Museus em Paris que valem a visita – Parte 1

Se você está indo a Paris pela primeira vez, seu roteiro passará obrigatoriamente pelo Louvre e pelo Musée d’Orsay. Atrações indiscutivelmente incontornáveis, já cantadas em prosa e verso pelos mais diversos veículos e autores, estes dois ícones parisienses foram deliberadamente excluídos desta lista singela. Exatamente por esta razão: dispensam recomendação, já estão previstos, com absoluta certeza. Depois de visitar estes gigantes imprescindíveis, a escolha entre os incontáveis museus e galerias espalhados pela cidade pode trazer dúvida – e até angústia – ao coração de quem gosta de arte e cultura. Eu definitivamente não conheço todos os museus de Paris (será que alguém conhece?!), mas já estive em um número considerável. Alguns eu gostei demais, outros não especialmente. Alguns bem óbvios, outros nem tanto. Alguns pretendo ainda visitar, outros não faço questão. Espero que a minha experiência possa te ajudar nessa “escolha de Sofia”, que é selecionar as igrejas, museus, parques, monumentos e outras atrações que caibam no número de dias programados para as férias às margens do Sena.

 

O Museu do Louvre e sua Pirâmide
O Museu do Louvre e sua Pirâmide

 

Musée d'Orsay
Musée d’Orsay
O Musée d'Orsay visto do Rio Sena
O Musée d’Orsay visto do Rio Sena

 

1- Musée Rodin

Este museu encantador foi o primeiro que visitei em Paris. É quase mágico, passear pelo jardim da casa em que viveu um dos maiores escultores da história, flanando entre obras de arte expostas ao ar livre. Para completar a experiência, não deixe de tomar um café ou um sorvete na cafeteria do jardim, depois visite o interior da casa, onde estão alguns dos mais famosos trabalhos de Auguste Rodin e Camille Claudel. O Musée Rodin fica muito perto do Musée d’Orsay e do Hôtel des Invalides, onde estão o túmulo de Napoleão e o Museu da Guerra. Se você tiver um cronograma apertado, pode ser uma boa ideia fazer os três no mesmo dia.

 

Musée Rodin
Musée Rodin
Pensador e Invalides
O Pensador em seus devaneios, entre as flores do jardim e o belo Dôme des Invalides
IMG_0787
Arte ao ar livre, no Musée Rodin
Dentro da casa onde viveu Rodin, algumas de suas mais belas obras
Dentro da casa onde viveu Rodin, algumas de suas mais belas obras
O beijo mais famoso da história da arte
O beijo mais famoso da história da arte
Uma "selfie" no Musée Rodin
Uma “selfie” no Musée Rodin

2- Musée de l’Orangerie

Quando você chega ao Jardin de Tuileries, vindo da Place de la Concorde, percebe que a entrada do parque que leva ao Louvre é ladeada por dois museus pequenos e simpáticos: à direita, o Musée de l’Orangerie; à esquerda, o Jeu de Paume. No Jeu de Paume você vai encontrar predominantemente exposições temporárias, e a programação pode ser conferida no indefectível Pariscope. Quanto ao Musée de l’Orangerie… Se você gosta de arte, deve realmente tentar incluir esta joia em seu roteiro! O museu tem uma pequena, porém expressiva, coleção de arte impressionista. Mas o ponto alto, de fato, são as duas grandes salas, em que painéis das Ninféias de Monet preenchem inteiramente cada uma das quatro paredes. De acordo com o local onde você se posiciona, em cada sala, os quadros imensos adquirem aspectos diversos, e a própria sala parece mudar.  A luz natural penetra, tornando a experiência diferente segundo o horário da visita. É possível se perder por um longo tempo, em meio a tamanha beleza…

Galerie Nationale du Jeu de Paume. Não tenho nenhuma foto do Musée de l'Orangerie...
Uma perspectiva “torta” da Galerie Nationale du Jeu de Paume. Não tenho nenhuma foto do Musée de l’Orangerie… 😦

 

3- Musée de l’Histoire de la Médecine

Este museu pequeno e impressionante fica dentro da Université Paris Descartes, na Rue de l’École de Médecine. Tem horários de funcionamento restritos e variáveis, então, mais uma vez, é necessário consultar o bom e velho Pariscope. A coleção inclui maletas com instrumentos de barbeiros-cirurgiões medievais, um estojo de medicamentos homeopáticos do século XIX, que pertenceu ao médico de Vincent Van Gogh, desenhos esquemáticos do cérebro humano, feitos por Sigmund Freud, modelos anatômicos do século XVIII, ferramentas cirúrgicas egípcias e outros tesouros. Se tudo isso já soa interessante para qualquer pessoa curiosa, imagine para alguém que trabalha na área da saúde!

Université Paris Descartes, onde funciona o Musée de l'Histoire de la Médecine
Université Paris Descartes, onde funciona o Musée de l’Histoire de la Médecine

No próximo post, vamos conversar sobre mais três museus que moram no meu coração. Esse papo ainda tem muito o que render…

 

Anúncios

Algumas dicas essenciais de Paris

Eu já falei sobre Paris diversas vezes aqui no blog. Citei o Pariscope como minha dica mais importante , dei o caminho das pedras para comprar ingressos para concertos, listei meus lugares favoritos para tomar chá (veja aqui e aqui) e revelei minhas preferências na hora das compras (veja aqui e aqui).

Ainda pretendo escrever muito sobre esta cidade que frequento com grande assiduidade, pelo trabalho e/ou pelo prazer de bater perna por suas ruas adoráveis. Hoje vou dar algumas dicas que considero imprescindíveis!

 

1- Paris Museum Pass: Você pode comprar pelo site ou em qualquer dos monumentos conveniados, é um passe que vale por 2, 4 ou 6 dias consecutivos (respectivamente 42, 56 e 69 euros), e inclui entrada ilimitada em quase todos os monumentos e museus de Paris (não inclui a Torre Eiffel). Além de economizar dinheiro, na maioria deles você fura a fila, essa é a principal vantagem. No Louvre, você vai adorar entrar livre, leve e solto por uma porta e ver a multidão esperando do outro lado… Em Versailles não tem jeito, tem que encarar a fila, mas pelo menos você só pega para entrar, evitando a de comprar ingresso. Uma sugestão: se você não comprar o passe pela internet, compre na Conciergerie, que fica ao lado da Sainte Chapelle, na Ile de la Cité. Lá nunca tem fila, e vale uma rápida visita às celas onde ficaram presos Robespierre, Maria Antonieta e vários heróis da Revolução Francesa. Depois, você pode ir na Sainte Chapelle e na Catedral de Notre Dame, que é quase do lado. O passe é válido para subir nas torres da Catedral. Na rua lateral, onde fica a fila para subir nas torres, tem umas carrocinhas que vendem crepes e galletes. Não perca! Uma delícia! Logo ao lado, na Ile St Louis, tem outra delícia imperdível: sorvetes Bertillon, os melhores de Paris. São vendidos em diversos locais na ilha, se você comprar no balcão, pra sair tomando pela rua, é bem mais barato.

A Vênus de Milo, uma das mais importantes e belas obras do acervo do Louvre
A Vênus de Milo, uma das mais importantes e belas obras do acervo do Louvre
IMG_0769
A subida no Arco do Triunfo está incluída no Paris Museum Pass

2- Hotel Clément: desde que conheci este hotel, nunca mais fiquei em outro. Fica no coração de St Germain de Près, ao lado do metro Mabillon (6, Rue Clément). Simples, porém limpo, silencioso, organizado, com ótimo atendimento e preço abaixo da média. Como a maioria dos hotéis em Paris, o elevador é minúsculo e o quarto poderia ser maior… Mas acho o custo-benefício excepcional! A suíte júnior é ideal para casais com uma criança. Infelizmente, não há quarto quádruplo.

3- Ingresso antecipado para a Torre Eiffel: o site oficial do principal ponto turístico de Paris tem uma versão em português, onde se pode adquirir ingressos antecipados para subir na famosa torre. Como esta possibilidade é relativamente nova, eu confesso que nunca subi, mesmo depois de ter ido umas 20 vezes à Cidade Luz! É que as filas são sempre tão grandes, que eu desanimo… Ano que vem, vou levar o Dudu, então vai rolar com certeza! É recomendável antecedência, pois há um número limitado de ingressos por dia.

O principal ícone parisiense
O principal ícone parisiense

4- Carrossel du Louvre: o centro comercial que fica no subsolo do Museu do Louvre é uma ótima opção para “quebrar” uma longa visita às galerias. Tem o Mariage Frères, minha casa de chá preferida; a incrível loja Nature et Découvertes, com uma diversidade de itens para amantes da natureza (aventureiros ou não); e a Apple Store, entre outras lojas e restaurantes. A propósito: muita gente diz que são necessários vários dias para visitar o Louvre. Bem, a não ser que você esteja fazendo doutorado em história da arte, não precisará de 2 ou 3 dias só neste museu. Um dia ou parte dele é suficiente. Há muita coisa pra ver em Paris, ainda mais se você dispuser de apenas uma semana ou menos!

5- Café da manhã fora do hotel: eu sei que muita gente gosta de tomar café da manhã no hotel, porque já sai “pronto”. A questão é que, em geral, o salão de “petit déjeuneur” fica no subsolo, fechado, em uma cidade que tem como uma de suas principais características, a profusão de cafeterias com as famosas mesinhas na calçada, viradas para o “movimento”. Eu considero a experiência de tomar um expresso acompanhado de um croissant ou uma tartine (baguette tostada com manteiga), sentada em um local como este, item fundamental em qualquer visita a Paris. Você entra no clima e se sente parte do contexto.

6- Maquiagem: a compra da maquiagem é praticamente incontornável, quando se visita Paris. Mesmo que você seja homem, pois terá levado, com certeza, uma listinha de encomendas. Mas se você for mulher, lembre-se de que nas lojas de departamentos, quando você for fazer suas comprinhas no quiosque das principais marcas, a atendente provavelmente vai se oferecer para te fazer uma linda maquiagem na hora. É claro, você vai se sentir bela como uma fada e vai querer comprar tudo. Mas, mesmo que só leve um batom, sairá de lá “toda trabalhada no glamour” rsrsrsrs. Então, aproveite para comprar maquiagem no dia que você já tiver programado um teatro, concerto ou jantar especial, pois a produção já estará prontinha! 😉

Minha amiga ficou ainda mais linda, toda produzida na Shiseido do Le Bon Marché
Minha amiga ficou ainda mais linda, toda produzida na Shiseido do Le Bon Marché

 

Ainda tenho muito a dizer sobre Paris… Restaurantes, museus, lojas, atrações para crianças… Essa é a parte mais divertida em se ter um blog, posso continuar o assunto em outros posts e prolongar nossa conversa sobre meu tema favorito!

Então, um abraço e até o próximo!

Croissants e macarrons

Este é o último post da série sobre o ritual do chá em Londres e Paris. Os lugares que vou citar hoje têm uma particularidade: ao contrário do Mariage Frères, tema do texto anterior, onde o chá propriamente dito é a “diva” absoluta, nestas casas a gulodice fala mais alto. Eles até oferecem chás deliciosos, mas você não irá até lá por causa disso, e sim pelas guloseimas inesquecíveis ou pelo local em si.
É o caso dos macarrons Ladurée, uma verdadeira instituição parisiense. Você os come com a boca e, principalmente, com os olhos. O de cereja é uma perdição. Ainda mais acompanhado de um chá de violeta, que eu sempre trago pra casa. Existem salões de chá Ladurée em diversos lugares, inclusive dentro das lojas de departamentos. Eu costumo frequentar o da Rue Bonaparte. Aliás, tornou-se uma tradição para mim: como o vôo chega de manhã, largo as malas no hotel e,  já que ainda não é hora do check in, vou tomar um brunch neste pequeno paraíso. A omelette que eles servem lá é a melhor que eu já comi na vida! E as viennoiseries… Não perca o croissant de pistache e amêndoas. Sem contar que o ambiente e a decoração são uma verdadeira viagem à belle époque. Atração incontornável!

 

Café da manhã na Maison Ladurée
Café da manhã na Maison Ladurée
IMG_1519
A viagem era a trabalho, mas me diverti muito com Mônica e Pat, tomando um brunch na Ladurée da Rue Bonaparte!

 

Ladurée na loja de departamentos Printemps
Ladurée na loja de departamentos Printemps

 

Outro local que gosto bastante, especialmente quando a idéia não é me perder em um ritual gastronômico sem hora para acabar, é o Paul. Tem em tudo quanto é canto, inclusive na estação de trem dentro do aeroporto. É o que eu mais frequento, aliás, pois muitas vezes, em minhas viagens de trabalho, nem chego a passar em Paris, vou direto para Arras. Eu sei, quase uma heresia, descer em Charles de Gaulle e não colocar meus pezinhos de fada na Cidade Luz (como diria minha amiga Anna). Mas nem sempre é possível… Enfim, o Paul também tem ótimos croissants, macarrons e sanduíches, além de opções de café da manhã ou brunch.

Um lugar especial, que eu conheço há pouco tempo, é o Museu Jacquemart-André. É um palacete belíssimo, que pertenceu a um casal de colecionadores de arte, e permanece decorado como no tempo em que eles lá viviam, no final do século XIX. Além dos móveis e objetos que te transportam para a vida deles, como em uma máquina do tempo, o acervo de obras de arte é de fato impressionante, principalmente se levarmos em conta que é uma coleção particular. Esta visita encantadora inclui um salão de chá, com vista para o jardim, onde você encontrará sanduíches, saladas e doces franceses de tirar o fôlego. O museu fica no Boulevard Haussmann 158. Todas as informações práticas estão disponíveis no website.

 

Mamãe escolheu a tartelette de amoras, no Café Jacquemart-André
Mamãe escolheu a tartelette de amoras, no Café Jacquemart-André

 

Finalmente, se você não está muito a fim de chá, pode experimentar o melhor chocolate quente de Paris, na Maison Angelina. Um salão decorado com o máximo requinte, atendimento excelente e a fina flor da patisserie francesa completam a receita para uma experiência inesquecível.

Difícil será escolher, entre todas essas delícias…

A arte francesa do chá

No texto Muffins ou Madeleines?, comecei a contar meus segredos de apaixonada por chá e prometi dividir o assunto em dois posts, um sobre Londres e outro sobre Paris.

Só que me dei conta de que, definitivamente, minha casa de chá preferida merecia um post inteirinho dedicado a ela. Vamos combinar diferente, então: hoje conversamos sobre o Mariage Frères, na próxima vez Ladurée e os outros, certo?

Fundado em 1854, o Mariage Frères é um dos estabelecimentos mais tradicionais de Paris. O foco deles é realmente no chá. Eles até fazem delícias comestíveis, mas tudo ali gira em torno das mágicas misturas de folhas, flores e ervas que tornam esta bebida tão interessante e misteriosa. A loja, em si, já é um sonho, com todas aquelas latas pretas lindas, enfileiradas… É só você pedir e os atendentes estão disponíveis para colher uma amostra que te permita sentir o perfume escondido em cada uma. Sem contar as chaleiras, xícaras e outros acessórios que se inspiram na arte e no design dos mais diferentes lugares e épocas.

Tudo isso é incrível, mas a festa começa, de fato, quando passamos ao salão de degustação. O garçon te traz uma catálogo com mais de mil qualidades de chá diferentes (falando sério, é um livro!), e você olha pra cara dele sem saber o que dizer. Acontece que todos na equipe são conhecedores, então ele conversa com você um pouquinho, para saber o tipo de sabor que te agrada, e te ajuda a escolher aquele que parece ter mais afinidade com o seu paladar. Se você já tem alguma experiência, ainda melhor, porque ele vai te conduzir por caminhos inexplorados dentro de um universo aparentemente conhecido…

 

IMG_0384
Degustando chá no Mariage Frères do Marais

 

Antigamente, você tinha poucas opções de acompanhamento para o seu chá. O delicioso básico da tradição francesa: madeleines, financiers, éclairs, viennoiseries. De uns anos para cá, o Mariage Frères desenvolveu toda uma linha culinária que utiliza o chá como tempero, em pratos quentes e frios, saladas e sobremesas. O mais interessante é que a refeição é acompanhada do chá propriamente dito, e cada prato é harmonizado com um tipo específico. É claro que nossos amigos garçons estão prontos para indicar se o seu prato harmoniza melhor com um Jiang Xi Imperial (chá preto da China), ou um Grand Oolong (chá azul, método de Formosa). Ou ainda, se você manifestar sua preferência por uma variedade específica da bebida, ele poderá sugerir o prato que lhe cairá como uma luva.

Um dado interessante é que a equipe se refere ao chá pelo mesmo tipo de vocabulário adotado pelos enólogos. Safra, aroma, cor, origem e outras particularidades são descritas de forma semelhante à que um sommelier utilizaria para definir um vinho. E as variações tendem ao infinito! Para quem deseja se aprofundar, a casa oferece diversas oficinas de descoberta e degustação, o chamado Tea Club. Os cursos se dividem em dois níveis: Primeira abordagem (iniciação) e Segredos dos Jardins (aprofundamento). Cada oficina dura em torno de 1h30min e pode ser seguida de um almoço.

 

Magret de pato com juliana de legumes, lindamente apresentado e harmonizado à perfeição com um chá do Ceilão
Magret de pato com juliana de legumes, lindamente apresentado e harmonizado à perfeição com um chá do Ceilão

 

Este ano, o Mariage Frères celebra 160 anos de existência em seu endereço original no Marais. Há diversos outros salões, lojas e quiosques de venda espalhados pela cidade, mas minha favorita ainda é a da Rue du Bourg Tibourg 30. Aliás, dentre os diversos produtos lançados para celebrar o aniversário, está uma exclusiva mistura de chá preto e notas florais e frutadas, batizada justamente de Bourg Tibourg. Estarei por lá em setembro para experimentar, depois te conto.

Recomendo que você faça uma visita ao website deles, onde estão disponíveis todas as informações, endereços, horários, agenda do Tea Club, cardápio do restaurante e catálogo de produtos, assim como a história dos irmãos Mariage e da arte do chá francês. A viagem já começa antes mesmo de você levantar da cadeira! Divirta-se nesta exploração, enquanto aguarda os macarrons com chá de violeta do meu próximo post…

 

Em casa, como em Paris!
Em casa, como em Paris!

 

 

Muffins ou madeleines?

Eu sou louca por chá. Desde criança, quando minha mãe saía mais cedo do trabalho às quartas-feiras e me levava ao Lord Jim Pub, em Ipanema, onde a inglesa Anne Philipps servia o tradicional chá completo, à moda britânica. Já na casa dos 20 anos, descobri os encantos do chá francês, graças a uma das mais belas passagens da literatura universal. O personagem de “Em Busca do Tempo Perdido” se vê invadido pelas reminiscências de uma vida inteira, a partir de uma experiência sensória deflagrada pelo cheiro e o sabor de uma madeleine mergulhada em chá de tília. Desde que tive o privilégio de ler Marcel Proust, cada madeleine mergulhada no chá é, para mim, uma experiência existencial.

Bem, este post não é sobre literatura e muito menos sobre minhas vivências pessoais, mas todos esses preâmbulos têm a intenção de deixar claro o espaço que o chá ocupa em minha vida. Porque os lugares que vou indicar para vocês são realmente especiais para mim. E estão localizados nas duas cidades que disputam, centímetro a centímetro, a posse do meu coração. Tanto que vou dividir este texto em duas partes, uma para cada cidade.

Vamos começar por Londres. Em Picadilly, desde 1707, existe um reino encantado para os amantes do chá. Um belíssimo edifício de seis andares, onde são produzidos todos os chás, biscoitos, geléias e bolos que abastecem o Palácio de Buckingham. A Fortnum and Mason funciona como uma loja de departamentos, dividida em sessões de biscoitos, chocolates, frios, louças, acessórios de cozinha, cestas de piquenique e muitas outras, além do chá, é claro. Este lugar de sonho conta com seis restaurantes, que vão desde uma sorveteria e um wine bar até o The Diamond Jubilee Tea Salon, que eles descrevem, apropriadamente, como um ícone britânico. Quando fiz 40 anos, em 2012, propus à minha mãe uma viagem só nós duas, para desfrutarmos nossas maiores paixões em comum: ballet e chá. Ainda contarei muitos detalhes em posts futuros, mas já posso adiantar que fizemos uma grande comemoração no chá das cinco deste salão fantástico, recentemente reformado em homenagem ao jubileu de diamante da rainha Elizabeth II. Ali, a tradição é respeitada em cada receita, na maneira de servir, na decoração, em todos os detalhes. Você pode visualizar os cardápios e fazer sua reserva pelo site. Só não esqueça de destinar um tempo para passear pela loja, você nunca viu tantas delícias reunidas num mesmo local!

 

A fachada da Fortnum and Mason, em Piccadilly
A fachada da Fortnum and Mason, em Piccadilly, enfeitada para o Jubileu da rainha

 

Tradição nos mínimos detalhes
Tradição nos mínimos detalhes

 

IMG_0348
Scones que derretem na boca, mini-sanduiches, pequenas delícias…

 

Trouxe  para casa o Jubilee Tea Blend, criado especialmente para homenagear os 60 anos do reinado de Elizabeth II
Trouxe para casa o Jubilee Tea Blend, criado especialmente para homenagear os 60 anos do reinado de Elizabeth II

 

IMG_0357
Uma forma britânica de comemorar a chegada aos 40!

 

Um lugar muito simpático para o chá das cinco é, também, a famosa loja de departamentos Harrods. Há diversas opções, espalhadas nos sete andares, que oferecem desde lanches rápidos até jantares requintados. Para o chá, há o Georgian Restaurant, o The Tea Room e o The Harrods Terrace, entre outros.

 

Eu e Alexandre escolhemos o Georgian Restaurant, enquanto Dudu dormia no carrinho.
Eu e Alexandre escolhemos o Georgian Restaurant, enquanto Dudu dormia no carrinho.

 

Se a ideia é comprar chá para levar pra casa, meu lugar favorito é The Tea Palace, que fica no Convent Garden. Eles têm um Earl Grey with blue flowers que é de beber suspirando. A loja é uma experiência sensorial, os chás ficam em recipientes de vidro para que você sinta os aromas e veja a beleza das misturas de folhas. A maior parte dos meus acessórios foram comprados lá (infusores, coadores, medidores…).

 

No cantinho do chá que tenho na cozinha, há lugar reservado para as latinhas The Tea Palace
No cantinho do chá que tenho na cozinha, há lugar reservado para as latinhas The Tea Palace

 

A loja da Twinnings, a marca inglesa de chá mais conhecida no Brasil, foi uma decepção para mim. Achei totalmente sem graça. Entretanto, eles fizeram uma enorme reforma, que inclui a criação de um museu do chá, então imagino que agora seja um bom programa. Preciso voltar a Londres para conferir!

Eles continuam não tendo salão de degustação, então é só para comprar chá e acessórios. A novidade é que você pode escolher saquinhos avulsos para compor sua caixa, embora o chá em folhas seja bem melhor. Inclusive, se você está acostumado a comprar Twinnings no Brasil, saiba que o de lá é diferente: eles têm uma linha para exportação mais adaptada ao paladar internacional. Meu favorito da marca é o Lady Grey, e eu prefiro o que compro por lá.

De toda forma, você pode tomar chá com scones, muffins e short breads (os tradicionais biscoitos amanteigados escoceses) em qualquer lugar da Inglaterra. Dificilmente você sairá decepcionado, ainda que tenha escolhido um lugarzinho simples, que encontrou pelo caminho. Até mesmo no hotel, experimentei scones de tirar o fôlego, num típico ambiente vitoriano. Os ingleses realmente sabem valorizar as tradições, e mantê-las vivas para que possamos desfrutá-las. God save the queen!

No próximo post, vou te convidar para um chá em Paris. Você topa?

Outono musical em Nova York

No post Poupando suspiros, contei um pouco como eu procedo para conferir a agenda cultural e comprar ingressos baseada nas datas programadas para uma viagem. Às vezes, porém, faço o caminho inverso. Algumas cidades são tão ricas do ponto de vista das artes e espetáculos, que vale à pena estabelecer as datas da visita a partir do que ela tem a oferecer.

Meus pais viajam regularmente com o objetivo de aproveitar a temporada de concertos e ópera, principalmente em Nova York. Como clientes VIP do Roteiro Renatours, eles sempre contam com opções avançadas de planejamento! 😉

Eles me passam uma época do ano aproximada: há alguns dias, por exemplo, fizeram a “encomenda” para uma semana em outubro, podendo transbordar um pouquinho para setembro.

Eu abro, então, a agenda das principais salas e escolho a semana com a melhor combinação de programas. Às vezes é difícil decidir, pois pode haver dois ou mais “incontornáveis” separados por um período de tempo inviável. Mas sempre dá para criar um mix excelente!

Este ano, foi moleza… Quase nem acreditei! Quando abri o site do Lincoln Center, lá estava ela… A Filarmônica de Berlim! Regida por Sir Simon Rattle, tocando a Paixão Segundo São Mateus, de Bach, justamente a peça favorita do meu pai (aliás, uma das mais belas da história da humanidade…). A partir daí, eu já sabia que todo o roteiro teria de ser construído em torno disso. Abri, então o Carneggie Hall e… Filarmônica de Berlim de novo! Tocando Schumann! Socorro!!!!! Também quero ir!!!! Mas nesta data estarei a trabalho na França, depois eu conto…

Bem, outubro é, ainda por cima, o auge da temporada de ópera na Metropolitan Opera House, e também do New York City Ballet (vão dançar Balanchine, a especialidade deles!).

Pra você ter uma ideia, a programação que criei para eles ficou assim:

 

5 de outubro: New York City Ballet, no Lincoln Center

6 de outubro: Filarmônica de Berlim (Schumann), no Carneggie Hall

7 de outubro: Bodas de Fígaro, na Metropolitan Opera House

8 de outubro: Filarmônica de Berlim (Bach), no Lincoln Center

9 de outubro: Carmen, na Metropolitan Opera House

10 de outubro: Musical da Broadway ou jantar especial

 

Eles comprarão as passagens para sexta-feira dia 3 de outubro. No dia da chegada, não tem programação, pois é muito cansativo. Sábado dia 11 de outubro, passagens de volta. Sucesso garantido.

 

No site da Metropolitan Opera, você pode ter uma visão global da agenda de cada mês
No site da Metropolitan Opera, você pode ter uma visão global da agenda de cada mês

 

Cada site informa a data e hora em que os ingressos para cada apresentação começarão a ser vendidos. É importante anotar na agenda e entrar no site assim que a venda estiver aberta. Quando comprei para o Lang Lang no Carneggie Hall, acessei com duas horas de “atraso” e os melhores lugares já tinham ido embora, restava menos da metade.

E então, quer tirar uma casquinha e copiar o programa? É melhor se apressar. Os ingressos para a Filarmônica no Lincoln Center estarão disponíveis a partir desta segunda-feira, 23 de junho, e devem se esgotar rapidamente!

 

Sir Simon Rattle, à frente da Filarmônica de Berlim
Sir Simon Rattle, à frente da Filarmônica de Berlim

 

Um dia (feliz) no museu

 

Crianças adoram museus. Você pode acreditar nisso.

Museus são lugares cheios de cor, objetos inusitados, uma imensa variedade de experiências.

Só que uma criança pequena, talvez, não esteja tão interessada em saber os detalhes históricos minuciosos que cercam uma peça específica, nem que um quadro tenha sido pintado por determinado artista em tal período, ou possivelmente se cansará após uma caminhada excessivamente longa… Aliás, o carrinho é sempre um bom aliado!

Há muitas alternativas para incrementar a visita, tanto a galerias de arte menores quanto a grandes museus, como o Louvre ou o Metropolitan. Dudu passou 5 horas felizes no British Museum de Londres, sem se entediar. Seguem algumas de minhas dicas:

  • Antes de viajar, apresente à criança as principais atrações do museu que será visitado. Para isso, há livros, revistas e o próprio site do museu. Vai ser muito legal mostrar ao seu filho determinada peça, ao vivo, e dizer: Lembra? A gente viu isso no site!
  • Explique previamente as regras: não correr, não tocar em nada, respeitar os outros visitantes.
  • Faça intervalos regulares para lanche ou almoço.
  • Em uma pinacoteca, por exemplo, costumo perguntar ao Dudu: qual o seu quadro preferido nesta sala? Ele se entretém por um bom tempo, examinando cada obra, até dar seu veredicto. Não importa se ele “esnobou” o da Vinci ou o Rembrandt em prol de um pintor menos valorizado. O que vale é o fato de que ele observou diferentes quadros e percebeu que um deles lhe despertou mais a sensibilidade. Às vezes, inclusive, ele escolhe, sem saber, o mesmo artista em salas diferentes, o que já vai denotando um pouco suas preferências… Missão cumprida, né?

 

Dudu e sua amiga Carol curtindo a Pinacoteca de São Paulo
Dudu e sua amiga Carol curtindo a Pinacoteca de São Paulo

 

  • Coloque uma máquina fotográfica nas mãos da criança e permita que ela registre suas próprias impressões. Você certamente se surpreenderá com o resultado. Dudu viu e fotografou coisas que nos tinham passado inteiramente despercebidas.

 

No British Museum, Dudu ficou um tempão contemplando esta reprodução de um pagode japonês...
No  Victoria and Albert Museum de Londres, Dudu ficou um tempão contemplando esta reprodução de um pagode chinês…

 

DSC03265
Só ele percebeu que havia bonequinhos lá dentro!

 

  • Aproveite as atividades propostas pelo museu, especialmente para os pequenos. No British Museum, por exemplo, há um projeto chamado Hands On, em que monitores permitem que os visitantes peguem algumas peças nas mãos. O Centre Pompidou sempre tem atividades de artes para as crianças, geralmente baseadas nas exposições em cartaz.

 

Projeto Hands On, no British Museum. Pode tocar à vontade!
Projeto Hands On, no British Museum. Pode tocar à vontade!

 

  • Na lojinha do museu, peça à criança para escolher alguns postais de sua preferência, e faça uma “caça ao tesouro”, em busca das peças que os ilustram. A partir de uns 6 ou 7 anos, é diversão garantida!
  • Nas sessões destinadas a antigas civilizações, permita-se soltar a imaginação e inventar histórias. A visita se transformará numa incrível aventura, se seu filho imaginar o faraó passando por aquele portal, ou que ali vivia um samurai, ou que aquelas jóias pertenciam a uma princesa encantada… Creio, realmente, que podemos deixar a acurácia histórica para quando ele estiver um pouco mais velho, não é? O importante agora é criar o hábito dos programas culturais e, principalmente, despertar o interesse em conhecer a arte e o passado que nos trouxe até aqui.

 

Os mistérios do Egito realmente captaram a atenção do Dudu
Os mistérios do Egito definitivamente captaram a atenção do Dudu

 

Ele fez questão de fotografar o faraó Ramsés II
Ele fez questão de fotografar o faraó Ramsés II