Curso de pós-formação em cadeias musculares na França: passo a passo para comprar sua passagem com o desconto especial do evento!

Em novembro de 2017, mais um grupo de fisioterapeutas e educadores físicos brasileiros terá a oportunidade de “beber na fonte” fazendo um curso com o biomecanicista Philippe Campignion, em seu centro de formação no Pas de Calais (norte da França). Mais uma vez, conseguimos o apoio da Air France para aliviar um pouquinho o peso das passagens!

Publiquei este post na época em que o outro grupo estava se preparando, mas agora atualizei as informações para o evento do ano que vem e estou “reblogando”.

Quem for aproveitar, não esqueça de imprimir o contrato, que serve como comprovante de elegibilidade ao desconto e deve ser levado com os documentos de viagem, tanto no vôo de ida como no de volta. A Air France pode solicitar a apresentação.

Então, pra não ter dúvida na hora de comprar, é só seguir o passo a passo!

1) Clique aqui para entrar no site da Kiné Clínica de Fisioterapia. Então, clique no retângulo vermelho embaixo do logo da Air France: Compre sua passagem
pagina-1-kine
2) Na página seguinte, clique em ” Para efetuar sua reserva, …”
pagina-2-kine
Observe que, no mesmo quadro, está o link para imprimir o contrato!
3) No campo Event ID vai aparecer nosso código: 29755AF
No campo Your country escolha Brazil
Clique em Validate
pagina-3-kine
 
4) Em Outbound Flight, no campo From, coloque a cidade de onde vc partirá (ex: Rio de Janeiro)
A mesma cidade aparecerá automaticamente no campo To do Inbound Flight.
No calendário, a área vermelha é o período do evento e a verde clara são os dias extras que eles dão para compra das passagens. Seu vôo e ida e volta precisa “caber” nestas datas.
No calendário da esquerda, clique em cima do dia que vc quer ir. No da direita, clique no dia que vc quer voltar. Estas duas datas aparecerão automaticamente nos campos embaixo.
Mais abaixo, vc pode escolher número de passageiros (travellers) e a classe.
Clique em Search
imagem
 
5) Você vai visualizar todas as opções de vôos. Embaixo de cada opção, você pode clicar em Select, para confirmar sua escolha. Evite pesquisar no fim de semana, em geral os preços são mais baixos terças e quartas.
 copia-de-imagem-preco
A partir deste momento, é só inserir seus dados, conforme os campos indicados. No final, você receberá a confirmação da compra e, posteriormente, um e-mail, com o e-ticket e o comprovante de participação no evento. Imprima o documento, pois ele pode ser solicitado no check in.
Atenção: não é possível fazer “stopover”, isto é, passar uns dias na cidade de conexão, ou incluir outros trechos dentro da Europa. Para o vôo com desconto, somente ida e volta, do Brasil para Paris e retornando à mesma cidade no Brasil.
Se você pretende incluir destinos distantes de Paris no seu programa, antes ou depois do curso, sugiro comprar a passagem principal de ida e volta com o desconto, depois trecho menor em uma companhia low cost. Tem muito vôo barato, inclusive mais em conta do que os trens.
Só lembrando que o desconto promocional se estende por apenas 4 dias antes do início e 4 dias depois do fim do evento.
Agora é só fazer as malas!
Anúncios

Aeroportos e estações de trem na França: modo de usar

Bem vindos à Gare du Nord, uma das principais Estações de Trem de Paris
Bem vindos à Gare du Nord, uma das principais Estações de Trem de Paris

Escrevo este post – bem “didático”, aliás – pensando na turma de fisioterapeutas brasileiros que vão fazer curso no Centre Philippe Campignion em julho. Entretanto, acredito que ele pode ser bastante útil para quaisquer outros viajantes que pretendam desbravar as estradas de ferro francesas.

Quem desembarca no Aeroporto Charles de Gaulle (ou mesmo em Orly) pode se sentir um pouco perdido frente às placas de sinalização. A primeira informação importante a reter é que existem basicamente dois tipos de estações (gares) de trens em Paris. As Gares SNCF são aquelas onde encontramos os trens de Grandes Linhas, isto é, que circulam entre diferentes cidades e países. Já os trens metropolitanos, os RER, partem de estações reguladas pela RATP, fazendo parte da mesma rede que inclui o metrô.

Ou seja: se você pretende sair do avião diretamente para o trem que te levará para cidades como Arras, Lyon, Brugges ou Amsterdan, partindo da estação de trem do próprio aeroporto, deve seguir as placas para a Gare SNCF. Se você vai ficar em Paris ou vai pegar um trem Grandes Linhas a partir de uma estação de trem no centro de Paris (como a Gare du Nord, a Gare de Lyon ou a Gare Montparnasse), deve seguir as placas “Paris by train” (RER). A única opção é o RER B (linha azul), que vai direto até a Gare du Nord. Caso prefira uma certa mordomia, o ponto de táxi também é muito bem sinalizado.

Placa de sinalização no corredor do Aeroporto Charles de Gaulle
Placa de sinalização no corredor do Aeroporto Charles de Gaulle

 

No caso da nossa turma animada, todo mundo vai pegar o trem na Gare du Nord rumo a Arras. Então, vou usar este percurso como exemplo, que vale para qualquer outro.

Quem tiver tempo de dar umas voltas em Paris antes de embarcar para o Norte, tem a opção de deixar as bagagens na estação. A Gare du Nord oferece este serviço. Basta seguir a placa “Consignes”.

Para deixar as bagagens na estação e dar umas voltas em Paris antes de embarcar, siga para "Consignes"
Para deixar as bagagens na estação e dar umas voltas em Paris antes de embarcar, siga para “Consignes”

 

Assim que você descer a escada rolante, verá a grande placa amarela indicando o local. Os valores vão de 5,50 a 9,50 euros por mala, dependendo do tamanho, e valem por 24 horas. Após esse período, são mais 5 euros por dia. O serviço de depósito de bagagens também está disponível nos aeroportos e demais estações ferroviárias.

IMG_5509
Depósito de bagagens na Gare du Nord

 

Chegado o momento de seguir viagem? Caso você tenha comprado seu bilhete pela internet e impresso o e-billet, é só embarcar. Não precisa apresentar o ticket na entrada do trem, mas deve tê-lo à mão caso o controlador o solicite durante o trajeto, o que acontece com grande frequência. Se você não o tiver, estará sujeito a uma bela multa.

Se você comprou a passagem na própria estação, terá de validá-la em uma das maquininhas amarelas que ficam na ponta de cada plataforma.

Ao chegar à Estação, você verá o painel das chegadas (arrivées) e partidas (départs). Você deve buscar seu horário de partida e o número do trem, e não sua cidade de destino, pois esta pode ser uma parada no meio de um percurso mais longo e, no painel, só constará o destino final. No exemplo da fotografia abaixo, eu estava indo para Arras no TGV (trem-bala) número 7141, das 17:46. No painel, neste horário, constava Valenciennes, mas o número do trem era o mesmo (não aparece na foto, mas apareceu logo em seguida, alternando com o aviso de que estava no horário – à l’heure). Pronto, sem stress! É só aguardar o número da plataforma (voie), que só aparece entre 10 e 20 minutos antes do horário. Observe que, no painel da figura, somente os três primeiros trens já têm plataforma definida, são os números nos quadradinhos à direita. Por isso é bom ficar ligado, pois você em geral não terá muito tempo para se dirigir à plataforma e embarcar.

Chegadas e Partidas na Gare du Nord

Quando seu quadradinho aparecer, é só rumar para a plataforma correta e aguardar o embarque, estando atento ao número do vagão (voiture) impresso no seu bilhete.

TGV para Arras, prontos para o embarque!
TGV para Arras, prontos para o embarque!

Ao chegar na Gare d’Arras, você também terá pouco tempo para saltar do trem, então é bom se dirigir à saída (junto à qual estão os porta-bagagens) com uns minutinhos de antecedência: é só conferir no seu bilhete o horário de chegada e ter em mente de que eles são extremamente pontuais.

Você vai descer na plataforma e terá de cruzar para o outro lado, para chegar à saída. Se você não curte a ideia de subir e descer escadas carregando sua mala, pode pegar o elevador. Coloquei uma foto dele aqui, pra facilitar.

Elevador na plataforma da Gare d'Arras
Elevador na plataforma da Gare d’Arras

Você desce pro nível inferior e sai num corredor comprido, com outros elevadores.

Passando por baixo da estrada de ferro
Passando por baixo da estrada de ferro

Para não se enganar, siga a placa para a saída (Sortie) da Pl. Marechal Foch.

Escolhendo a saída correta
Escolhendo a saída correta

Você vai saltar do elevador diretamente no saguão da Gare d’Arras, onde está o ponto de encontro do nosso grupo: o café Pomme de Pain (aliás, o único da pequena estação…). Você já notou que, na fotografia, aparece o painel igualzinho ao da Gare du Nord, o procedimento na volta será o mesmo…

Saguão da Gare d'Arras: ponto de encontro dos fisioterapeutas brazucas!
Saguão da Gare d’Arras: ponto de encontro dos fisioterapeutas brazucas!

Agora é fazer as malas, dar aquela última revisada na biomecânica e partir pra aventura. Estaremos esperando por vocês!

Eu e Lori Campignion, as produtoras da farra!
Eu e Lori Campignion, as produtoras da farra!

Ainda pelo Norte da França…

Bem, na verdade eu já estou de volta… Mas gostaria de compartilhar mais um pouquinho dos momentos bacanas desta semana que passei no Pas de Calais. A região da França que faz fronteira com a Bélgica tem como capital a linda cidade de Arras. Toda aquela área foi palco, por vários séculos, de disputas territoriais entre a “França” (mesmo antes de existir, de fato, o Estado francês) e Flandres, que hoje constitui, basicamente, a Bélgica. Por isso, a arquitetura de Arras é muito semelhante à que encontramos em Bruxelas ou Brugges, por exemplo, com as praças rodeadas por típicas construções em estilo flamengo.

Arquitetura flamenga e delícias culinárias em Arras
Arquitetura flamenga e delícias culinárias em Arras

O centro da cidade é pequeno e pode ser percorrido facilmente a pé. Tanto a Grande Place como a Place des Héros são cheias de restaurantes, bares e lojinhas.

Grande Place
Grande Place
No fim da rua, a Catedral de Arras
No fim da rua, a Catedral de Arras
Grande Place, com o Beffroi (o salão comunal da cidade)
Grande Place, com o Beffroi (o salão comunal da cidade)

O belo edifício do Beffroi (salão comunal de Arras) é o ponto de partida para uma curiosa visita aos subterrâneos. O Norte da França atrai muitos turistas  interessados nos locais marcados pela Segunda Guerra Mundial, particularmente na Normandia. Arras faz parte deste circuito e tem uma considerável importância histórica neste sentido. Todas as caves (adegas) da cidade são interligadas no subsolo. Durante a guerra, uma famosa batalha terminou em derrota para a Alemanha, pois os aliados conseguiram passar todo um exército por baixo da terra, surpreendendo os inimigos. Para percorrer estes caminhos, é necessário fazer uma visita guiada.

IMG_3382
Beffroi d’Arras

Desta vez, só tenho fotos noturnas. Estava em Camblain l’Abbé a trabalho e só fui ao centro de Arras para jantar. Aliás, o restaurante marroquino La Mamounia, ao lado da Grande Place, é uma completa perdição. Atendimento excelente, ambiente agradável e a comida… Nem tenho palavras! Eu escolhi o tajine de boulettes (uma espécie de almôndega de carne de vaca e cordeiro), com ameixas, damascos e amêndoas. O carro chefe da casa é o Cuscuz Royal.

Jantar delicioso no La Mamounia
Jantar delicioso no La Mamounia

Para chegar em Arras, é só pegar o TGV (trem de alta velocidade) na Gare du Nord (Paris) ou no próprio Aeroporto Charles de Gaulle. A viagem dura entre 45 e 50 minutos. E o povo do norte é conhecido como o mais acolhedor do país!

Até breve, Arras!
Até breve, Arras!

 

 

 

Diretamente do norte da França!

Hoje eu escrevo daqui de Camblain l’Abbé, na região do Pas de Calais, norte da França. Neste bucólico vilarejo vive o biomecanicista Philippe Campignion, diretor mundial da Formação em Cadeias Musculares e Articulares GDS, de quem tenho o privilégio de ser assistente. Enquanto trabalho no curso, aproveito para organizar os detalhes da “peregrinação” que os fisioterapeutas cadeístas brasileiros farão em 2015, para finalmente conhecerem o Centre Philippe Campignion. Toda essa produção é feita em parceria com Lori Campignion, esposa do Philippe, que responde por toda a administração do centro de formação. Bem pertinho da residência deles, onde fica a sala de cursos, está situado o albergue Le Refuge, também de propriedade do casal Campignion. Eles transformaram esta casa charmosa em um “gîte” (hospedagem rural), exclusivamente para abrigar os alunos.

Um dia lindo na casa de  Lori e Philippe Campignion
Um dia lindo no “gîte” Le Refuge
Lori e eu estamos preparando tudo para a chegada dos brasileiros no ano que vem!
Lori e eu estamos preparando tudo para a chegada dos brasileiros no ano que vem!

 

Desta vez, eu estava muito bem acompanhada por três amigas queridas e competentes: Sylvia Azevedo, Patrícia Gebara e Maíra Maneschy. Já testamos e aprovamos o restaurante onde todo o grupo vai almoçar nos dias de curso.

Brasileiras invadem o norte da França!
Brasileiras invadem o norte da França!
Recém inaugurada, esta pequena taberna tem um ambiente super acolhedor, e a comida estava uma delícia
Recém inaugurada, esta pequena taberna tem um ambiente super acolhedor, e a comida estava uma delícia
Com Philippe, curtindo um restaurante tipicamente francês
Com Philippe, curtindo um restaurante tipicamente francês

Nos intervalos do curso, é possível relaxar no jardim com uma xícara de chá. Demos a sorte de ter até um solzinho, todos os dias! Trabalhar assim é realmente um prazer!

Um jardim agradável e convidativo para o bate-papo dos intervalos
Um jardim agradável e convidativo para o bate-papo dos intervalos
Em frente ao jardim, a sala de curso
Em frente ao jardim, a sala de curso

 

E então? Passagens compradas? Camblain l’Abbé está te esperando! Será uma experiência inesquecível…

 

Embarque autorizado para fisioterapeutas

Os preparativos começam a esquentar para os 40 brasileiros que vão para o norte da França em julho e agosto de 2015. O primeiro grupo fará sua reciclagem com o grande biomecanicista Philippe Campignion de 13 a 16 de julho, o segundo de 3 a 6 de agosto. Ontem, eu comprei minhas passagens. Vou com Alexandre e Dudu, de Air France, dia 11 de julho às 19:05 e só volto dia 8 de agosto às 23:25. Quem quiser pegar os mesmos vôos, pra ir com a gente no mesmo avião e trem, seja bem vindo! Estaremos presentes em ambos os cursos, não só porque estamos organizando, mas também porque serei responsável pela tradução para o português. Entre estas duas atividades, me restarão 17 lindos dias de verão para merecidas férias, que depois eu conto como serão… Se você quer mais informações sobre o curso, clique aqui!

No primeiro post que publiquei sobre o assunto das passagens, mostrei uma pesquisa de preços de bilhetes aéreos, com os links para as companhias. É preciso saber que pode haver alguma variação ao longo do tempo. Além disso, o euro andou subindo. Hoje, por exemplo, a Lufthansa já não está tão barata quanto antes. Por outro lado, o preço da Tap está excelente, apesar do vôo de volta ser diurno. É altamente recomendável refazer a pesquisa na hora de comprar. Sempre lembrando que a única que faz vôo direto Rio-Paris-Rio é a Air France.

A escolha da companhia aérea é uma questão de prioridades. Você encontra preços mais baixos nos sites de passagens, porém vai ter que encarar longas esperas em conexões. Talvez você possa se permitir pagar R$ 200,00 a mais por um vôo direto num horário conveniente. Ou talvez esse valor realmente faça diferença no seu orçamento. Ou ainda pode ser que você não dê a mínima para baldeações ou vôos diurnos e prefira, de fato, pagar mais barato. A questão é justamente essa: quão mais caro estou disposta a pagar pelo conforto de um vôo direto?

Como no outro post eu fiz a pesquisa baseada nas datas da primeira turma, desta vez vou privilegiar o pessoal da segunda. Não sei se a maioria vai querer passear antes ou depois do curso, então busquei de 1 a 8 de agosto, somente uma semana. Lembre-se de que a data limite de volta para aproveitar o desconto do evento na Air France é 11 de agosto. Ou seja, se você quer ficar um tempão curtindo a Europa e aproveitar a tarifa reduzida, é melhor programar o lazer antes do dever!  Atenção: mesmo tendo comprado o bilhete no site com a id do evento, é obrigatório apresentar o comprovante de inscrição no curso no balcão do check in.

Ontem, nosso bilhete da Air France com desconto para participantes do evento custou R$ 3.711,29 (11 de julho a 8 de agosto). A tarifa normal, para as mesmas datas, estava R$ 3893,82.

 

Vamos ver como fica a comparação com as demais em agosto?

 

Air France com desconto do evento, vôo direto: R$ 3372,52

Air France com desconto do evento, escala em Amsterdam na volta: R$ 3197,90

Air France sem desconto, vôo direto: R$ 3535,98

Lufthansa, conexão em Frankfurt: R$ 3284,17

Tam, conexão em Guarulhos: R$ 4677,33

Tap, conexão em Lisboa: R$ 2838,73

 

Pois é, a Tap está com um belo preço! Mas no site eles avisam que são poucos lugares por este valor. Pessoalmente, prefiro o vôo direto, ainda mais porque vou com criança. Aliás, um detalhe para quem está levando os filhos: a tarifa reduzida da Air France para o evento não faz o preço diferenciado para crianças. Isto significa que talvez não valha a pena… No meu caso, fizemos assim: o Alexandre comprou com o desconto, eu e Dudu fomos pela tarifa normal. Se você tentar comprar os adultos com o desconto e só as crianças na tarifa normal vai sair uma loucura, pois incidirá a taxa de menor desacompanhado, que é alta. Eu chequei a opção de comprar a passagem do Dudu por telefone, fornecendo o código de reserva dos pais no mesmo vôo, para não constar como desacompanhado. Isso até é possível, só que, neste caso, você paga taxa de emissão do bilhete, o que não ocorre na compra pela internet. Resumo da ópera, se você optar pela Air France: compre um adulto e as crianças na tarifa normal e o outro com o desconto. É a melhor opção, se a sua prioridade for um vôo direto e noturno, na ida e na volta, e se você estiver disposto a pagar esta diferença.

 

A Gare d'Arras, onde o Expresso GDS vai chegar! ;-)
A Gare d’Arras, onde o Expresso GDS vai chegar! 😉

 

Quanto às passagens de TGV (trem de alta velocidade) entre Paris e Arras, só é possível comprar com dois meses de antecedência. Quanto antes, maiores as chances de encontrar promoções. Você provavelmente pagará entre 17 e 25 euros cada “perna”.  É possível pegar o TGV tanto no próprio aeroporto quanto na Gare du Nord, em Paris. Mais perto eu dou notícias precisas sobre horários de trem e o esquema para ir da Gare d’Arras (gare = estação de trens) até os alojamentos e o Centre de Formation Philippe Campignion.

A única dificuldade será manter a turma concentrada no curso depois do almoço, onde normalmente a refeição é regada a certas especialidades da Bélgica e do norte da França…

 

Os alunos europeus bebem cerveja no intervalo do curso e aguentam o tranco. E os brasileiros, vão encarar?
Os alunos europeus bebem cerveja no intervalo do curso e aguentam o tranco. E os brasileiros?

 

Eu estou super animada, e você? 🙂

 

Museus em Paris que valem a visita – Parte 3

Continuando a série sobre museus em Paris, vamos conversar sobre Picasso, Monet e arte medieval. Mais uma vez, não esqueça de checar o Pariscope, para informações de acesso, dias e horários de funcionamento.

1- Musée Marmottan

A maior parte do acervo do Marmottan é dedicado à obra de Claude Monet. Muita gente deseja conhecer a famosa casa em Giverny, mas a maioria das pessoas nunca ouviu falar deste pequeno museu, dentro de Paris, bem pertinho do Bois de Boulogne. Aliás, “a boa” é combinar as duas visitas juntas, pois estas atrações ficam a uma curta distância a pé uma da outra. A coleção do Marmottan foi doada pelo filho do pintor e inclui um quadro que, por si só, vale a visita: Impressions, soleil levant (em português: Impressões, sol nascente). A denominação do movimento impressionista foi cunhada a partir deste quadro, que pode ser considerado sua pedra fundamental. Ainda neste lindo museu, eu gostei particularmente da coleção de iluminuras medievais, de uma beleza indescritível.

 

2- Musée de Cluny

Um charmoso castelo do século XIII, em uma pracinha aprazível no coração do Quartier Latin, abriga o museu nacional da Idade Média. De acesso fácil, sem fila, interessantíssimo tanto por suas coleções quanto pelo edifício em si, este local adorável merece ser incluído no seu roteiro. Você vai se surpreender com a variedade de peças inestimáveis em tapeçaria, ourivesaria, mobiliário, iluminuras (eu realmente adoro iluminuras medievais…) e outros tesouros.

O pátio do belo edifício que abriga o museu medieval
O pátio do belo edifício que abriga o museu medieval
musee de cluny
Musée de Cluny

 

3- Musée Picasso

Bem, Picasso dispensa apresentações. Localizado no delicioso bairro do Marais, o museu dedicado a este incomparável artista ficou um tempão fechado para reformas, mas reabrirá suas portas no dia 25 de outubro de 2014. Estou louca para revisitá-lo! Além de importantes obras de Picasso, o museu ainda abriga a coleção particular do artista, que inclui quadros de Cesanne, Seurat, Degas e outros gênios. Meu quadro favorito no museu é Violino e Partitura, de 1912. Mas os estudos para as célebres Demoiselles d’Avignon também me emocionaram.

 

Antes da grande reforma, assim era o pátio interno do Museu Picasso, onde havia uma cafeteira. Em poucos dias saberemos se alguma coisa mudou...
Antes da grande reforma, assim era o pátio interno do Museu Picasso, onde havia uma cafeteira. Em poucos dias saberemos se alguma coisa mudou…

 

 

 

Museus em Paris que valem a visita – Parte 1

Se você está indo a Paris pela primeira vez, seu roteiro passará obrigatoriamente pelo Louvre e pelo Musée d’Orsay. Atrações indiscutivelmente incontornáveis, já cantadas em prosa e verso pelos mais diversos veículos e autores, estes dois ícones parisienses foram deliberadamente excluídos desta lista singela. Exatamente por esta razão: dispensam recomendação, já estão previstos, com absoluta certeza. Depois de visitar estes gigantes imprescindíveis, a escolha entre os incontáveis museus e galerias espalhados pela cidade pode trazer dúvida – e até angústia – ao coração de quem gosta de arte e cultura. Eu definitivamente não conheço todos os museus de Paris (será que alguém conhece?!), mas já estive em um número considerável. Alguns eu gostei demais, outros não especialmente. Alguns bem óbvios, outros nem tanto. Alguns pretendo ainda visitar, outros não faço questão. Espero que a minha experiência possa te ajudar nessa “escolha de Sofia”, que é selecionar as igrejas, museus, parques, monumentos e outras atrações que caibam no número de dias programados para as férias às margens do Sena.

 

O Museu do Louvre e sua Pirâmide
O Museu do Louvre e sua Pirâmide

 

Musée d'Orsay
Musée d’Orsay
O Musée d'Orsay visto do Rio Sena
O Musée d’Orsay visto do Rio Sena

 

1- Musée Rodin

Este museu encantador foi o primeiro que visitei em Paris. É quase mágico, passear pelo jardim da casa em que viveu um dos maiores escultores da história, flanando entre obras de arte expostas ao ar livre. Para completar a experiência, não deixe de tomar um café ou um sorvete na cafeteria do jardim, depois visite o interior da casa, onde estão alguns dos mais famosos trabalhos de Auguste Rodin e Camille Claudel. O Musée Rodin fica muito perto do Musée d’Orsay e do Hôtel des Invalides, onde estão o túmulo de Napoleão e o Museu da Guerra. Se você tiver um cronograma apertado, pode ser uma boa ideia fazer os três no mesmo dia.

 

Musée Rodin
Musée Rodin
Pensador e Invalides
O Pensador em seus devaneios, entre as flores do jardim e o belo Dôme des Invalides
IMG_0787
Arte ao ar livre, no Musée Rodin
Dentro da casa onde viveu Rodin, algumas de suas mais belas obras
Dentro da casa onde viveu Rodin, algumas de suas mais belas obras
O beijo mais famoso da história da arte
O beijo mais famoso da história da arte
Uma "selfie" no Musée Rodin
Uma “selfie” no Musée Rodin

2- Musée de l’Orangerie

Quando você chega ao Jardin de Tuileries, vindo da Place de la Concorde, percebe que a entrada do parque que leva ao Louvre é ladeada por dois museus pequenos e simpáticos: à direita, o Musée de l’Orangerie; à esquerda, o Jeu de Paume. No Jeu de Paume você vai encontrar predominantemente exposições temporárias, e a programação pode ser conferida no indefectível Pariscope. Quanto ao Musée de l’Orangerie… Se você gosta de arte, deve realmente tentar incluir esta joia em seu roteiro! O museu tem uma pequena, porém expressiva, coleção de arte impressionista. Mas o ponto alto, de fato, são as duas grandes salas, em que painéis das Ninféias de Monet preenchem inteiramente cada uma das quatro paredes. De acordo com o local onde você se posiciona, em cada sala, os quadros imensos adquirem aspectos diversos, e a própria sala parece mudar.  A luz natural penetra, tornando a experiência diferente segundo o horário da visita. É possível se perder por um longo tempo, em meio a tamanha beleza…

Galerie Nationale du Jeu de Paume. Não tenho nenhuma foto do Musée de l'Orangerie...
Uma perspectiva “torta” da Galerie Nationale du Jeu de Paume. Não tenho nenhuma foto do Musée de l’Orangerie… 😦

 

3- Musée de l’Histoire de la Médecine

Este museu pequeno e impressionante fica dentro da Université Paris Descartes, na Rue de l’École de Médecine. Tem horários de funcionamento restritos e variáveis, então, mais uma vez, é necessário consultar o bom e velho Pariscope. A coleção inclui maletas com instrumentos de barbeiros-cirurgiões medievais, um estojo de medicamentos homeopáticos do século XIX, que pertenceu ao médico de Vincent Van Gogh, desenhos esquemáticos do cérebro humano, feitos por Sigmund Freud, modelos anatômicos do século XVIII, ferramentas cirúrgicas egípcias e outros tesouros. Se tudo isso já soa interessante para qualquer pessoa curiosa, imagine para alguém que trabalha na área da saúde!

Université Paris Descartes, onde funciona o Musée de l'Histoire de la Médecine
Université Paris Descartes, onde funciona o Musée de l’Histoire de la Médecine

No próximo post, vamos conversar sobre mais três museus que moram no meu coração. Esse papo ainda tem muito o que render…