Paraty: festa literária também para as crianças!

Todos os anos, no mês de julho, acontece a Festa Literária Internacional de Paraty, a famosa FLIP. Os debates entre autores brasileiros e estrangeiros atraem uma multidão de gente de todos os cantos para esta pitoresca cidade histórica, que fica no extremo sul do estado do Rio de Janeiro. As pessoas fazem plantão no telefone no dia de abertura das vendas de ingressos, para conseguir um disputado assento na platéia e presenciar conversas entre as cabeças pensantes da atualidade.

A linda Paraty, em clima de Flip
A linda Paraty, em clima de Flip

Paralelamente a este mergulho intelectual adulto, acontece um outro banho de cultura, dedicado aos pequenos e aos que se interessam por eles: a chamada “Flipinha”. Existe toda uma programação voltada para crianças e educadores, que envolve palestras e debates entre autores infantis (ameeei a palestra com Ilan Brenman, um dos maiores nomes da literatura infantil brasileira), shows de música, contação de histórias e toda uma ambientação criada para estimular o gosto pela leitura, além das diversas manifestações culturais que caracterizam o evento.

A praça enfeitada
A praça enfeitada
Danças típicas brasileiras apresentadas no meio da rua
Danças típicas brasileiras apresentadas no meio da rua

 

No pavilhão da Flipinha, há várias mesinhas com livros e material para desenhar e colorir, então os pais podem assistir às palestras enquanto os filhos se divertem.

 

O pavilhão da Flipinha
O pavilhão da Flipinha
Mamãe assistiu tranquila ao debate sobre literatura infantil, Dudu tinha diversão de sobra!
Mamãe assistiu tranquila ao debate sobre literatura infantil, Dudu tinha diversão de sobra!

 

A praça vira um verdadeiro parque temático literário. As árvores ficam carregadas de livros, que podem ser “colhidos” e “saboreados” nas esteiras que ficam à sombra delas. Bonecos gigantes e cenários espalhados pela área representavam obras clássicas, como O mágico de Oz, O Alienista, Viagens de Gulliver e outras.

 

Em Paraty, livro dá em árvore!
Em Paraty, livro dá em árvore!
Contação de histórias à sombra das árvores
Contação de histórias à sombra das árvores
Caminhando com o Leão, na estrada de tijolos amarelos
Caminhando com o Leão, na estrada de tijolos amarelos
O homem de lata também queria ir para Oz
O homem de lata também queria ir para Oz
Pobre Gulliver, o Dudu não conseguiu levantá-lo do chão!
Pobre Gulliver, o Dudu não conseguiu levantá-lo do chão!

 

O saci também veio dar uma alô
O saci também veio dar uma alô
Depois da apresentação dos bonecos mamulengos, as crianças podiam experimentar!
Depois da apresentação dos bonecos mamulengos, as crianças podiam experimentar!

Estive na Flip em 2008. Na época, Dudu tinha 2 anos e meio. Nem tomei conhecimento da programação adulta, eu e Alexandre queríamos mesmo era curtir com ele. Foi uma experiência absolutamente fantástica! Ele aproveitou cada momento, cada atividade. Recomendo fortemente que você comece a se programar para a Festa do ano que vem…

Uma forma linda de estimular a leitura!
Uma forma linda de estimular a leitura!

 

Anúncios

Sergipe: banho de rio, dunas, praia, natureza, sombra e água fresca…

Esta semana, só vamos conversar sobre passeios no Brasil. Uma das melhores surpresas que tive em minha vida viajante foi a breve temporada que passei  em Aracaju. Sergipe é, talvez, o menos explorado dos estados nordestinos. Acredito que este quadro ainda mude, pois há atrativos fantásticos aguardando os turistas. Por outro lado, eu considero uma grande vantagem não encontrar multidões aglomeradas, como em outros destinos mais populares, mesmo tendo ido em pleno verão.

Meu primo Kiko se mudou para Aracaju há cerca de 8 anos. Recentemente, nós finalmente fomos visitar o “dindo” do Dudu. Kiko e Emily nos levaram a um passeio delicioso, que foi o ponto alto da viagem: a descida de barco pelo rio Piauitinga, até chegar ao Mangue Seco. Saindo de Aracaju, de carro, são uns 50 minutos até chegar a Porto do Mato, na direção da Praia do Saco, Município de Estância. Lá, você aluga um barquinho, que custa em torno de R$ 150,00 (total, independente do número de passageiros, com capacidade para 6 pessoas, mais o barqueiro). Ao longo do rio, há diversas paradas em pequenas ilhas fluviais, onde se pode tomar banho e apreciar a natureza quase intocada do local.

 

Descendo o Rio Piauitinga
Descendo o Rio Piauitinga
DSC05176
Curtindo o padrinho em Sergipe
Nosso barquinha rio abaixo
Nosso barquinho rio abaixo
O melhor banho de rio das nossas vidas!
O melhor banho de rio das nossas vidas!
Ao longo do trajeto, pequenas ilhas, praias gostosas, rio de águas calmas e salgadas...
Ao longo do trajeto, pequenas ilhas, praias gostosas, rio de águas calmas e salgadas…
No caminho, cruzamos com um “ônibus” escolar!

Chegando à localidade de Mangue Seco (a primeira após cruzar a divisa com a Bahia), alugamos um bugre (em torno de R$ 90,00), que nos levou pelas dunas e até a praia. Fizemos uma pausa para o Dudu experimentar o “esqui-bunda” e ficamos encantados com a beleza da costa.

Dudu se esbaldou no "esqui-bunda"
Dudu se esbaldou no “esqui-bunda”
Brincando nas dunas
Brincando nas dunas
DSC05241
Um dia bem aproveitado com Kiko e Emily!
DSC05239
Descendo as dunas de bugre
DSC05240
Bugre ou montanha russa?
DSC05244
Os coqueiros “Romeu e Julieta” foram cenário da abertura da antiga novela Tieta. Neste dia, fizeram uma perfeita moldura para a foto dos recém-casados!

 

Já na praia do Mangue Seco, foi só curtir uma vidinha mais ou menos… Comer quitutes locais, tomar banho de mar, apreciar a paisagem e descansar na rede, afinal ninguém é de ferro!

 

DSC05253
Praia de Mangue Seco
DSC05267
Dudu adorou essa vidinha nordestina…

 

O motorista do bugre deixou a gente na praia e combinou a hora de vir nos buscar, para pegarmos o barco de volta a Porto do Mato. Tanto ele quanto o barqueiro foram ultra pontuais! Em Porto do Mato, tem estacionamento. Embora Mangue Seco já fique na Bahia, a localidade é mais explorada a partir de Aracaju, pois o acesso por ali é mais fácil. O programa dura o dia inteiro e é absolutamente imperdível!

 

 

 

 

 

Outono musical em Nova York

No post Poupando suspiros, contei um pouco como eu procedo para conferir a agenda cultural e comprar ingressos baseada nas datas programadas para uma viagem. Às vezes, porém, faço o caminho inverso. Algumas cidades são tão ricas do ponto de vista das artes e espetáculos, que vale à pena estabelecer as datas da visita a partir do que ela tem a oferecer.

Meus pais viajam regularmente com o objetivo de aproveitar a temporada de concertos e ópera, principalmente em Nova York. Como clientes VIP do Roteiro Renatours, eles sempre contam com opções avançadas de planejamento! 😉

Eles me passam uma época do ano aproximada: há alguns dias, por exemplo, fizeram a “encomenda” para uma semana em outubro, podendo transbordar um pouquinho para setembro.

Eu abro, então, a agenda das principais salas e escolho a semana com a melhor combinação de programas. Às vezes é difícil decidir, pois pode haver dois ou mais “incontornáveis” separados por um período de tempo inviável. Mas sempre dá para criar um mix excelente!

Este ano, foi moleza… Quase nem acreditei! Quando abri o site do Lincoln Center, lá estava ela… A Filarmônica de Berlim! Regida por Sir Simon Rattle, tocando a Paixão Segundo São Mateus, de Bach, justamente a peça favorita do meu pai (aliás, uma das mais belas da história da humanidade…). A partir daí, eu já sabia que todo o roteiro teria de ser construído em torno disso. Abri, então o Carneggie Hall e… Filarmônica de Berlim de novo! Tocando Schumann! Socorro!!!!! Também quero ir!!!! Mas nesta data estarei a trabalho na França, depois eu conto…

Bem, outubro é, ainda por cima, o auge da temporada de ópera na Metropolitan Opera House, e também do New York City Ballet (vão dançar Balanchine, a especialidade deles!).

Pra você ter uma ideia, a programação que criei para eles ficou assim:

 

5 de outubro: New York City Ballet, no Lincoln Center

6 de outubro: Filarmônica de Berlim (Schumann), no Carneggie Hall

7 de outubro: Bodas de Fígaro, na Metropolitan Opera House

8 de outubro: Filarmônica de Berlim (Bach), no Lincoln Center

9 de outubro: Carmen, na Metropolitan Opera House

10 de outubro: Musical da Broadway ou jantar especial

 

Eles comprarão as passagens para sexta-feira dia 3 de outubro. No dia da chegada, não tem programação, pois é muito cansativo. Sábado dia 11 de outubro, passagens de volta. Sucesso garantido.

 

No site da Metropolitan Opera, você pode ter uma visão global da agenda de cada mês
No site da Metropolitan Opera, você pode ter uma visão global da agenda de cada mês

 

Cada site informa a data e hora em que os ingressos para cada apresentação começarão a ser vendidos. É importante anotar na agenda e entrar no site assim que a venda estiver aberta. Quando comprei para o Lang Lang no Carneggie Hall, acessei com duas horas de “atraso” e os melhores lugares já tinham ido embora, restava menos da metade.

E então, quer tirar uma casquinha e copiar o programa? É melhor se apressar. Os ingressos para a Filarmônica no Lincoln Center estarão disponíveis a partir desta segunda-feira, 23 de junho, e devem se esgotar rapidamente!

 

Sir Simon Rattle, à frente da Filarmônica de Berlim
Sir Simon Rattle, à frente da Filarmônica de Berlim