentações preparadas por um chef patissier francês. Parada obrigatória depois do almoço no Mario’s. Nem acredito que não tenho fotos, acho que eu estava muito ocupada tomando chá!

 

Kimono’s

É um restaurante oriental, do tipo que a comida é feita na chapa em frente aos clientes. As crianças ficaram muito impressionadas! É recomendável reservar.

DSC04899
A arte do chef

 

À mesa do Kimono's
À mesa do Kimono’s

Soy

Um sushi bar maravilhoso, onde parece que o salmão pulou do mar diretamente para o nosso prato. Um de nossos melhores jantares!

 

Enquanto os adultos se esbaldavam no sushi, as crianças dormiam nos carrinhos
Enquanto os adultos se esbaldavam no sushi, as crianças dormiam nos carrinhos

Bobby Dee’s

É o barco pirata do Pirate’s Island, onde há uma máquina de sorvete e uma carrocinha de pipoca self service, liberada para as crianças. Serve sanduíches deliciosos. O ponto alto, para nós, eram os pratos de frutas frescas selecionadas (morangos, amoras, uvas,  blueberries…), que ficavam embalados e disponíveis sobre uma mesa coberta de gelo, elevando a um outro nível a experiência de relaxar na espreguiçadeira à beira da piscina…

Ao lado do Bobby Dee's, o Dudu fez amizade com um menino irlandês
Ao lado do Bobby Dee’s, o Dudu fez amizade com um menino irlandês

 

Esta criatura nunca tomou tanto sorvete na vida!
Esta criatura nunca tomou tanto sorvete na vida!

Dino’s Pizzeria

Pizzas no forno a lenha, ambiente super agradável.

 

Isso é o que eu chamo de uma refeição leve... rsrsrs
Isso é o que eu chamo de uma refeição leve… rsrsrs

Arizona’s

Esse é apenas ok. Normalzinho, sabe? Mas todo mundo tem que ir no primeiro dia, por causa do horário de chegada do vôo, pois é o único que serve almoço até o fim da tarde. Não compromete, mas fica aquém dos demais.

 

Primeira refeição, animação total!
Primeira refeição, animação total!

Giuseppe’s

Um italiano gostoso, porém não chega aos pés do Mario’s. Mas foi bom pra variar.

Almoço no Giuseppe. Ao fundo, o Café de Paris
Almoço no Giuseppe’s. Ao fundo, o Café de Paris.

 

Não me lembro o nome do restaurante ao lado da recepção do Caribbean Village. Tem serviço de buffet, com um parte só para as crianças, onde o balcão é baixinho, para elas poderem escolher. Algumas vezes, demos jantar a elas ali, antes de irmos ao japonês, por exemplo, que elas não curtiam. Foi neste lugar que o maître “descolou” o arroz branco pra nós.

 

O mais pertinho do nosso quarto, perfeito para o jantar do Dudu, da Juju e da Mari
O mais pertinho do nosso quarto, perfeito para o jantar do Dudu, da Juju e da Mari

Até hoje, quando eu e Alexandre encontramos com a Anna e o Sérgio, sempre acabamos fazendo algum comentário sobre a salada de queijo feta do Mario’s, a cheesecake de cappucino do Café de Paris, o café da manhã do Barefoot, o pinot grigio de Caicos… O que mais marcou as crianças foram os tobogans, mas, para os crescidinhos, as lembranças gastronômicas é que ficaram para sempre! Aliás, acho que estou até hoje tentando removê-las da minha cintura… 😉

 

 

 

 

 

Turks & Caicos: um paraíso caribenho que os brasileiros começam a descobrir

Há vários anos, o Beaches Turks & Caicos Resort Villages and Spa vem recebendo prêmios, inclusive o Travel +Leisure World’s Best Awards, de melhor hotel do mundo para famílias. Eu tive o privilégio de passar uma semana neste paraíso, em janeiro de 2012, com meus dois rapazes, mais um casal de amigos queridíssimos e suas duas filhotas. Aliás, foi deles a dica deste destino imperdível, um brinde a Sérgio, Anna, Juju e Mari! Eles gostaram tanto que já voltaram duas vezes desde então, uma no Beaches Negril (Jamaica) e outra novamente em Turks & Caicos.

As ilhas Turks and Caicos são um território britânico ultramarino, situado a sudeste da Flórida, próximo à República Dominicana e Haiti. O idioma local é o inglês, mas muitos funcionários do hotel, de acordo com a proveniência, falam espanhol ou francês. O aeroporto de Providenciales, na ilha de Caicos, fica a 1h20min de Miami, onde ficamos por duas noites no final da viagem. O Beaches se responsabiliza pelo translado entre o hotel e o aeroporto.

Os hotéis Beaches fazem parte da famosa rede Sandals, com a diferença de serem mais voltados para famílias, e não para casais em lua-de-mel. O mais legal é que TODOS se divertem e aproveitam da mesma forma. Não somente há atrativos para todas as idades, como as coisas são pensadas de forma a permitir que cada um desfrute de tudo plenamente e sem atropelo.

O hotel é dividido em quatro “villages”, onde estão distribuídas as suítes, desde as mais “normais” – como as nossas – até as mais luxuosas. Cada “village” conta com um sistema de piscinas e restaurantes, mas todos os hóspedes do complexo têm acesso livre a qualquer um deles. Nós, por exemplo, nos hospedamos no Caribbean Village, mas adorávamos frequentar a piscina do Italian Village e almoçar no restaurante Mario’s, também nesta área.

 

DSC01843
Farra na piscina do Caribbean Village

 

DSC01857
Conforto, mordomia, sossego à beira da piscina…

 

DSC01910
Basquete na piscina do Caribbean Village
DSC02155
Vista do nosso quarto no Caribbean Village

 

Piscinas do Italian Village
Piscinas do Italian Village
Motorizados no Italian Village
Motorizados no Italian Village
Jardins do French Village
Jardins do French Village

 

Mario's, nosso restaurante favorito para o almoço
Mario’s, nosso restaurante favorito para o almoço

 

Por falar em restaurante, o resort é all-inclusive, na plena acepção da palavra. Nos 16 restaurantes, a maioria à la carte, mais 12 bares, você vive uma verdadeira experiência gastronômica (vou escrever um post exclusivamente sobre isso), que inclui vinhos, espumantes, cervejas irlandesas, drinks no bar dentro da piscina, capuccino, chá e café expresso com patisserie francesa e um atendimento super personalizado. Além disso, rigorosamente todas as atividades de lazer estão incluídas, até mesmo o equipamento de mergulho. Vale dizer que este arquipélago de cerca de 40 ilhas abriga dezenas de pontos de scuba diving. É possível também pegar o barco do hotel para ver a natureza marinha de snorkel, junto à barreira de corais que circunda a área.

 

DSC02022
Toda a estrutura para snorkelling e scuba diving é oferecida pelo resort

 

002_2
Há toda uma variedade de esportes aquáticos

 

Na interseção entre as “villages”, há um centro de compras duty free e aquilo que foi o ponto alto da nossa estadia: a Pirate’s Island. Trata-se de um parque aquático com tobogans, lazy river (um “rio” que você desse deitado numa boia), piscina para aula de surf, brinquedos para os miudinhos, tudo cercado de confortáveis espreguiçadeiras para os pais relaxarem comendo as diversas e deliciosas frutas frescas disponíveis, à vontade, no restaurante anexo. Acompanhadas de uma taça de espumante, por que não? Ou, melhor ainda, sentados dentro da piscina quente, em torno da qual as crianças obrigatoriamente têm de passar para dar a volta e escorregar pela milésima vez no tobogan. Isto é, de dentro deste spa, você tem acesso visual a todo o percurso da brincadeira, então pode ficar lá na água quente, igual a um saquinho de chá, enquanto seu filho se esbalda em segurança.

 

DSC04840
O tema do parque aquático é uma ilha de piratas
DSC04842
Os tobogans fizeram a cabeça das nossas crianças
DSC01778
Dudu e Juju se acabaram na Pirate’s Island
DSC01791
Fontes de água no navio pirata
DSC02057
A piscina dos tobogans era segura e divertida
DSC02059
No restaurante dos piratas, além de sanduíches, sucos, frutas frescas e mil lanches que as crianças amam, uma máquina de sorvete e uma carrocinha de pipoca, self-service e totalmente liberadas
DSC02060
O relaxante lazy river

 

O resort é povoado pelos personagens da Vila Sésamo, que circulam, tiram fotos com as crianças, fazem shows. Achei que não iam dar muito ibope com nossas crianças brasileiras não muito acostumadas, mas foi sucesso absoluto!

Existe uma área separada para os menores de 2 anos, com piscininha, parquinho e um salão fechado com brinquedos, que conta com babás treinadas. Por um custo adicional, é possível deixar o bebê aos cuidados de uma destas babás, para que os pais conheçam um dos dois restaurantes exclusivos para adultos. Não foi o nosso caso, então nada posso dizer sobre os restaurantes ou as babás…

Evidentemente, há o clubinho, mas nossas crianças ainda não falavam inglês, então não quiseram participar. Sinceramente? Embora parecesse ser bem bacana, havia tanta coisa para fazer que o clubinho não fez a menor falta! Mesmo o inevitável salão de jogos eletrônicos atraiu a atenção do Dudu somente no primeiro dia, durante os únicos 20 minutos de chuva que tivemos na semana toda (alguns dias nublados, mas fomos à praia e a piscina diariamente).

DSC04852
Eles amaram o Garibaldo!

Se você está levando filhos adolescentes, há atividades planejadas também para eles. Por exemplo, uma danceteria exclusiva para jovens de 11 a 17 anos, onde eles podem fazer curso de DJ. Há também shows, festas, churrascos noturnos na praia. A boa notícia é que, se tudo o que você busca é sossego, estas atividades são planejadas para não interferirem no hotel como um todo, ou seja, você pode desfrutar calmamente de um sushi no restaurante japonês, sem tomar conhecimento do show de talentos que está acontecendo no palco central. Minha única recomendação: se você não é “do agito”, não se hospede na French Village, a mais próxima do palco e da danceteria.

Por toda parte, há barraquinhas com toalhas frescas, e um local para depositar as molhadas. Embora o hotel estivesse com ocupação completa, em nenhum momento foi necessário esperar por uma mesa de restaurante, ou disputar uma espreguiçadeira. Pelo contrário, o tempo todo a sensação era de que havia espaço de sobra. A praia é linda, mas a gente nem ficava lá muito tempo, porque as crianças queriam aproveitar os tobogans. Em geral, o programa era praia depois do café da manhã e ao por do sol, o resto do dia na Ilha dos Piratas. E nos restaurantes, é claro, que até hoje nos fazem suspirar…

DSC01881
Anna, Mari e Dudu curtindo o mar do Caribe
DSC01886
Turks and Caicos, lindo demais!

 

A vida em Caicos é tão exaustiva...
A vida em Caicos é tão exaustiva…
Toda a faixa de praia ao longo do resort é privativa
Toda a faixa de praia ao longo do resort é privativa

Poderíamos ter passado a semana inteira sem mexer na carteira, pois o hotel é realmente all-inclusive. Mas vou contar três pequenas extravagâncias que valeram os dólares extras que investimos.

O resort possui uma estrutura muito bacana de esportes. Nas excelentes quadras de tênis, acontecem clínicas para crianças e adultos, em grupo, gratuitamente. Como o Dudu nunca tinha jogado tênis na vida, e é louco por esportes, resolvemos proporcionar a ele essa experiência. Só que, é evidente, a aula particular era paga e custava US$ 40,00. Valeu super à pena, o professor era um dominicano simpático, qualificado e competente, foi muito proveitoso.

 

 

Dudu e Juju estavam com 6 anos, Marianinha com 4. Ou seja, snorkel na barreira de corais talvez fosse meio puxado… Contratamos, então, um passeio de semi-submarino de uma agência local (não era um serviço do hotel), para ver as belezas marinhas de forma mais acessível aos pequenos. Isso vale também para as vovós e vovôs que eventualmente não sejam afeitos a maiores radicalismos…

Nossa turma reunida para o passeio de semi-submarino
Nossa turma reunida para o passeio de semi-submarino
Dudu ficou encantado em ver a arraia livre, no fundo do mar, de pertinho
Dudu ficou encantado em ver a arraia livre, no fundo do mar, de pertinho
Até a tartaruga marinha passou para dar um alô!
Até a tartaruga marinha passou para dar um alô!

 

Finalmente, um presentinho que ofereci a mim mesma: uma sessão de massagem no Red Lane Spa. Como fisioterapeuta, passo o ano inteiro cuidando do corpo dos outros, então resolvi me fazer este mimo e me entregar, por uma hora e meia, ao que eles chamam de Red Lane Signature West Indian Massage, um dos diversos tipos de tratamentos relaxantes e/ou estéticos disponíveis. Foi perfeito!

Se você estiver realmente a fim de gastar dinheiro, há serviços como um mordomo pessoal, com luvas brancas e certificado em Londres, bem como jantares exclusivos a dois, na praia e à luz de velas. Não foi o nosso caso… O resort oferece várias opções para casamento e lua-de-mel, tivemos a oportunidade de presenciar uma linda festa na piscina do Caribbean Village.

No próximo post, vou falar especificamente sobre os comes e bebes, a maior surpresa da viagem. Nunca pensei que pudesse encontrar tanta qualidade em um esquema “mega resort all-inclusive”. E aí? Já está com água na boca para conhecer este lugar de sonho?

 

Fim de tarde em Turks & Caicos
Fim de tarde em Turks & Caicos

 

Disney Photopass: o que é, como funciona e por que eu o acho indispensável

Fotógrafos profissionais, uniformizados, com suas câmeras e tripés estrategicamente posicionados, para tirar fotos à vontade da sua família, em frente ao Castelo da Cinderela, recebendo o autógrafo do Mickey, duelando com Darth Vader, despencando aos gritos na montanha russa… A Disney oferece este serviço, que eu considero uma tremenda bola dentro: o Disney Photopass.

Você pega o cartão photopass gratuitamente (você só paga pelo produto final, se quiser adquiri-lo, e à sua escolha) com qualquer um dos fotógrafos espalhados pelos parques. Depois, a cada vez que você avistar um deles, pode pedir para ser fotografado, de todas as maneiras que quiser: sozinho, o casal, a família inteira, só as crianças, etc. Concluída a sessão, o profissional rapidamente carrega as fotos para o seu cartão. Você os encontra em toda a parte, posicionados para captarem os melhores ângulos. E o que é melhor: seu grupo pode sair completo na foto.

 

Photo 0140
Os fotógrafos caracterizados estão por toda parte!
A câmera da Expedition Everest deu um flagra na mãe super-protetora...
A câmera da Expedition Everest deu um flagra na mãe super-protetora…
O pacote completo inclui as fotos tiradas dentro dos brinquedos, como o Buzz Lightyear Space Ranger Spin
O pacote completo inclui as fotos tiradas dentro dos brinquedos, como o Buzz Lightyear Space Ranger Spin

 

Às vezes, ele solicita que você faça uma pose específica. Quando você vai ver a foto depois, foi adicionada uma “surpresinha”! Como eles são muito rápidos, mesmo que haja duas ou três famílias na sua frente, a espera é sempre curtinha. Em geral, não há nenhuma espera.

 

O fotógrafo mostrou para onde deveríamos apontar e fazer cara de surpresa. Depois, apareceu o Stitch na foto!
O fotógrafo mostrou para onde deveríamos apontar e fazer cara de surpresa. Depois, apareceu o Stitch na foto!
Photo 0188
Uma pitada de “pixie dust” em Epcot

 

Fotógrafos estão presentes em todas as locações de encontro com personagens. Eles captam cada instante, desde a expectativa do seu filho antes de se aproximar até o abraço com o ídolo. Isso é fantástico, pois deixa você livre para filmar o momento, ficando as fotos a cargo do profissional. Vejam esta sequência feita no pavilhão da Inglaterra em Epcot:

 

Expectativa antes de se aproximar...
Expectativa antes de se aproximar…

 

O tão esperado abraço!
O tão esperado abraço!

 

Um autógrafo, por favor?
Um autógrafo, por favor?

 

Depois de fotos individuais com cada um, abraços e autógrafos registrados, a turma toda reunida!
Depois de fotos individuais com cada um, abraços e autógrafos registrados, a turma toda reunida!
Uma carinhosa despedida do amigo Tigrão
Uma carinhosa despedida do amigo Tigrão

No Treinamento Jedi, eles isolam uma área em torno do palco, onde o fotógrafo circula com uma cadeira de rodinhas, para não perder nenhum ângulo. Mais uma vez, sua câmera fica liberada para se ocupar somente da filmagem.

Profissional Photopass em ação, no Treinamento Jedi
Profissional Photopass em ação, no Treinamento Jedi

 

A qualquer momento, você pode visualizar suas fotos na loja da Kodak que existe na entrada de cada parque. É lá também que você poderá comprar impressões de fotos à sua escolha ou, o que é mais provável, o CD com todas as suas fotos, sem limite de quantidade. A opção mais vantajosa, na minha opinião, é o Memory Maker, que pode ser adquirido no site e dá um bom desconto para compra antecipada. Inclui o CD com as fotos tiradas nos parques, mais aquelas captadas dentro das montanhas russas e de algumas refeições com personagens, não incluídas no Photopass normal. Custa US$ 149,00, o que não é barato, mas eu considero o item de compras mais importante quando vou à Disney… Deve-se levar em conta que ele significa um registro de alta qualidade das férias da sua família, podendo chegar a centenas de fotografias. Minha prima Fernanda passou a lua-de-mel em Orlando e, graças a este serviço, tem montanhas de fotos da celebração do casal!

Você cadastra seu cartão no site e cria uma conta. Assim, no período de 1 mês após o fim da sua viagem, você poderá mesclar todas as suas fotos, inclusive as tiradas com sua própria câmera (fazendo o upload), para compor os mais diversos produtos. O Photo Book custa US$ 80,00 e é lindo de morrer! Capa de couro, super bem acabado e com um grau de customização difícil de acreditar. O site permite que você escolha cada mínimo detalhe e te oferece uma quantidade enorme de opções. Os calendários são lindos, as canecas de cerâmica são super fofas, os tags para mala também, e tudo de uma qualidade surpreendente.

Quando você compra o Memory Maker pelo site, recebe um código que te permite pegar seu CD em uma loja Kodak em qualquer parque, no final da viagem. Se não der tempo de passar na loja, não perca o vôo por causa disso: ele pode ser enviado pelo correio.

Uma dica: quando receber seu cartão photopass, anote o número. Se você o perder, poderá resgatar suas fotos facilmente, fornecendo o número na loja Kodak ou no site. Vários cartões podem ser mesclados na mesma conta. Ou seja, se você esquecê-lo no hotel, peça outro ao primeiro fotógrafo que encontrar e continue usando normalmente. Quando abrir a conta no site, é só cadastrar ambos, ou mesmo pedir ao funcionário da loja Kodak que os mescle em um único cartão.

As lembranças mais importantes que trazemos de uma viagem, fora as que estão dentro da cabeça e do coração, são as fotografias. Por isso, o CD do Photopass figura sempre como despesa básica no orçamento das minhas visitas à Disney. De qualquer modo, mesmo que você não queira adquirir todo o pacote, pegue o cartão. Nem que seja para comprar só aquela foto do seu filho abraçando o Buzz Lightyear, que você não tirou porque estava enxugando uma lágrima…

Momento mágico devidamente registrado!
Momento mágico devidamente registrado!
Photo 0114
Juntos em nosso parque favorito!

Há muito tempo atrás, numa galáxia muito distante…

Um grupo de 15 meninos e meninas espera a hora de começar o show. Enquanto aguardam, o membro do staff propõe um jogo de perguntas para avaliar os conhecimentos deles sobre a saga Star Wars. A primeira coisa que ele diz: Os pais não podem responder, só as crianças!

É fato. Guerra nas Estrelas é um clássico dos anos 80. Mesmo com os novos episódios e o desenho animado Guerra dos Clones, se uma criança de hoje é louca pela série, é porque seu pai e/ou sua mãe são fãs desde a adolescência, então ele ou ela já nasceu padawan e sonha com o dia em que Mestre Yoda vai solicitar sua contagem de midi-chlorians. E é por esta razão que, na Academia de Treinamento Jedi, do Disney’s Hollywood Studios, mães e pais ficam tão empolgados quanto as crianças que efetivamente participam.

 

Dudu enfrenta Darth Vader
Dudu enfrenta Darth Vader

 

Os soldados imperiais não são páreo para o poder da Força
Os soldados imperiais não são páreo para o poder da Força

 

O show acontece – em horários pré-programados – no palco ao lado do simulador Star Tours. O cenário é idêntico à entrada da base imperial na lua de Endor, de O Retorno de Jedi. Um mestre Jedi conduz os jovens padawans em um treinamento, que vai do juramento Jedi (usar a Força apenas para a defesa, nunca para o ataque, manter a paz na galáxia, etc.) ao ensaio de golpes com o sabre de luz. A trilha sonora, uma das mais famosas da história do cinema, contribui significativamente para aumentar a emoção. Aumente o som e veja os vídeos! Estão um pouco tremidos, porque a mamãe estava emocionada, mas vale à pena ter uma ideia de como é bacana a experiência!

 

 

De repente, entram soldados imperiais, seguidos de Darth Vader, o próprio! Além de falar com aquela voz inconfundível de James Earl Jones respirando por aparelhos, ele ainda por cima se comunica através de frases célebres dos filmes, tais como “Come to the dark side”, “Join me, it’s the only way”, “With our strenghts combined, we can rule the galaxy”, “Meet your destiny” e outras. É exatamente nesta hora que os nerds fanáticos (como eu) dão aquele sorriso cúmplice… Ele tenta atrair as crianças para o lado sombrio da Força, mas o mestre confia em seus pupilos, e tem sempre uma respostinha espirituosa, para dar um toque de humor. Cada padawan, individualmente, terá de se provar digno, em um duelo cara a cara com o vilão.

 

 

Em épocas de pico, ocorrem dois shows simultâneos, um no palco com Lord Vader e outro no chão, com Darth Maul.

 

 

No final, todas as crianças, juntas, usam a Força para expulsar Vader e seus soldados, sendo surpreendidas, então, pela voz de Yoda, declarando que estão aptas a se tornarem verdadeiros padawans.

 

Hora de partir, Darth Vader!
Hora de partir, Darth Vader!

 

Todos recebem um diploma e saem realizados. Dudu já tem 7 diplomas, um deles está pendurado na parede do quarto.

 

Padawans diplomados!
Padawans formados!

 

Atenção! Esta é uma atração extremamente concorrida. Para garantir a participação do seu filho ou filha, não esqueça as seguintes dicas:

–       A criança deve ter de 4 a 12 anos.

–       Você deve chegar bem cedo ao parque e ir diretamente ao ABC Sound Studio, perto do Star Tours, onde há uma placa indicando as inscrições. Todas as crianças que vão participar devem estar presentes neste momento, senão eles não inscrevem de jeito nenhum. O funcionário fará algumas perguntas, por exemplo, se a criança é capaz de ficar sem os pais no palco, ou se ela tem medo do lado sombrio da Força. Você receberá, então, um papel com o horário em que seu filho deve se apresentar para o show designado.

–       Na hora, a criança receberá a roupa Jedi e o sabre de luz, não é permitido levar seu próprio sabre.

 

Orgulho de ser um aprendiz de Jedi
Orgulho de ser um aprendiz de Jedi

 

Não deixe de conferir também o simulador Star Tours. As cenas são combinadas aleatoriamente, então você pode ir diversas vezes sem repetir a mesma experiência. Quando Dudu quis ir de novo pela décima vez, parei de contar e me deixei levar pelos desígnios da Força…

May the Force be with you. Always.

Meus 5 favoritos

A partir de hoje, todo domingo vai ser dia dos favoritos. Lugares, comidas, livros, obras de arte, lojas, qualquer coisa que esteja relacionada a viagens. E o melhor é que não serão apenas os meus preferidos, o blog vai receber convidados para contar pra você do que eles gostam.

Meu convidado, para a inauguração desta nova coluna, é o mais especial de todos: meu filho Dudu! Ele está com 8 anos e vai revelar a você quais os 5 lugares que ele mais amou, em todas as viagens que fez até hoje. Vamos conferir?

 

1- Rock’n roller coaster (Orlando)

Uma das principais atrações do Disney’s Hollywood Studios, foi a grande paixão do Dudu em nossa última visita à Disney. Ele estava com 7 anos.

 

Adrenalina ao som de Aerosmith
Adrenalina ao som de Aerosmith

 

2- Jedi Training Academy (Orlando)

Eu já perdi a conta de quantos diplomas de padawan ele já ganhou. Foram muitos duelos com Darth Vader e Darth Maul, aos 5 e aos 7 anos. O Disney’s Hollywood Studios é, de longe, o parque preferido do meu filhote.

 

Photo 0238
A força é poderosa em você, jovem padawan

 

3- Sherlock Holmes Museum (Londres)

Aos 4 anos, Dudu se encantou com a casa do famoso detetive, onde fomos recebidos pelo Dr. Watson “em pessoa”.

 

Elementar, meu caro Dudu!
Elementar, meu caro Dudu!

 

4- Pirate’s Island (Turks and Caicos)

Quando ele tinha 6 anos, fomos às ilhas caribenhas Turks and Caicos, com amigos queridos. O hotel Beaches é um paraíso que ainda merecerá um post exclusivo. Tem um parque aquático, o Pirate’s Island, que as crianças aproveitaram até mais do que a praia.

 

001_1
Tobogã na ilha dos piratas

 

5- Rain Forest Café (Fort Lauderdale)

O restaurante temático, que também existe na Disney, é realmente divertido para as crianças. Dudu nunca esquece do grito de espanto da nossa amiguinha Mariana, então com quatro anos: Gente!!!!!!! O elefante está se mexendo!!!!!!!!

 

DSC02183
Almoço selvagem!

 

Quais são os “top 5” do seu filho? Publique aqui, nos comentários! E aproveite as sugestões do Dudu nas próximas férias…

Boa semana!