5 lojas de brinquedos em Paris

Quando a gente viaja com crianças, sempre procura saber onde está a melhor loja de brinquedos do local, especialmente quando o destino inclui uma grande cidade como Paris, Londres, Nova York, Miami, Berlim… Então, os pais têm toda aquela conversa com o pequeno, de que ele pode escolher apenas x presentes, ou só pode gastar tantos “dinheiros”, etc. Até aí, tudo muito simples.

Difícil é controlar uma mãe que viaja a trabalho, sem os filhos. A coitada está morrendo de saudades e pensa nas crianças o tempo inteiro. Quando entra na loja de brinquedos, quase precisa ser colocada em uma camisa de força. Principalmente, se ela estiver viajando apenas com bagagem de mão, sem muito espaço para encaixar a Bat Caverna ou o Castelo de Diamantes da Barbie…

Bem, isso posto, passemos às dicas de quem já escapou por um triz da camisa de força e já cometeu alguns excessos quanto ao tamanho da bagagem, mas que atualmente só traz camisas de times do futebol europeu (beeeem mais caras, aliás, do que os jogos e brinquedos que trazia antigamente rsrsrsrs).

 

L'Arche de Noé, na Île St Louis
L’Arche de Noé, na Île St Louis. Fonte: blog Última Parada

1) L’Arche de Noé

70 Rue St-Louis-en-Ile, 75004

Esta loja super mega fofa fica na Île St Louis, quase em frente à Pylonnes, outra que merece a visita. Tem brinquedos educativos, de madeira, fantoches artesanais, toda a linha do Pequeno Príncipe e outras preciosidades que você definitivamente não encontra na Toys’r’us.

 

2) Lojas de departamentos

Le Bon Marché, Printemps e Galleries Lafayette em Paris, mas também o Harrods em Londres, todos os grandes magasins possuem sessões de brinquedos de tirar o fôlego até mesmo dos pais mais comedidos. Foi na Lafayette que comprei o presépio do Playmobil, lindo de morrer!

 

3) Imaginarium

7 Rue Bréa, 75006, Paris

Voltada para os bem pequeninos, tem itens para bebês super diferentes e uma variedade incrível de brinquedos educativos. Dudu tem até hoje um livro interativo, que vem com cartelas de cenários, dedoches, bonequinhos e outros acessórios, além de botões com sons diversos, tipo batidas na porta, vento uivando, caldeirão borbulhando e galo cantando, para você contar as histórias que quiser, do seu próprio jeito. Fica quase na esquina da Rue Vavin, perto do Jardin de Luxembourg, onde você encontra uma loja de roupa de criança ao lado da outra.

 

Imaginarium
Imaginarium

4) Fnac Junior

19 Rue Vavin, 75006, Paris

A dois passos da Imaginarium, na rua favorita das mães surtadas 😉 , está esta versão da famosa loja de livros, cds e dvds, inteiramente voltada para o público infantil. Tem um considerável acervo de jogos e brinquedos também, inclusive para bebês.

 

5) Nature et Découvertes

Le Carrossel du Louvre, 75001 (esta é minha filial favorita, mas há outros endereços!)

Não é exatamente uma loja de brinquedos. Tem todo o tipo de acessórios e bugingangas para aventureiros e amantes da natureza de todas as idades, inclusive crianças. A sessão infantil é repleta de livros, brinquedos e jogos com foco no espírito explorador. Adoro!

 

Agora, é só se preparar para o excesso de bagagem. De qualquer modo, cada uma destas lojas é um programa em si, com produtos muito diferentes dos já bastante conhecidos. Vale visitar mesmo sem comprar! Difícil é resistir…

 

 

Ainda pelo Norte da França…

Bem, na verdade eu já estou de volta… Mas gostaria de compartilhar mais um pouquinho dos momentos bacanas desta semana que passei no Pas de Calais. A região da França que faz fronteira com a Bélgica tem como capital a linda cidade de Arras. Toda aquela área foi palco, por vários séculos, de disputas territoriais entre a “França” (mesmo antes de existir, de fato, o Estado francês) e Flandres, que hoje constitui, basicamente, a Bélgica. Por isso, a arquitetura de Arras é muito semelhante à que encontramos em Bruxelas ou Brugges, por exemplo, com as praças rodeadas por típicas construções em estilo flamengo.

Arquitetura flamenga e delícias culinárias em Arras
Arquitetura flamenga e delícias culinárias em Arras

O centro da cidade é pequeno e pode ser percorrido facilmente a pé. Tanto a Grande Place como a Place des Héros são cheias de restaurantes, bares e lojinhas.

Grande Place
Grande Place
No fim da rua, a Catedral de Arras
No fim da rua, a Catedral de Arras
Grande Place, com o Beffroi (o salão comunal da cidade)
Grande Place, com o Beffroi (o salão comunal da cidade)

O belo edifício do Beffroi (salão comunal de Arras) é o ponto de partida para uma curiosa visita aos subterrâneos. O Norte da França atrai muitos turistas  interessados nos locais marcados pela Segunda Guerra Mundial, particularmente na Normandia. Arras faz parte deste circuito e tem uma considerável importância histórica neste sentido. Todas as caves (adegas) da cidade são interligadas no subsolo. Durante a guerra, uma famosa batalha terminou em derrota para a Alemanha, pois os aliados conseguiram passar todo um exército por baixo da terra, surpreendendo os inimigos. Para percorrer estes caminhos, é necessário fazer uma visita guiada.

IMG_3382
Beffroi d’Arras

Desta vez, só tenho fotos noturnas. Estava em Camblain l’Abbé a trabalho e só fui ao centro de Arras para jantar. Aliás, o restaurante marroquino La Mamounia, ao lado da Grande Place, é uma completa perdição. Atendimento excelente, ambiente agradável e a comida… Nem tenho palavras! Eu escolhi o tajine de boulettes (uma espécie de almôndega de carne de vaca e cordeiro), com ameixas, damascos e amêndoas. O carro chefe da casa é o Cuscuz Royal.

Jantar delicioso no La Mamounia
Jantar delicioso no La Mamounia

Para chegar em Arras, é só pegar o TGV (trem de alta velocidade) na Gare du Nord (Paris) ou no próprio Aeroporto Charles de Gaulle. A viagem dura entre 45 e 50 minutos. E o povo do norte é conhecido como o mais acolhedor do país!

Até breve, Arras!
Até breve, Arras!

 

 

 

5 dicas de uma chef brasileira em Paris

Joana Carvalho vive em Paris há 5 anos. Natural de Barra do Piraí, interior do estado do Rio de Janeiro, vem preparando delícias em lugares como Le méridien, Traiteur Lenôtre e Restaurant Pré-Catelan. Já ministrou uma série de oficinas de cozinha para crianças no Jardin d’Acclimatation e exercitou seus talentos de chefe patissière em boulangeries como Le Coquelicot e La Pompadour. Há dois anos, fundou sua Cuisine Rouge, onde dá cursos de culinária e Food Design, além de organizar jantares gourmet personalizados, em seu próprio apartamento em Montmartre.

Então, seremos brindados hoje com as 5 recomendações gastronômicas preciosas desta talentosa chef. Com a palavra, Joana Carvalho!

 

Joana Carvalho, chef brasileira em Paris
Joana Carvalho, chef brasileira em Paris. Fonte: Cuisinez au naturel
No Jardin d'Acclimatation, as crianças aprendem os segredos da patisserie
No Jardin d’Acclimatation, as crianças aprendem os segredos da patisserie

 

1- Todas as tortas de fruta da Tarterie les Petits Mitrons, que fica em Montmartre, na Rue Lepic.
Elas são simples e despretensiosas, ácidas na medida certa e o melhor, caramelizadas por baixo. Ainda não consegui descobrir o segredo deles, mas me aguardem. Provar frutas que não existem no Brasil como mirabelles ou ruibarbo, uma boa experiência gastronômica.
2-Comida vietnamita no Tintin, 17, rue Louis Bonnet no 11eme, principalmente se você é fã dos sabores agri-doces e texturas leves e frituras crocantes da cozinha asiática.
3- Le Caillebotte, neobistrot, ou seja, a cozinha de bistrot tipicamente francesa em versões mais leves e modernas, decoração de cores claras e materiais simples. O chef Franck Baranger, depois do sucesso do seu bistrot mais tradicional, o Pantruche, que ganhou vários prêmios nos guias da cidade resolveu apostar nesse novo projeto igualmente bem-sucedido, apesar do pouco tempo. Preços bacanas e excelente carta de vinhos.
4- Qualquer restaurante judeu da Rue de Rosiers, no Marais, você vai comer os falafels mais crocantes e saladas fresquinhas em forma de sandwiches ou em pratos cheios de variedade para as papilas. Hummmm
5- E a minha feijoada. Se bater saudade do Brasil em Paris é só ligar que eu recebo em casa ou levo até você uma feijoada especial, com linguiças francesas e carne seca, farofa, couve refogadinha, mandioca frita, laranja. Com direito a caipirinhas e já descrita como “a alta costura da feijoada”, por uma fã que não é a minha mãe 🙂
Clique aqui para acessar a página do Cuisine Rouge, laboratório onde Joana serve jantares em casa, dá cursos e testa as receitas dos projetos mais variados, que falam da sua maior paixão: comida!!!
Que tal um almoço gourmet a dois, num típico apartamento parisiense?
Que tal um almoço gourmet a dois, num típico apartamento parisiense?
Em sua Cuisine Rouge, Joana organiza jantares personalizados
Em sua Cuisine Rouge, Joana organiza jantares personalizados
A receita destas Aiguilletes de frango em tempura de cerveja estão no site Cuisinez au naturel
A receita destas Aiguilletes de frango em tempura de cerveja estão no site Cuisinez au naturel
Hoje estou embarcando para Paris. Espero experimentar alguma destas delícias! E você, ficou com água na boca?

Dicas básicas para viajar com crianças

1- Flexibilidade

É a coisa mais importante que eu poderia te falar. Tenha flexibilidade para tudo: horários, alimentação, sono, roteiro. Se não der pra manter a rotina dos orgânicos, ou mudar um pouco o horário de comer, tudo bem. Talvez também haja alguma alteração nos horários de sono. Ou não, caso o seu filho tope numa boa dormir no carrinho. Você não vai estar na “night” com uma criança pequena às 3 da madrugada, mas pode uma noite ficar até as 22h num restaurante, sem que isso impacte para sempre o desenvolvimento emocional do pequeno. Pode ser que você não consiga cumprir todo o roteiro que planejou, pois um dia seu filho ficou exausto e você voltou cedo pro hotel. Sem problemas, qualquer hora vocês voltam e fazem o que ficou faltando. Ou não, fazem outras coisas e visitam outros lugares. Viajar com os filhos é, em si, uma experiência maravilhosa para toda a família. Quando a gente flexibiliza, anula o stress e pode usufruir muito mais plenamente desta experiência.

 

2- Flexibilizando a flexibilidade 😉

Se o seu filho não dorme sem um copo de Ninho 3+, ou só bebe água de coco, ou come biscoito Maizena diariamente no lanche, não tenha dúvidas: leve na mala. A bagagem é sempre mais vazia na ida do que na volta, estes itens serão inteiramente consumidos ao longo da viagem e ficará mais fácil flexibilizar com o resto da alimentação se a criança tiver alguma referência dos seus hábitos caseiros. Eu viajo com carregamento de água de coco, na maior tranquilidade. Todo dia, saio do hotel com uma caixinha na bolsa e ele pode, a qualquer momento, ter um gostinho de casa. Na volta, o espaço é ocupado pelas compras!

Na Torre de Londres, pausa para uma Água de Coco
Na Torre de Londres, pausa para uma Água de Coco

 

3- Remédio para enjôo

Se o seu filho precisa tomar remédio para enjôo (prescrito pelo pediatra, é claro), espere para dá-lo dentro do avião. Se a criança tomar o remédio na sala de embarque e, de repente, ocorrer um atraso, você corre o risco do efeito do medicamento “vencer” quando ainda é necessário, sem que você já possa ministrar outra dose. Isso aconteceu com o Dudu uma vez, e foi horrível. O Alexandre foi sozinho com ele me encontrar na Europa, deu o remédio dentro do aeroporto e, logo depois, foi anunciado o atraso. O vôo só saiu mais de duas horas depois. Resultado: o pobrezinho passou mal cinco vezes no avião. Para não ter problemas com a decolagem (que pode nausear a criança), dê o remédio assim que embarcar. A acomodação dos passageiros e liberação para decolar vai te dar tempo suficiente para a medicação fazer efeito e você ficar mais “garantida”.

 

4- Maletinha de brinquedos

É importante levar alguns brinquedos favoritos do seu filho para distrai-lo no avião, no hotel ou em situações de longas esperas. Mas esta seleção deve ser prática e racional. Você não quer sair do Brasil já com excesso de bagagem, né? A criança precisa entender que não dá pra carregar a Bat Caverna do Imaginex nem o Castelo de Diamantes da Barbie na bagagem de mão. Não esqueça, inclusive, de que você provavelmente comprará novos brinquedos ao longo da viagem. Eu costumo fazer assim: separo uma maletinha pequena e digo ao Dudu que temos de escolher brinquedos que caibam ali. Quantos ele quiser, contanto que caibam na maletinha. Sempre incluo um caderno e lápis de cor. Esta ideia apareceu no blog Tempo Junto, e funciona super bem. Existem muitas opções bacanas que não ocupam espaço, como dedoches, super trunfo, carrinhos e bonequinhos. Ainda por cima, você já ensina ao seu filho como ser razoável na hora de arrumar as malas…

A maletinha do Dudu está no blog Tempo Junto
A maletinha do Dudu está no blog Tempo Junto

5- Lista de compras

Antes de viajar, faça um inventário das roupas e sapatos que seu filho já tem, para ter uma noção do que ele realmente precisa. Não esqueça de anotar os tamanhos, de acordo com o lugar para onde você está indo. Se você não viaja todo ano, é legal ter o planejamento de tamanhos que durem até a próxima vez. Assim, você pode criar uma lista básica, do tipo: 1 calça jeans tam 3 e tam 5; 3 pijamas de frio tam 3; calça de moletom tam 5; shorts tam 3 e tam 5; tênis tam 13,5 e tam 1Y.  A partir daí, você fica “situado” e pode até se permitir mais liberdade para comprar o vestidinho apaixonante ou a camisa igual à do papai, sem correr o risco de deixar a criança com uma coleção de itens semelhantes e absolutamente sem meias ou bermudas.

 

6- Menos bolsas

Quanto mais bolsinhas e mochilinhas você carregar, maiores as chances de se enrolar e perder alguma coisa. De preferência, reúna tudo em uma só mochila, ou mesmo na bolsa de fraldas do bebê. Reserve um compartimento só pra você, com carteira, óculos, caneta, etc., mas concentre seus pertences e os da criança em um só volume. Se quiser realmente separar suas coisas mais importantes, use uma daquelas bolsinhas a tiracolo, que você não tira pra nada, pois vai deixar suas mãos livres. Os brinquedos que ele leva do hotel têm que caber na bolsa! Você não quer se ver às voltas com mil sacolas, mais um bicho enorme de pelúcia, enquanto seu filho pede colo! Alguma coisa acaba largada pra trás…

7- Preparação

O segredo para uma criança aproveitar ao máximo uma viagem é a preparação. Familiarizá-la com o destino, com os lugares que ela visitará, pintar um quadro na imaginação dela, contribuem significativamente para o entusiasmo que ela expressará ao se deparar concretamente com todas as novidades do passeio. Escrevi um post exclusivamente sobre isso, para ler clique aqui.

8- Carrinho

Indispensável, incontornável, imprescindível. Quanto mais simples e leve, melhor. A menos que você esteja partindo para uma viagem muito longa com um bebê muito pequeno, aí talvez você precise de um mais “potente”. Na grande maioria das vezes, o ideal é um daqueles do tipo guarda-chuva, bem básico, que você abre e fecha com uma só mão, e será seu companheiro fiel toda vez que seu filho ficar cansado, tiver que esperar na fila, na loja, no aeroporto. Não abro mão! Também escrevi um post só sobre este assunto, leia aqui.

Carrinho: item indispensável!
Carrinho: item indispensável!

9- Chuteiras e camisas

Se você é mãe de menino, provavelmente sairá do Brasil com uma lista de pedidos de chuteiras e camisas de times de futebol. As mães de meninas não fazem ideia da quantidade infinita de opções. Os garotos sabem, inclusive, que determinada camisa do Paris Saint Germain é a da temporada passada, para jogar fora de casa, e te fazem solicitações ultra precisas, como o terceiro uniforme do Bayern do segundo semestre deste ano! O pai acha tudo isso muito natural, a mãe acaba se acostumando. A dica é a seguinte: antes de viajar, pesquise as “encomendas” nos sites nacionais da Nike e da Adidas, e também na Netshoes, e anote. Os produtos oficiais costumam ter o mesmo preço em qualquer parte do mundo. As chuteiras ocupam espaço na mala. Se, na volta, você descobrir que poderia ter comprado pelo mesmo valor, parcelado em reais, sem sair de casa, vai faltar parede pra bater com a cabeça… 🙂 Quanto às camisas, a diferença é que, na Europa, você vai encontrar uma variedade inexistente por aqui, especialmente em relação a times menos “badalados”, mas igualmente desejados pelos nossos pequenos fanáticos. Nos Estados Unidos, entretanto, quase não se encontram itens relacionados a futebol (soccer). Se estiver sem a criança na hora, cuidado para não trazer um tênis de futebol americano (football), como minha mãe fez certa vez, que não vai servir para nossa paixão nacional. Em Orlando, no Florida Mall, há uma loja chamada World of Soccer. Foi o único lugar onde encontrei alguma coisa. Mesmo assim, a chuteira específica do Neymar, que constava na cartinha do Papai Noel, ficou presa no trenó: não encontrei de jeito nenhum e tive que inventar uma história mirabolante, que eu conto pra você qualquer hora. Nas lojas da Nike e Adidas dos outlets, você vai garimpar uma coisa ou outra, de repente aquela básica para “bater” na escola, mas não espere comprar ali o objeto de desejo do seu filho. A menos que o lance dele seja basquete…

 

De uniforme do Milan, no Disney's Hollywood Studios
De uniforme do Milan, no Disney’s Hollywood Studios

E você? Tem uma dica super bacana pra compartilhar com a gente? Escreve aqui nos comentários!

Viajar com os filhos é tudo de bom!

5 restaurantes especiais em Teresópolis – RJ

O inverno está acabando, mas ainda dá tempo de curtir um friozinho na serra! E eu aproveito que hoje é o dia da pátria, para publicar meu primeiro post sobre destinos brasileiros.

Frequento Teresópolis desde a vida intra-uterina e tenho uma relação mais do que afetiva com esta cidade da região serrana, que fica a 1h30min do Rio de Janeiro. Lá, meus pais têm uma casa que é ponto de encontro da família e dos amigos. Hoje em dia, Terê é mais conhecida como a sede da seleção brasileira de futebol, mas seus maiores tesouros são, de fato, o clima e a natureza, além dos excelentes hotéis e restaurantes.

Ficam aqui as recomendações dos meus 5 restaurantes preferidos. Todos são perfeitos tanto para um jantar romântico como para levar as crianças.

 

Comendo bem e curtindo a natureza em Terê
A natureza exuberante de Teresópolis

1- Dona Irene

Rua Tenente Luiz Meirelles, 1800, Bom Retiro. Tel: (21) 2742-2901

O banquete completo tradicional da nobreza russa do século XIX é um clássico há 40 anos. Irene era uma jovem nobre, apaixonada por culinária. Quando houve a Revolução de 1917,  sua família fugiu para a China e de lá, ela e o marido perambularam até chegar em Teresópolis, veja só! Eles logo fizeram amizade com o casal Emília e Hisbello, que se tornou a família deles no Brasil. Dona Irene e Seu Miguel (como eram conhecidos aqui, pois os nomes russos eram complicados…) já se foram há alguns anos, mas Emília e Hisbello perpetuam a tradição. O ambiente é perfeito, desde o atendimento até a decoração (as tradicionais pinturas no teto e paredes foram feitas por uma das filhas de D. Irene). A casa é repleta de fotos e objetos que pertenceram ao casal, inclusive uma fotografia em preto e branco de D. Irene jovem, vestida com a roupa típica de uma princesa russa. Ao fazer a reserva, você escolhe apenas o prato principal. Uma sequência interminável de maravilhosas entradas quentes e frias quase o torna dispensável, porque você tem a sensação de nunca ter comido tanto na vida. Mas é tudo tão gostoso, tão diferente, tão delicado, que sempre dá vontade de provar o próximo. Uma dica: como o prato principal vem servido em travessas, e não no prato propriamente dito, é interessante cada pessoa pedir uma opção distinta, para que todos possam experimentar um pouco. A vodka que acompanha a refeição é produzida na casa, aromatizada e vem à mesa dentro de um bloco de gelo, o que lhe confere uma consistência licorosa. Eu não costumo tomar vodka, mas nada combina tanto com aquela culinária quanto esta clássica bebida. Ainda mais porque Seu Hisbello sempre vem à mesa conduzir o brinde em russo: Na zdaróvia!

Uma pequena observação: a casa não aceita cartões de crédito.

 

Restaurante Dona Irene
Restaurante Dona Irene
O banquete tradicional russo do século XIX
O banquete tradicional russo do século XIX

2- Manjericão

Rua Flávio Bortoluzzi, 314, Alto. Tel: (21) 2642-4242

A melhor pizzaria de Teresópolis. Na verdade, uma das melhores de todo o Rio de Janeiro. Os irmãos André e Beth são vegetarianos, então não espere encontrar presunto ou calabresa no cardápio. Para mim, as pedidas inesquecíveis são a pizza de beringela, a de pesto de manjericão, a de azeitona… Não deixe de experimentar a sangria espetacular, e reserve um espaço para a sobremesa: goiabada cascão com catupiry, derretidos no forno a lenha. Dudu começou a frequentar o Manjericão aos 3 meses, é ótimo para levar crianças. Há inclusive uma salinha com uma única mesa de 10 lugares, ideal para a família completa. Chegue cedo ou faça reserva, se não quiser ficar na fila só sentindo o aroma de pizza quentinha!

Dudu se sente em casa no Manjericão
Dudu se sente em casa no Manjericão

 

3- Crémerie Genève

Estrada Teresópolis-Friburgo, km 16. Tel: (21) 3643-6391

É o único desta lista que não está no centro da cidade, fica no chamado Circuito Terê-Fri, a rota gastronômica e hoteleira entre Teresópolis e Friburgo. A Fazenda Genève produz queijo de cabra de nível internacional. Uma vez, quando o professor francês Dominique Chaland esteve no Rio dando um curso de cadeias musculares, levei-o a Terê e ele provou os ditos queijinhos. Pois ele disse que não deviam nada àqueles produzidos na região da Borgonha, onde ele vive. O restaurante que fica dentro da propriedade oferece culinária suíça de alta qualidade. O magret de pato é de comer suspirando, a truta recheada de queijo de cabra é um espanto, as fondues e raclettes são uma pedida certeira nas noites de inverno. Durante o dia, é possível visitar o capril, as crianças adoram ver os cabritinhos. Além disso, há também um parquinho para os pequenos. E os produtos Genève estão à venda na lojinha…

 

O charme suíço da Crémerie Genève
O charme suíço da Crémerie Genève
Quando ainda não havia crianças na família...
Quando ainda não havia crianças na família…
Visitando os cabritinhos
Visitando os cabritinhos

4- Vila St. Gallen

Rua Augusto do Amaral Peixoto, 166, Alto. Tel: (21) 2642-1575

Uma pequena aldeia alemã está reproduzida neste lugar agradável, que divide seu amplo espaço entre uma cervejaria, um bistrô francês, um restaurante de fondue e a vila em si, onde se pode comprar sorvetes e chocolates, experimentar a culinária alemã, visitar a capela e degustar a já famosa cerveja Therezópolis. Atendimento excelente, cardápio interessante. Um programão!

 

Uma vila alemã em Teresópolis
Uma vila alemã em Teresópolis
A pequena capela da Vila St Gallen
A pequena capela da Vila St Gallen
A aldeia alemã da Vila St Gallen
A aldeia alemã da Vila St Gallen

 

Comida alemã e cerveja Therezópolis
Comida alemã e cerveja Therezópolis

5- Vagão

Av. Lúcio Meira, 855, Várzea. Tel: (21) 2643-3034

Parte das mesas estão na plataforma da estação, outras estão literalmente dentro do vagão de um trem antigo. Dudu simplesmente amou o clima deste restaurante de cardápio bastante variado. Os pratos têm os nomes das estações de trem de diversas cidades do mundo, trazendo um pouquinho da culinária de cada um destes lugares. O forte deles, entretanto, é a carta de cervejas. Alexandre se esbaldou nas loiras alemãs e belgas! Pode isso?! 😉

 

Cervejas alemãs em um antigo vagão de trem
Cerveja belga em um antigo vagão de trem

 

 

 

Museus em Paris que valem a visita – Parte 3

Continuando a série sobre museus em Paris, vamos conversar sobre Picasso, Monet e arte medieval. Mais uma vez, não esqueça de checar o Pariscope, para informações de acesso, dias e horários de funcionamento.

1- Musée Marmottan

A maior parte do acervo do Marmottan é dedicado à obra de Claude Monet. Muita gente deseja conhecer a famosa casa em Giverny, mas a maioria das pessoas nunca ouviu falar deste pequeno museu, dentro de Paris, bem pertinho do Bois de Boulogne. Aliás, “a boa” é combinar as duas visitas juntas, pois estas atrações ficam a uma curta distância a pé uma da outra. A coleção do Marmottan foi doada pelo filho do pintor e inclui um quadro que, por si só, vale a visita: Impressions, soleil levant (em português: Impressões, sol nascente). A denominação do movimento impressionista foi cunhada a partir deste quadro, que pode ser considerado sua pedra fundamental. Ainda neste lindo museu, eu gostei particularmente da coleção de iluminuras medievais, de uma beleza indescritível.

 

2- Musée de Cluny

Um charmoso castelo do século XIII, em uma pracinha aprazível no coração do Quartier Latin, abriga o museu nacional da Idade Média. De acesso fácil, sem fila, interessantíssimo tanto por suas coleções quanto pelo edifício em si, este local adorável merece ser incluído no seu roteiro. Você vai se surpreender com a variedade de peças inestimáveis em tapeçaria, ourivesaria, mobiliário, iluminuras (eu realmente adoro iluminuras medievais…) e outros tesouros.

O pátio do belo edifício que abriga o museu medieval
O pátio do belo edifício que abriga o museu medieval
musee de cluny
Musée de Cluny

 

3- Musée Picasso

Bem, Picasso dispensa apresentações. Localizado no delicioso bairro do Marais, o museu dedicado a este incomparável artista ficou um tempão fechado para reformas, mas reabrirá suas portas no dia 25 de outubro de 2014. Estou louca para revisitá-lo! Além de importantes obras de Picasso, o museu ainda abriga a coleção particular do artista, que inclui quadros de Cesanne, Seurat, Degas e outros gênios. Meu quadro favorito no museu é Violino e Partitura, de 1912. Mas os estudos para as célebres Demoiselles d’Avignon também me emocionaram.

 

Antes da grande reforma, assim era o pátio interno do Museu Picasso, onde havia uma cafeteira. Em poucos dias saberemos se alguma coisa mudou...
Antes da grande reforma, assim era o pátio interno do Museu Picasso, onde havia uma cafeteira. Em poucos dias saberemos se alguma coisa mudou…

 

 

 

Museus em Paris que valem a visita – Parte 1

Se você está indo a Paris pela primeira vez, seu roteiro passará obrigatoriamente pelo Louvre e pelo Musée d’Orsay. Atrações indiscutivelmente incontornáveis, já cantadas em prosa e verso pelos mais diversos veículos e autores, estes dois ícones parisienses foram deliberadamente excluídos desta lista singela. Exatamente por esta razão: dispensam recomendação, já estão previstos, com absoluta certeza. Depois de visitar estes gigantes imprescindíveis, a escolha entre os incontáveis museus e galerias espalhados pela cidade pode trazer dúvida – e até angústia – ao coração de quem gosta de arte e cultura. Eu definitivamente não conheço todos os museus de Paris (será que alguém conhece?!), mas já estive em um número considerável. Alguns eu gostei demais, outros não especialmente. Alguns bem óbvios, outros nem tanto. Alguns pretendo ainda visitar, outros não faço questão. Espero que a minha experiência possa te ajudar nessa “escolha de Sofia”, que é selecionar as igrejas, museus, parques, monumentos e outras atrações que caibam no número de dias programados para as férias às margens do Sena.

 

O Museu do Louvre e sua Pirâmide
O Museu do Louvre e sua Pirâmide

 

Musée d'Orsay
Musée d’Orsay
O Musée d'Orsay visto do Rio Sena
O Musée d’Orsay visto do Rio Sena

 

1- Musée Rodin

Este museu encantador foi o primeiro que visitei em Paris. É quase mágico, passear pelo jardim da casa em que viveu um dos maiores escultores da história, flanando entre obras de arte expostas ao ar livre. Para completar a experiência, não deixe de tomar um café ou um sorvete na cafeteria do jardim, depois visite o interior da casa, onde estão alguns dos mais famosos trabalhos de Auguste Rodin e Camille Claudel. O Musée Rodin fica muito perto do Musée d’Orsay e do Hôtel des Invalides, onde estão o túmulo de Napoleão e o Museu da Guerra. Se você tiver um cronograma apertado, pode ser uma boa ideia fazer os três no mesmo dia.

 

Musée Rodin
Musée Rodin
Pensador e Invalides
O Pensador em seus devaneios, entre as flores do jardim e o belo Dôme des Invalides
IMG_0787
Arte ao ar livre, no Musée Rodin
Dentro da casa onde viveu Rodin, algumas de suas mais belas obras
Dentro da casa onde viveu Rodin, algumas de suas mais belas obras
O beijo mais famoso da história da arte
O beijo mais famoso da história da arte
Uma "selfie" no Musée Rodin
Uma “selfie” no Musée Rodin

2- Musée de l’Orangerie

Quando você chega ao Jardin de Tuileries, vindo da Place de la Concorde, percebe que a entrada do parque que leva ao Louvre é ladeada por dois museus pequenos e simpáticos: à direita, o Musée de l’Orangerie; à esquerda, o Jeu de Paume. No Jeu de Paume você vai encontrar predominantemente exposições temporárias, e a programação pode ser conferida no indefectível Pariscope. Quanto ao Musée de l’Orangerie… Se você gosta de arte, deve realmente tentar incluir esta joia em seu roteiro! O museu tem uma pequena, porém expressiva, coleção de arte impressionista. Mas o ponto alto, de fato, são as duas grandes salas, em que painéis das Ninféias de Monet preenchem inteiramente cada uma das quatro paredes. De acordo com o local onde você se posiciona, em cada sala, os quadros imensos adquirem aspectos diversos, e a própria sala parece mudar.  A luz natural penetra, tornando a experiência diferente segundo o horário da visita. É possível se perder por um longo tempo, em meio a tamanha beleza…

Galerie Nationale du Jeu de Paume. Não tenho nenhuma foto do Musée de l'Orangerie...
Uma perspectiva “torta” da Galerie Nationale du Jeu de Paume. Não tenho nenhuma foto do Musée de l’Orangerie… 😦

 

3- Musée de l’Histoire de la Médecine

Este museu pequeno e impressionante fica dentro da Université Paris Descartes, na Rue de l’École de Médecine. Tem horários de funcionamento restritos e variáveis, então, mais uma vez, é necessário consultar o bom e velho Pariscope. A coleção inclui maletas com instrumentos de barbeiros-cirurgiões medievais, um estojo de medicamentos homeopáticos do século XIX, que pertenceu ao médico de Vincent Van Gogh, desenhos esquemáticos do cérebro humano, feitos por Sigmund Freud, modelos anatômicos do século XVIII, ferramentas cirúrgicas egípcias e outros tesouros. Se tudo isso já soa interessante para qualquer pessoa curiosa, imagine para alguém que trabalha na área da saúde!

Université Paris Descartes, onde funciona o Musée de l'Histoire de la Médecine
Université Paris Descartes, onde funciona o Musée de l’Histoire de la Médecine

No próximo post, vamos conversar sobre mais três museus que moram no meu coração. Esse papo ainda tem muito o que render…