5 obras de arte em Nova York

Nova York é uma das cidades mais atraentes do mundo para quem gosta de arte. Ela abriga alguns dos museus mais importantes do globo. Mais uma vez, é tarefa impossível elencar somente 5 obras, mas vou fazer uma escolha afetiva – como sempre – e deixar o espaço dos comentários pra você me contar as suas preferências, assim vai ficar mais divertido! Uma coisa é certa: deixar Nova York sem ter feito uma visitinha a estas verdadeiras referências culturais seria uma perda lastimável…

Não vou me estender nos comentários sobre cada obra. Sou uma apreciadora, não uma profunda conhecedora. Pelas minhas escolhas, você vai ver que tenho uma certa preferência pelos artistas do final do século XIX e século XX. Mas acredito, acima de tudo, que um quadro se torna um favorito pelo poder que ele tem de me impactar, de me prender, de me tocar emocionalmente. Então, minha seleção não segue um critério definido. Quadros que eu amo e pronto. Sem explicação.

 

1 – Dança (Henri Matisse) – Museu de Arte Moderna (MoMA)

Todo mundo conhece esse quadro, é um dos mais famosos da história da pintura, mas vê-lo ao vivo, em tamanho natural, me trouxe borboletas ao estômago.

Matisse: Dance
Matisse: Dance

 

2- Panel for Edwin R. Campbell, números 1 a 4 (Vasily Kandinsky) – Museu de Arte Moderna (MoMA)

Esta série de enormes painéis mostram a força da pintura de Kandinsky e me mantiveram hipnotizada por um longo tempo em frente a eles.

Kandinsky: Panel for Edwin R. Campbell n. 4
Kandinsky: Panel for Edwin R. Campbell n. 4

3- Noite estrelada (Vincent Van Gogh) – Museu de Arte Moderna (MoMA)

Minha visita ao MoMA foi a primeira vez em que vi um Van Vogh pessoalmente. As reproduções não traduzem nem de longe a textura e a vida que salta aos olhos no quadro original. Foi um momento único e inesquecível.

Van Gogh: The starry night
Van Gogh: The starry night

4- The dancing class (Edgard Degas)Metropolitan Museum of Art

O Met possui um enorme acervo da obra de Degas, entre pinturas e esculturas, de impressionante sensibilidade. Meu amor pelo ballet faz com que o conjunto me toque particularmente.

Degas: The dancing class
Degas: The dancing class

5- The unicorn tapestries (arte medieval, sul da Holanda) – The Cloisters

As sete tapeçarias que compõe a série do Unicórnio estão expostas neste claustro medieval trazido pedra por pedra da Europa, e que faz parte do sistema do Metropolitan Museum. Sou fascinada pela Idade Média, e estas belíssimas tapeçarias constituem uma das mais expressivas referências da arte deste período.

The unicorn in captivity
The unicorn in captivity

 

E você? Quais as obras de arte que mais te emocionaram? Ainda vou escrever sobre minhas preferências em outras cidades, mas estou louca para conhecer as suas! Escreve aqui nos comentários, estou esperando…

Anúncios

Outono musical em Nova York

No post Poupando suspiros, contei um pouco como eu procedo para conferir a agenda cultural e comprar ingressos baseada nas datas programadas para uma viagem. Às vezes, porém, faço o caminho inverso. Algumas cidades são tão ricas do ponto de vista das artes e espetáculos, que vale à pena estabelecer as datas da visita a partir do que ela tem a oferecer.

Meus pais viajam regularmente com o objetivo de aproveitar a temporada de concertos e ópera, principalmente em Nova York. Como clientes VIP do Roteiro Renatours, eles sempre contam com opções avançadas de planejamento! 😉

Eles me passam uma época do ano aproximada: há alguns dias, por exemplo, fizeram a “encomenda” para uma semana em outubro, podendo transbordar um pouquinho para setembro.

Eu abro, então, a agenda das principais salas e escolho a semana com a melhor combinação de programas. Às vezes é difícil decidir, pois pode haver dois ou mais “incontornáveis” separados por um período de tempo inviável. Mas sempre dá para criar um mix excelente!

Este ano, foi moleza… Quase nem acreditei! Quando abri o site do Lincoln Center, lá estava ela… A Filarmônica de Berlim! Regida por Sir Simon Rattle, tocando a Paixão Segundo São Mateus, de Bach, justamente a peça favorita do meu pai (aliás, uma das mais belas da história da humanidade…). A partir daí, eu já sabia que todo o roteiro teria de ser construído em torno disso. Abri, então o Carneggie Hall e… Filarmônica de Berlim de novo! Tocando Schumann! Socorro!!!!! Também quero ir!!!! Mas nesta data estarei a trabalho na França, depois eu conto…

Bem, outubro é, ainda por cima, o auge da temporada de ópera na Metropolitan Opera House, e também do New York City Ballet (vão dançar Balanchine, a especialidade deles!).

Pra você ter uma ideia, a programação que criei para eles ficou assim:

 

5 de outubro: New York City Ballet, no Lincoln Center

6 de outubro: Filarmônica de Berlim (Schumann), no Carneggie Hall

7 de outubro: Bodas de Fígaro, na Metropolitan Opera House

8 de outubro: Filarmônica de Berlim (Bach), no Lincoln Center

9 de outubro: Carmen, na Metropolitan Opera House

10 de outubro: Musical da Broadway ou jantar especial

 

Eles comprarão as passagens para sexta-feira dia 3 de outubro. No dia da chegada, não tem programação, pois é muito cansativo. Sábado dia 11 de outubro, passagens de volta. Sucesso garantido.

 

No site da Metropolitan Opera, você pode ter uma visão global da agenda de cada mês
No site da Metropolitan Opera, você pode ter uma visão global da agenda de cada mês

 

Cada site informa a data e hora em que os ingressos para cada apresentação começarão a ser vendidos. É importante anotar na agenda e entrar no site assim que a venda estiver aberta. Quando comprei para o Lang Lang no Carneggie Hall, acessei com duas horas de “atraso” e os melhores lugares já tinham ido embora, restava menos da metade.

E então, quer tirar uma casquinha e copiar o programa? É melhor se apressar. Os ingressos para a Filarmônica no Lincoln Center estarão disponíveis a partir desta segunda-feira, 23 de junho, e devem se esgotar rapidamente!

 

Sir Simon Rattle, à frente da Filarmônica de Berlim
Sir Simon Rattle, à frente da Filarmônica de Berlim