Sergipe: banho de rio, dunas, praia, natureza, sombra e água fresca…

Esta semana, só vamos conversar sobre passeios no Brasil. Uma das melhores surpresas que tive em minha vida viajante foi a breve temporada que passei  em Aracaju. Sergipe é, talvez, o menos explorado dos estados nordestinos. Acredito que este quadro ainda mude, pois há atrativos fantásticos aguardando os turistas. Por outro lado, eu considero uma grande vantagem não encontrar multidões aglomeradas, como em outros destinos mais populares, mesmo tendo ido em pleno verão.

Meu primo Kiko se mudou para Aracaju há cerca de 8 anos. Recentemente, nós finalmente fomos visitar o “dindo” do Dudu. Kiko e Emily nos levaram a um passeio delicioso, que foi o ponto alto da viagem: a descida de barco pelo rio Piauitinga, até chegar ao Mangue Seco. Saindo de Aracaju, de carro, são uns 50 minutos até chegar a Porto do Mato, na direção da Praia do Saco, Município de Estância. Lá, você aluga um barquinho, que custa em torno de R$ 150,00 (total, independente do número de passageiros, com capacidade para 6 pessoas, mais o barqueiro). Ao longo do rio, há diversas paradas em pequenas ilhas fluviais, onde se pode tomar banho e apreciar a natureza quase intocada do local.

 

Descendo o Rio Piauitinga
Descendo o Rio Piauitinga
DSC05176
Curtindo o padrinho em Sergipe
Nosso barquinha rio abaixo
Nosso barquinho rio abaixo
O melhor banho de rio das nossas vidas!
O melhor banho de rio das nossas vidas!
Ao longo do trajeto, pequenas ilhas, praias gostosas, rio de águas calmas e salgadas...
Ao longo do trajeto, pequenas ilhas, praias gostosas, rio de águas calmas e salgadas…
No caminho, cruzamos com um “ônibus” escolar!

Chegando à localidade de Mangue Seco (a primeira após cruzar a divisa com a Bahia), alugamos um bugre (em torno de R$ 90,00), que nos levou pelas dunas e até a praia. Fizemos uma pausa para o Dudu experimentar o “esqui-bunda” e ficamos encantados com a beleza da costa.

Dudu se esbaldou no "esqui-bunda"
Dudu se esbaldou no “esqui-bunda”
Brincando nas dunas
Brincando nas dunas
DSC05241
Um dia bem aproveitado com Kiko e Emily!
DSC05239
Descendo as dunas de bugre
DSC05240
Bugre ou montanha russa?
DSC05244
Os coqueiros “Romeu e Julieta” foram cenário da abertura da antiga novela Tieta. Neste dia, fizeram uma perfeita moldura para a foto dos recém-casados!

 

Já na praia do Mangue Seco, foi só curtir uma vidinha mais ou menos… Comer quitutes locais, tomar banho de mar, apreciar a paisagem e descansar na rede, afinal ninguém é de ferro!

 

DSC05253
Praia de Mangue Seco
DSC05267
Dudu adorou essa vidinha nordestina…

 

O motorista do bugre deixou a gente na praia e combinou a hora de vir nos buscar, para pegarmos o barco de volta a Porto do Mato. Tanto ele quanto o barqueiro foram ultra pontuais! Em Porto do Mato, tem estacionamento. Embora Mangue Seco já fique na Bahia, a localidade é mais explorada a partir de Aracaju, pois o acesso por ali é mais fácil. O programa dura o dia inteiro e é absolutamente imperdível!

 

 

 

 

 

5 restaurantes especiais em Teresópolis – RJ

O inverno está acabando, mas ainda dá tempo de curtir um friozinho na serra! E eu aproveito que hoje é o dia da pátria, para publicar meu primeiro post sobre destinos brasileiros.

Frequento Teresópolis desde a vida intra-uterina e tenho uma relação mais do que afetiva com esta cidade da região serrana, que fica a 1h30min do Rio de Janeiro. Lá, meus pais têm uma casa que é ponto de encontro da família e dos amigos. Hoje em dia, Terê é mais conhecida como a sede da seleção brasileira de futebol, mas seus maiores tesouros são, de fato, o clima e a natureza, além dos excelentes hotéis e restaurantes.

Ficam aqui as recomendações dos meus 5 restaurantes preferidos. Todos são perfeitos tanto para um jantar romântico como para levar as crianças.

 

Comendo bem e curtindo a natureza em Terê
A natureza exuberante de Teresópolis

1- Dona Irene

Rua Tenente Luiz Meirelles, 1800, Bom Retiro. Tel: (21) 2742-2901

O banquete completo tradicional da nobreza russa do século XIX é um clássico há 40 anos. Irene era uma jovem nobre, apaixonada por culinária. Quando houve a Revolução de 1917,  sua família fugiu para a China e de lá, ela e o marido perambularam até chegar em Teresópolis, veja só! Eles logo fizeram amizade com o casal Emília e Hisbello, que se tornou a família deles no Brasil. Dona Irene e Seu Miguel (como eram conhecidos aqui, pois os nomes russos eram complicados…) já se foram há alguns anos, mas Emília e Hisbello perpetuam a tradição. O ambiente é perfeito, desde o atendimento até a decoração (as tradicionais pinturas no teto e paredes foram feitas por uma das filhas de D. Irene). A casa é repleta de fotos e objetos que pertenceram ao casal, inclusive uma fotografia em preto e branco de D. Irene jovem, vestida com a roupa típica de uma princesa russa. Ao fazer a reserva, você escolhe apenas o prato principal. Uma sequência interminável de maravilhosas entradas quentes e frias quase o torna dispensável, porque você tem a sensação de nunca ter comido tanto na vida. Mas é tudo tão gostoso, tão diferente, tão delicado, que sempre dá vontade de provar o próximo. Uma dica: como o prato principal vem servido em travessas, e não no prato propriamente dito, é interessante cada pessoa pedir uma opção distinta, para que todos possam experimentar um pouco. A vodka que acompanha a refeição é produzida na casa, aromatizada e vem à mesa dentro de um bloco de gelo, o que lhe confere uma consistência licorosa. Eu não costumo tomar vodka, mas nada combina tanto com aquela culinária quanto esta clássica bebida. Ainda mais porque Seu Hisbello sempre vem à mesa conduzir o brinde em russo: Na zdaróvia!

Uma pequena observação: a casa não aceita cartões de crédito.

 

Restaurante Dona Irene
Restaurante Dona Irene
O banquete tradicional russo do século XIX
O banquete tradicional russo do século XIX

2- Manjericão

Rua Flávio Bortoluzzi, 314, Alto. Tel: (21) 2642-4242

A melhor pizzaria de Teresópolis. Na verdade, uma das melhores de todo o Rio de Janeiro. Os irmãos André e Beth são vegetarianos, então não espere encontrar presunto ou calabresa no cardápio. Para mim, as pedidas inesquecíveis são a pizza de beringela, a de pesto de manjericão, a de azeitona… Não deixe de experimentar a sangria espetacular, e reserve um espaço para a sobremesa: goiabada cascão com catupiry, derretidos no forno a lenha. Dudu começou a frequentar o Manjericão aos 3 meses, é ótimo para levar crianças. Há inclusive uma salinha com uma única mesa de 10 lugares, ideal para a família completa. Chegue cedo ou faça reserva, se não quiser ficar na fila só sentindo o aroma de pizza quentinha!

Dudu se sente em casa no Manjericão
Dudu se sente em casa no Manjericão

 

3- Crémerie Genève

Estrada Teresópolis-Friburgo, km 16. Tel: (21) 3643-6391

É o único desta lista que não está no centro da cidade, fica no chamado Circuito Terê-Fri, a rota gastronômica e hoteleira entre Teresópolis e Friburgo. A Fazenda Genève produz queijo de cabra de nível internacional. Uma vez, quando o professor francês Dominique Chaland esteve no Rio dando um curso de cadeias musculares, levei-o a Terê e ele provou os ditos queijinhos. Pois ele disse que não deviam nada àqueles produzidos na região da Borgonha, onde ele vive. O restaurante que fica dentro da propriedade oferece culinária suíça de alta qualidade. O magret de pato é de comer suspirando, a truta recheada de queijo de cabra é um espanto, as fondues e raclettes são uma pedida certeira nas noites de inverno. Durante o dia, é possível visitar o capril, as crianças adoram ver os cabritinhos. Além disso, há também um parquinho para os pequenos. E os produtos Genève estão à venda na lojinha…

 

O charme suíço da Crémerie Genève
O charme suíço da Crémerie Genève
Quando ainda não havia crianças na família...
Quando ainda não havia crianças na família…
Visitando os cabritinhos
Visitando os cabritinhos

4- Vila St. Gallen

Rua Augusto do Amaral Peixoto, 166, Alto. Tel: (21) 2642-1575

Uma pequena aldeia alemã está reproduzida neste lugar agradável, que divide seu amplo espaço entre uma cervejaria, um bistrô francês, um restaurante de fondue e a vila em si, onde se pode comprar sorvetes e chocolates, experimentar a culinária alemã, visitar a capela e degustar a já famosa cerveja Therezópolis. Atendimento excelente, cardápio interessante. Um programão!

 

Uma vila alemã em Teresópolis
Uma vila alemã em Teresópolis
A pequena capela da Vila St Gallen
A pequena capela da Vila St Gallen
A aldeia alemã da Vila St Gallen
A aldeia alemã da Vila St Gallen

 

Comida alemã e cerveja Therezópolis
Comida alemã e cerveja Therezópolis

5- Vagão

Av. Lúcio Meira, 855, Várzea. Tel: (21) 2643-3034

Parte das mesas estão na plataforma da estação, outras estão literalmente dentro do vagão de um trem antigo. Dudu simplesmente amou o clima deste restaurante de cardápio bastante variado. Os pratos têm os nomes das estações de trem de diversas cidades do mundo, trazendo um pouquinho da culinária de cada um destes lugares. O forte deles, entretanto, é a carta de cervejas. Alexandre se esbaldou nas loiras alemãs e belgas! Pode isso?! 😉

 

Cervejas alemãs em um antigo vagão de trem
Cerveja belga em um antigo vagão de trem

 

 

 

Museus em Paris que valem a visita – Parte 3

Continuando a série sobre museus em Paris, vamos conversar sobre Picasso, Monet e arte medieval. Mais uma vez, não esqueça de checar o Pariscope, para informações de acesso, dias e horários de funcionamento.

1- Musée Marmottan

A maior parte do acervo do Marmottan é dedicado à obra de Claude Monet. Muita gente deseja conhecer a famosa casa em Giverny, mas a maioria das pessoas nunca ouviu falar deste pequeno museu, dentro de Paris, bem pertinho do Bois de Boulogne. Aliás, “a boa” é combinar as duas visitas juntas, pois estas atrações ficam a uma curta distância a pé uma da outra. A coleção do Marmottan foi doada pelo filho do pintor e inclui um quadro que, por si só, vale a visita: Impressions, soleil levant (em português: Impressões, sol nascente). A denominação do movimento impressionista foi cunhada a partir deste quadro, que pode ser considerado sua pedra fundamental. Ainda neste lindo museu, eu gostei particularmente da coleção de iluminuras medievais, de uma beleza indescritível.

 

2- Musée de Cluny

Um charmoso castelo do século XIII, em uma pracinha aprazível no coração do Quartier Latin, abriga o museu nacional da Idade Média. De acesso fácil, sem fila, interessantíssimo tanto por suas coleções quanto pelo edifício em si, este local adorável merece ser incluído no seu roteiro. Você vai se surpreender com a variedade de peças inestimáveis em tapeçaria, ourivesaria, mobiliário, iluminuras (eu realmente adoro iluminuras medievais…) e outros tesouros.

O pátio do belo edifício que abriga o museu medieval
O pátio do belo edifício que abriga o museu medieval
musee de cluny
Musée de Cluny

 

3- Musée Picasso

Bem, Picasso dispensa apresentações. Localizado no delicioso bairro do Marais, o museu dedicado a este incomparável artista ficou um tempão fechado para reformas, mas reabrirá suas portas no dia 25 de outubro de 2014. Estou louca para revisitá-lo! Além de importantes obras de Picasso, o museu ainda abriga a coleção particular do artista, que inclui quadros de Cesanne, Seurat, Degas e outros gênios. Meu quadro favorito no museu é Violino e Partitura, de 1912. Mas os estudos para as célebres Demoiselles d’Avignon também me emocionaram.

 

Antes da grande reforma, assim era o pátio interno do Museu Picasso, onde havia uma cafeteira. Em poucos dias saberemos se alguma coisa mudou...
Antes da grande reforma, assim era o pátio interno do Museu Picasso, onde havia uma cafeteira. Em poucos dias saberemos se alguma coisa mudou…

 

 

 

Museus em Paris que valem a visita – Parte 2

No post do dia 30 de agosto, comecei a série sobre museus interessantes em Paris, para quem quer algo além do Louvre e do Musée d’Orsay. Hoje, vou falar exclusivamente sobre aquele que pode ser considerado tão imprescindível quanto os dois anteriores: o Centre George Pompidou.

O museu de arte moderna de Paris conta com uma coleção impressionante dos maiores nomes da arte do século XX: Picasso, Kandinsky, Braque, Matisse e tantos outros, que é até difícil enumerar. Sem contar que o prédio, em si, é uma atração à parte. A fachada de canos aparentes e coloridos, a arquitetura absolutamente inusitada e as rampas e escadas externas, que permitem incríveis vistas da cidade, fazem do Pompidou um programa imperdível.

O museu abrigou algumas das exposições temporárias mais impressionantes que presenciei na vida, como a retrospectiva da obra completa de Kandinsky e a incrível mostra sobre as relações entre a Dança e as Artes Plásticas. Vale à pena entrar no site antes de viajar para conferir a programação e, conforme for, comprar ingresso antecipado. As melhores exposições costumam lotar e/ou ter filas enormes.

A livraria oferece muitas opções bacanas para estimular a sensibilidade artística nas crianças. Dudu adorou o livro sobre Kandinsky que eu comprei pra ele, cheio de adesivos para ele compor suas próprias obras, segundo o estilo do artista. Por causa disso, quando eu o levei a uma exposição de arte russa no Centro Cultural Banco do Brasil (aqui no Rio), ele reconheceu o Kandinsky de longe, em meio aos outros quadros.

Há toda uma programação voltada para as crianças, com oficinas de arte e atividades variadas. Minha amiga Anna levou suas meninas de 5 e 7 anos a Paris, e ambas concordaram em eleger o Pompidou o museu mais legal da cidade.

Centro George Pompidou Fonte: site Great Buildings
Centro George Pompidou
Fonte: site Great Buildings

 

5 livros que me levaram para viajar

A literatura tem o poder de nos levar para outros lugares, sejam eles reais ou fictícios. Sou apaixonada por romances históricos, que me “pegam” por todos os lados: ficção envolvente, descoberta de lugares pouco explorados ou desconhecidos para mim, aprendizado sobre a vida em outras épocas e culturas. Alguns autores são mais rigorosos na pesquisa histórica do que outros, alguns são mais controversos, mas é sempre uma delícia viajar nas páginas de um bom livro.

Sou uma leitora voraz desde a infância, então seria impossível listar 5 livros que me deram mais prazer no transporte a outros lugares e tempos. Optei pelos que me vieram à cabeça primeiro, talvez eu repense a escolha a cada vez que me deparar com este post. Mas tudo bem, eu sempre poderei escrever outro sobre este assunto, quando der vontade, não é? 😉

 

Livros que me levam pelo mundo afora...
Livros que me levam pelo mundo afora…

1- Os Pilares de Terra (Ken Follet)

Em dois volumes, um dos meus livros preferidos de toda a vida. Fiquei emocionadíssima em visitar a Catedral de St Denis, ao norte de Paris, só de imaginar a importância dela para o livro – e para a história da arquitetura gótica, é claro. A vida cotidiana na Inglaterra medieval e a jornada do protagonista até a França, em busca do segredo de como construir uma catedral que chegasse até o céu, alinhavam uma narrativa rica, empolgante, envolvente. Ken Follet é, por vezes, associado somente aos livros de espionagem, como O Buraco da Agulha. Mas seus romances históricos são primorosos, amo de paixão! Sua trilogia recente, sobre o século XX, é absolutamente fantástica, estou na expectativa do lançamento do último volume, previsto para daqui a alguns dias.

 

2- Crônicas Saxônicas (Bernard Cornwell)

Uthred de Bebbanburg foi despojado de seu título e seu castelo (que de fato existe, na Nortúmbria, vou visitá-lo no ano que vem, quando for à Escócia). Uthred passa 7 volumes em meio aos ideais e batalhas de Alfredo, o Grande –  que sonha unir os reinos anglos e saxônicos para formar uma única Terra Angla (England) – e às invasões vikings, na tentativa de recuperar o que lhe foi tomado. O último livro foi lançado recentemente, acabei de ler há poucos dias! Bernard Cornwell é um dos principais romancistas históricos ingleses e escreveu também a série Crônicas de Arthur.

 

3- Os Reis Malditos (Maurice Druon)

A obra épica deste autor, conhecido no Brasil pelo infanto-juvenil O Menino do Dedo Verde, conta a história trágica da derrocada da dinastia dos Capetos na França do século XIV, depois que o último templário os amaldiçoou antes de ser executado. A vida da nobreza francesa e inglesa em icônicos castelos e catedrais, a “arte” dos venenos e outras “técnicas” de assassinato, as disputas pelo poder, as intrigas da corte…  Muito da trama envolve Roberto III, o Conde de Artois, e as batalhas contra Flandres, o que é particularmente interessante para mim, pois o Artois é justamente a região fronteiriça com a Bélgica, que frequento regularmente por conta do trabalho (é onde se situa o Centre de Formation Philippe Campignion, ao qual estou vinculada).

 

4- Trilogia (Henryk Sienkiewicz)

Este autor de nome difícil recebeu o Nobel de Literatura em 1905 e é considerado um dos escritores poloneses mais importantes da história. E olha que a Polônia é pródiga em escritores prêmio Nobel, vários já foram agraciados!

Minha curiosidade sobre este país tem a ver com o fato de meus avós paternos terem vindo de lá, mas esta trilogia em 7 volumes (é isso mesmo, a edição brasileira subdividiu os originais rsrsrs) me mostrou que se trata de um lugar incrível, pela história e pela natureza. Trata-se, de fato, de um dos principais destinos para turismo ecológico na Europa. O livro se inicia no apogeu na Polônia, no século XVIII, passando pelas guerras com ucranianos, suecos e russos, até o declínio frente ao Império Otomano. Ao fim de cada volume, as notas históricas separam os fatos da ficção. Aí vem o mais interessante: certas passagens são tão impressionantes que “só podem ser fictícias”. Aí você chega nas notas finais e descobre que aquilo aconteceu de verdade!!!

Prepare-se, no entanto, para a sopa de letrinhas dos nomes dos personagens. O desafio é conseguir pronunciá-los! Quem já leu Dostoievsky sabe do que estou falando: até você lembrar quem é quem leva um tempinho… Mas isso não é nada, perto do fascínio exercido por essa poderosa obra literária.

 

5- Os príncipes da Irlanda (Edward Rutherfurd)

Não aparece na foto porque está emprestado 🙂

Um livro muito interessante sobre as origens da Irlanda, de 430 A.C. até meados de 1533, ou seja, trata da transição do tempo dos celtas, passando pela expansão do cristianismo através de São Patrício, pelas conturbadas relações com a Inglaterra e o país de Gales, tudo isso acompanhando as sucessivas gerações das famílias de certos personagens centrais. Um dado pitoresco: a principal destas famílias vivia, no início da história, às margens da Lagoa Escura, que em celta quer dizer Dubh Linn. Foi aí que floresceu a bela cidade, hoje conhecida por Dublin. Não tinha tanta curiosidade pela Irlanda até ler este livro.

 

Foi difícil escolher, deixei de fora Noah Gordon, Alexandre Dumas, Catherine Clément, Dan Brown e até nosso Érico Veríssimo. Do clássico ao best seller, estrangeiros e brasileiros… Sem contar aqueles que vou ficar lembrando todos os dias, e os que ainda vou ler. De qualquer modo, se você ainda não visitou essa turma aí em cima, aperte os cintos e embarque na viagem deles, vai valer à pena!

 

 

 

Museus em Paris que valem a visita – Parte 1

Se você está indo a Paris pela primeira vez, seu roteiro passará obrigatoriamente pelo Louvre e pelo Musée d’Orsay. Atrações indiscutivelmente incontornáveis, já cantadas em prosa e verso pelos mais diversos veículos e autores, estes dois ícones parisienses foram deliberadamente excluídos desta lista singela. Exatamente por esta razão: dispensam recomendação, já estão previstos, com absoluta certeza. Depois de visitar estes gigantes imprescindíveis, a escolha entre os incontáveis museus e galerias espalhados pela cidade pode trazer dúvida – e até angústia – ao coração de quem gosta de arte e cultura. Eu definitivamente não conheço todos os museus de Paris (será que alguém conhece?!), mas já estive em um número considerável. Alguns eu gostei demais, outros não especialmente. Alguns bem óbvios, outros nem tanto. Alguns pretendo ainda visitar, outros não faço questão. Espero que a minha experiência possa te ajudar nessa “escolha de Sofia”, que é selecionar as igrejas, museus, parques, monumentos e outras atrações que caibam no número de dias programados para as férias às margens do Sena.

 

O Museu do Louvre e sua Pirâmide
O Museu do Louvre e sua Pirâmide

 

Musée d'Orsay
Musée d’Orsay
O Musée d'Orsay visto do Rio Sena
O Musée d’Orsay visto do Rio Sena

 

1- Musée Rodin

Este museu encantador foi o primeiro que visitei em Paris. É quase mágico, passear pelo jardim da casa em que viveu um dos maiores escultores da história, flanando entre obras de arte expostas ao ar livre. Para completar a experiência, não deixe de tomar um café ou um sorvete na cafeteria do jardim, depois visite o interior da casa, onde estão alguns dos mais famosos trabalhos de Auguste Rodin e Camille Claudel. O Musée Rodin fica muito perto do Musée d’Orsay e do Hôtel des Invalides, onde estão o túmulo de Napoleão e o Museu da Guerra. Se você tiver um cronograma apertado, pode ser uma boa ideia fazer os três no mesmo dia.

 

Musée Rodin
Musée Rodin
Pensador e Invalides
O Pensador em seus devaneios, entre as flores do jardim e o belo Dôme des Invalides
IMG_0787
Arte ao ar livre, no Musée Rodin
Dentro da casa onde viveu Rodin, algumas de suas mais belas obras
Dentro da casa onde viveu Rodin, algumas de suas mais belas obras
O beijo mais famoso da história da arte
O beijo mais famoso da história da arte
Uma "selfie" no Musée Rodin
Uma “selfie” no Musée Rodin

2- Musée de l’Orangerie

Quando você chega ao Jardin de Tuileries, vindo da Place de la Concorde, percebe que a entrada do parque que leva ao Louvre é ladeada por dois museus pequenos e simpáticos: à direita, o Musée de l’Orangerie; à esquerda, o Jeu de Paume. No Jeu de Paume você vai encontrar predominantemente exposições temporárias, e a programação pode ser conferida no indefectível Pariscope. Quanto ao Musée de l’Orangerie… Se você gosta de arte, deve realmente tentar incluir esta joia em seu roteiro! O museu tem uma pequena, porém expressiva, coleção de arte impressionista. Mas o ponto alto, de fato, são as duas grandes salas, em que painéis das Ninféias de Monet preenchem inteiramente cada uma das quatro paredes. De acordo com o local onde você se posiciona, em cada sala, os quadros imensos adquirem aspectos diversos, e a própria sala parece mudar.  A luz natural penetra, tornando a experiência diferente segundo o horário da visita. É possível se perder por um longo tempo, em meio a tamanha beleza…

Galerie Nationale du Jeu de Paume. Não tenho nenhuma foto do Musée de l'Orangerie...
Uma perspectiva “torta” da Galerie Nationale du Jeu de Paume. Não tenho nenhuma foto do Musée de l’Orangerie… 😦

 

3- Musée de l’Histoire de la Médecine

Este museu pequeno e impressionante fica dentro da Université Paris Descartes, na Rue de l’École de Médecine. Tem horários de funcionamento restritos e variáveis, então, mais uma vez, é necessário consultar o bom e velho Pariscope. A coleção inclui maletas com instrumentos de barbeiros-cirurgiões medievais, um estojo de medicamentos homeopáticos do século XIX, que pertenceu ao médico de Vincent Van Gogh, desenhos esquemáticos do cérebro humano, feitos por Sigmund Freud, modelos anatômicos do século XVIII, ferramentas cirúrgicas egípcias e outros tesouros. Se tudo isso já soa interessante para qualquer pessoa curiosa, imagine para alguém que trabalha na área da saúde!

Université Paris Descartes, onde funciona o Musée de l'Histoire de la Médecine
Université Paris Descartes, onde funciona o Musée de l’Histoire de la Médecine

No próximo post, vamos conversar sobre mais três museus que moram no meu coração. Esse papo ainda tem muito o que render…

 

Algumas dicas essenciais de Paris

Eu já falei sobre Paris diversas vezes aqui no blog. Citei o Pariscope como minha dica mais importante , dei o caminho das pedras para comprar ingressos para concertos, listei meus lugares favoritos para tomar chá (veja aqui e aqui) e revelei minhas preferências na hora das compras (veja aqui e aqui).

Ainda pretendo escrever muito sobre esta cidade que frequento com grande assiduidade, pelo trabalho e/ou pelo prazer de bater perna por suas ruas adoráveis. Hoje vou dar algumas dicas que considero imprescindíveis!

 

1- Paris Museum Pass: Você pode comprar pelo site ou em qualquer dos monumentos conveniados, é um passe que vale por 2, 4 ou 6 dias consecutivos (respectivamente 42, 56 e 69 euros), e inclui entrada ilimitada em quase todos os monumentos e museus de Paris (não inclui a Torre Eiffel). Além de economizar dinheiro, na maioria deles você fura a fila, essa é a principal vantagem. No Louvre, você vai adorar entrar livre, leve e solto por uma porta e ver a multidão esperando do outro lado… Em Versailles não tem jeito, tem que encarar a fila, mas pelo menos você só pega para entrar, evitando a de comprar ingresso. Uma sugestão: se você não comprar o passe pela internet, compre na Conciergerie, que fica ao lado da Sainte Chapelle, na Ile de la Cité. Lá nunca tem fila, e vale uma rápida visita às celas onde ficaram presos Robespierre, Maria Antonieta e vários heróis da Revolução Francesa. Depois, você pode ir na Sainte Chapelle e na Catedral de Notre Dame, que é quase do lado. O passe é válido para subir nas torres da Catedral. Na rua lateral, onde fica a fila para subir nas torres, tem umas carrocinhas que vendem crepes e galletes. Não perca! Uma delícia! Logo ao lado, na Ile St Louis, tem outra delícia imperdível: sorvetes Bertillon, os melhores de Paris. São vendidos em diversos locais na ilha, se você comprar no balcão, pra sair tomando pela rua, é bem mais barato.

A Vênus de Milo, uma das mais importantes e belas obras do acervo do Louvre
A Vênus de Milo, uma das mais importantes e belas obras do acervo do Louvre
IMG_0769
A subida no Arco do Triunfo está incluída no Paris Museum Pass

2- Hotel Clément: desde que conheci este hotel, nunca mais fiquei em outro. Fica no coração de St Germain de Près, ao lado do metro Mabillon (6, Rue Clément). Simples, porém limpo, silencioso, organizado, com ótimo atendimento e preço abaixo da média. Como a maioria dos hotéis em Paris, o elevador é minúsculo e o quarto poderia ser maior… Mas acho o custo-benefício excepcional! A suíte júnior é ideal para casais com uma criança. Infelizmente, não há quarto quádruplo.

3- Ingresso antecipado para a Torre Eiffel: o site oficial do principal ponto turístico de Paris tem uma versão em português, onde se pode adquirir ingressos antecipados para subir na famosa torre. Como esta possibilidade é relativamente nova, eu confesso que nunca subi, mesmo depois de ter ido umas 20 vezes à Cidade Luz! É que as filas são sempre tão grandes, que eu desanimo… Ano que vem, vou levar o Dudu, então vai rolar com certeza! É recomendável antecedência, pois há um número limitado de ingressos por dia.

O principal ícone parisiense
O principal ícone parisiense

4- Carrossel du Louvre: o centro comercial que fica no subsolo do Museu do Louvre é uma ótima opção para “quebrar” uma longa visita às galerias. Tem o Mariage Frères, minha casa de chá preferida; a incrível loja Nature et Découvertes, com uma diversidade de itens para amantes da natureza (aventureiros ou não); e a Apple Store, entre outras lojas e restaurantes. A propósito: muita gente diz que são necessários vários dias para visitar o Louvre. Bem, a não ser que você esteja fazendo doutorado em história da arte, não precisará de 2 ou 3 dias só neste museu. Um dia ou parte dele é suficiente. Há muita coisa pra ver em Paris, ainda mais se você dispuser de apenas uma semana ou menos!

5- Café da manhã fora do hotel: eu sei que muita gente gosta de tomar café da manhã no hotel, porque já sai “pronto”. A questão é que, em geral, o salão de “petit déjeuneur” fica no subsolo, fechado, em uma cidade que tem como uma de suas principais características, a profusão de cafeterias com as famosas mesinhas na calçada, viradas para o “movimento”. Eu considero a experiência de tomar um expresso acompanhado de um croissant ou uma tartine (baguette tostada com manteiga), sentada em um local como este, item fundamental em qualquer visita a Paris. Você entra no clima e se sente parte do contexto.

6- Maquiagem: a compra da maquiagem é praticamente incontornável, quando se visita Paris. Mesmo que você seja homem, pois terá levado, com certeza, uma listinha de encomendas. Mas se você for mulher, lembre-se de que nas lojas de departamentos, quando você for fazer suas comprinhas no quiosque das principais marcas, a atendente provavelmente vai se oferecer para te fazer uma linda maquiagem na hora. É claro, você vai se sentir bela como uma fada e vai querer comprar tudo. Mas, mesmo que só leve um batom, sairá de lá “toda trabalhada no glamour” rsrsrsrs. Então, aproveite para comprar maquiagem no dia que você já tiver programado um teatro, concerto ou jantar especial, pois a produção já estará prontinha! 😉

Minha amiga ficou ainda mais linda, toda produzida na Shiseido do Le Bon Marché
Minha amiga ficou ainda mais linda, toda produzida na Shiseido do Le Bon Marché

 

Ainda tenho muito a dizer sobre Paris… Restaurantes, museus, lojas, atrações para crianças… Essa é a parte mais divertida em se ter um blog, posso continuar o assunto em outros posts e prolongar nossa conversa sobre meu tema favorito!

Então, um abraço e até o próximo!

Turks & Caicos: os sabores do paraíso

O restaurante do parque aquático é um navio pirata
O restaurante do parque aquático Pirate’s Island tem a forma de um navio

No post do dia 16 de agosto, contei como foram nossas férias inesquecíveis, com nosso amigos Anna e Sérgio, no Beaches Resort Turks and Caicos. Conforme prometido, hoje vou dedicar um texto inteirinho só para a experiência gastronômica proporcionada por este resort all-inclusive, que conta com 19 restaurantes e 12 bares (clique aqui para a lista completa). Não fui a todos, pois há dois exclusivos para adultos, bem como bares noturnos, com música, etc., que não cabiam no nosso programa. Além disso, alguns eram tão maravilhosos, que a gente sempre ficava na dúvida entre repeti-los ou conhecer novidades. Na nova vila Key West há também um restaurante. Segundo Anna e Sérgio, que foram de novo este ano, é muito bom. Entretanto, eles continuam achando que a Italian Village é a melhor.

Um destaque importante é a boa vontade de todo o staff. Um dia, estávamos dando o jantar às crianças e perguntamos se tinha arroz branco, pois no buffet só estávamos vendo arroz à grega, com amêndoas, etc. O maître pediu que aguardássemos só um pouquinho. Quando nos demos conta, ele tinha ido em outro restaurante buscar uma travessa de arroz branco só pros nossos pimpolhos. O mesmo aconteceu quando eu comentei, à mesa do Mario’s, que iria pegar uma pizza pro Dudu no Dino’s, e o garçom disse que não precisava, ele mesmo iria lá buscar pra nós. Logo no início da viagem, percebi a ausência de água de coco nos cardápios. Perguntei na recepção se algum dos restaurantes servia essa bebida, que é a favorita do Dudu. Eles responderam que, infelizmente, não. No dia seguinte, entretanto, quando eu abri o frigobar, havia um galão de uns 2 litros de água de coco natural e fresquinha, especialmente para o meu filhote. Quando eu digo que o atendimento deles é um show…

Os vinhos são um caso à parte. Acho que nós quatro nunca bebemos tanto vinho em nossas vidas! A vinícola californiana Beringer desenvolveu uma linha exclusiva para a rede Sandals (da qual o Beaches faz parte), que consiste em 5 variedades: os tintos Merlot e Cabernet Sauvignon, os brancos Chardonnay e Pinot Grigio, e um espumante. Tudo incluído, é claro! O hotel dispõe de uma carta de vinhos e champagnes nobres, então se você quiser gastar dinheiro e não abre mão da Don Perignon, não tem problema. Pessoalmente, nós ficamos perfeitamente felizes com o Pinot Grigio que degustávamos no almoço, o Cabernet do jantar e um ou outro espumante na piscina… Que vida dura…

Eu não bebo cerveja, mas o Alexandre, a Anna e o Sérgio curtiram muito o pub irlandês Cricketer’s. Para a piscina, eles não viam nada melhor do que uma Guinness ou alguma outra opção da extensa carta de cervejas britânicas. Todas as piscinas têm bar dentro e fora, com grande variedade de drinks. Inclusive a piscina infantil, só que lá os drinks são de suco e sorvete!

Vou falar um pouco sobre os restaurantes que experimentamos. Depois que você também passar uns dias por lá, me conta o que achou! 😉

 

Mario’s

No almoço, eu acho que nunca cheguei a experimentar os pratos quentes. A mesa de saladas era tão espetacular, que eu acabava ficando só nisso. As sobremesas também eram um sonho. Ficávamos na varanda, de frente para as piscinas do Italian Village. À noite, o restaurante ganha ares medievais e uma cozinha mais “substanciosa”. Sempre uma delícia!

Uma noite medieval no Mario's
Uma noite medieval no Mario’s

 

Almoços inesquecíveis no Mario's
Almoços inesquecíveis

Barefoot by the sea

Nosso favorito para o café da manhã. Panquecas de blueberry, salada de melões variados com iogurte e granola, croissants perfeitos… Tudo isso na areia da praia, com o mar logo ali.

No Barefoot by the Sea tem mesa de adulto e de criança
No Barefoot by the Sea tem mesa de adulto e de criança

 

Começando bem o dia
Começando bem o dia

Schooners

Estávamos na dúvida entre o risotto de king crab com manteiga de lagosta, sugerido pelo chef, e o marlin azul aromatizado no capim limão. A atendente sorriu e resolveu o problema: trago uma travessa de risotto para vocês degustarem, depois o marlin azul! Não sei como não voltei rolando desta viagem…

DSC02035
Um brinde às férias perfeitas!

 

O cardápio tentador do Schooners
O cardápio tentador do Schooners
Frutos do mar à luz da Lua
Frutos do mar à luz da Lua

 

Café de Paris

Café expresso, chá inglês, capuccino, mais uma linda vitrine de tentações preparadas por um chef patissier francês. Parada obrigatória depois do almoço no Mario’s. Nem acredito que não tenho fotos, acho que eu estava muito ocupada tomando chá!

 

Kimono’s

É um restaurante oriental, do tipo que a comida é feita na chapa em frente aos clientes. As crianças ficaram muito impressionadas! É recomendável reservar.

DSC04899
A arte do chef

 

À mesa do Kimono's
À mesa do Kimono’s

Soy

Um sushi bar maravilhoso, onde parece que o salmão pulou do mar diretamente para o nosso prato. Um de nossos melhores jantares!

 

Enquanto os adultos se esbaldavam no sushi, as crianças dormiam nos carrinhos
Enquanto os adultos se esbaldavam no sushi, as crianças dormiam nos carrinhos

Bobby Dee’s

É o barco pirata do Pirate’s Island, onde há uma máquina de sorvete e uma carrocinha de pipoca self service, liberada para as crianças. Serve sanduíches deliciosos. O ponto alto, para nós, eram os pratos de frutas frescas selecionadas (morangos, amoras, uvas,  blueberries…), que ficavam embalados e disponíveis sobre uma mesa coberta de gelo, elevando a um outro nível a experiência de relaxar na espreguiçadeira à beira da piscina…

Ao lado do Bobby Dee's, o Dudu fez amizade com um menino irlandês
Ao lado do Bobby Dee’s, o Dudu fez amizade com um menino irlandês

 

Esta criatura nunca tomou tanto sorvete na vida!
Esta criatura nunca tomou tanto sorvete na vida!

Dino’s Pizzeria

Pizzas no forno a lenha, ambiente super agradável.

 

Isso é o que eu chamo de uma refeição leve... rsrsrs
Isso é o que eu chamo de uma refeição leve… rsrsrs

Arizona’s

Esse é apenas ok. Normalzinho, sabe? Mas todo mundo tem que ir no primeiro dia, por causa do horário de chegada do vôo, pois é o único que serve almoço até o fim da tarde. Não compromete, mas fica aquém dos demais.

 

Primeira refeição, animação total!
Primeira refeição, animação total!

Giuseppe’s

Um italiano gostoso, porém não chega aos pés do Mario’s. Mas foi bom pra variar.

Almoço no Giuseppe. Ao fundo, o Café de Paris
Almoço no Giuseppe’s. Ao fundo, o Café de Paris.

 

Não me lembro o nome do restaurante ao lado da recepção do Caribbean Village. Tem serviço de buffet, com um parte só para as crianças, onde o balcão é baixinho, para elas poderem escolher. Algumas vezes, demos jantar a elas ali, antes de irmos ao japonês, por exemplo, que elas não curtiam. Foi neste lugar que o maître “descolou” o arroz branco pra nós.

 

O mais pertinho do nosso quarto, perfeito para o jantar do Dudu, da Juju e da Mari
O mais pertinho do nosso quarto, perfeito para o jantar do Dudu, da Juju e da Mari

Até hoje, quando eu e Alexandre encontramos com a Anna e o Sérgio, sempre acabamos fazendo algum comentário sobre a salada de queijo feta do Mario’s, a cheesecake de cappucino do Café de Paris, o café da manhã do Barefoot, o pinot grigio de Caicos… O que mais marcou as crianças foram os tobogans, mas, para os crescidinhos, as lembranças gastronômicas é que ficaram para sempre! Aliás, acho que estou até hoje tentando removê-las da minha cintura… 😉

 

 

 

 

 

Essa Marina, tão pequenina, já foi a Paris, Barcelona, Córsega, Sardenha…

A beleza indescritível da Córsega
A beleza indescritível da Córsega

Minha amiga Priscilla estava pronta pra me pedir umas dicas para a primeira viagem internacional da Marina, quando recebeu o e-mail que enviei somente ao círculo mais íntimo, contando a novidade do blog. Por isso, alguns dos primeiros posts que escrevi (como, por exemplo, este, este aqui e também este), foram dedicados a ela.

Como ela é super mega blaster adorável, enviou ao Roteiro Renatours um relato detalhado da epopéia, com direito a fotos e ao ponto de vista de uma mãe sensível sobre a experiência de viver esta aventura com uma criança bem pequena. Com vocês, Priscilla Menezes!

 

A carioquinha Marina desfila nas areias da Córsega
A carioquinha Marina desfila nas areias da Córsega

 

“A viagem foi excelente!!! Realizar um sonho de infância da minha mãe, ver minha filha se divertindo com tudo e meu maridão cuidando das três com a maior vontade de fazer tudo dar certo foi uma experiência maravilhosa! Claro que conciliar gostos e ritmos diferentes nem sempre é simples, mas de um modo geral tiramos de letra, demos boas risadas, vimos coisas lindas e conhecemos lugares inesquecíveis!

Priscilla, Guilherme, Marina e sua vovó Helena passaram momentos memoráveis juntos!
Priscilla, Guilherme, Marina e sua vovó Helena passaram momentos memoráveis juntos!

Só passamos um perrengue pra chegar em Paris… Fomos da Sardegna pra Córsega programados pra ficar uma noite e voltar. Acabamos ficando 3 dias presos por causa do vento forte que fechou o porto. Com isso perdemos o voo da Sardegna pra Paris e, pra finalizar, quando finalmente conseguimos comprar novas passagens e íamos embarcar, descobrimos que as malas tinham sido despachadas para Milão. Por sorte o avião ainda não tinha decolado e conseguimos resgatar as malas a tempo no maior sufoco! Mas deu certo. E valeu todo o perrengue! Só foi muuuito corrido. 5 dias só, ainda pegamos chuva que não estava nos planos, um feriado na segunda, que fez muita coisa fechar no domingo também (como o Bon Marché que vc tinha recomendado…   😦 ). Mas enfim, aproveitamos (MUITO) o que deu!

O fato de termos ficado em apartamentos alugados por onde passamos foi uma experiência muito positiva. Primeiro pelo preço que foi mais em conta, segundo porque podíamos fazer comidas que a Marina gosta e está familiarizada, então se um dia ela não almoçava muito bem, batia um pratão no jantar. Voltou até mais gordinha. E por último, pelo fato de ensinar a cuidar das coisas que não são nossas. No primeiro dia em Barcelona ela viu a cama e logo quis pular! Eu expliquei uma vez só que ali era uma casa emprestada, que não podíamos pular porque poderia quebrar e que tínhamos que tomar cuidado pra deixar tudo do jeito que recebemos. Não precisei falar duas vezes. Em todos os apartamentos, embora ela tenha se sentido super à vontade, foi super cautelosa, não pegava o que não podia, se preocupava em não sujar ou limpar o que sujava “pra moça não ficar chateada com a gente, né mãe?”. Sem querer foi uma lição e tanto pra ela!

De um modo geral a viagem com ela foi bem tranquila! É claro que foi cansativo, que minha lombar está um caco até agora e vou precisar de você pra me desentortar. Mas tirando isso e um ataque ou outro de mau humor nos momentos de sono ou cansaço, que foram contornáveis, posso dizer que foi mais fácil do que eu imaginei!!!

 

Versailles 2
Essa Marina, tão pequenina, sabe se divertir!

 

Barcelona é uma festa!
Barcelona é uma festa!

 

A alegria da Marina na praça do Louvre
A alegria da Marina na praça do Louvre

Foi lindo de ver como ela se divertia, Re! As suas dicas valeram muito nesse sentido. Embora eu já viesse conversando com ela desde o inicio sobre a viagem, nos últimos dias, no meio da correria de arrumar tudo e não esquecer nada, eu parei para dar atenção a ela. Contei curiosidades dos lugares onde íamos passar, comprei livro, estimulei bastante a imaginação dela, mostrei cenas de lugares por onde passaríamos. E valeu muito, foi fundamental essa preparação mais cuidadosa. Levei na malinha também uns brinquedinhos de casa que ela gosta, cadernos de pintura, joguinhos, livros, tablets com apps novos, e ia tirando aos poucos da cartola. Mas confesso que usei bem menos do que imaginei. As novidades eram tantas e a expectativa tão grande que só isso já era suficiente na maior parte do tempo.

Até nos programas onde eu achei que ela poderia ficar entediada, ela aproveitou. Quando cansava, dormia no carrinho (que não abrimos mão de levar daqui, como vc tbm mencionou no blog), acordava e voltava a curtir. Curtiu tanto as bailarinas de Degas no  D’Orsay que me pediu pra fazer Ballet (eu já tinha perguntado várias vezes antes se ela queria e ela sempre dizia que não). Lutou contra o sono até conseguir ver a Monalisa (embora tenha ficado com uma cara de “ué?” com o tamanico dela, disse que gostou… rs). Ficou muito decepcionada porque a Rainha não estava em casa em Versailles – fomos no feriado e apenas o jardim estava aberto – mas correu muito pelos gramados do jardim dela! Tá abrindo boca de tubarão pra comer desde o dia do aquário de Barcelona, ficou impressionada! Amou a torre “muito enorme!!!” e soltou um “acheeii ele!!!” quando viu o carrossel que ela tinha visto no livro! No arco do triunfo me perguntava cadê o avião que passou no meio dele que ela tbm tinha visto no livrinho! Correu muito no Parque Güel, ficou eufórica no teleférico do Parque Montjuic, principalmente porque ele nos deixou pertinho do castelo – igual ao castelo do vento que a Peppa vai com a família dela! E, claro, nem preciso dizer da alegria dela nas praias maravilhosas da Córsega e da Sardegna! Ficava solta, fazia amizades, se comunicava do jeito dela e até chorava porque não queria ir embora e deixar o “amigo”. Então todos os dias foram muito divertidos pra ela e isso nos deixou tão felizes!

Amiguinho da Marina
Fazendo amizades na Sardenha
tubarao
Para encarar esse bocão de tubarão, só mesmo no colo do papai…

 

Sobrevoando a Torre Eiffel de carrossel
Sobrevoando a Torre Eiffel de carrossel
carrinho
Deixar o carrinho no Brasil? Nem pensar!!!
pri e marina
Foi no castelo de Montjuic que a Marina achou que a Priscilla era a Mamãe Pig!

 

Uma coisa que ajudou muito foi fazer um balanço no fim do dia, antes de dormir, de tudo o que fizemos. Enquanto relembrávamos, eu elogiava o comportamento, pontuava as atitudes positivas dela ao longo do dia, dizia o quanto eu estava feliz de viajar com ela e ela também dizia: “foi muito legal”, “também adorei isso”, “também estou amando nossas férias!”. E dava importância a isso. Quando fazia algo errado, depois me perguntava: Mamãe, você ainda está feliz comigo? (rs). Eu senti que não fomos só nós que nos preocupamos em fazer as coisas fluírem bem pra ela, a recíproca foi muito verdadeira. Foi uma delícia!

E foi a conta certa. Foram 20 dias intensos e no final ela já estava cheia de saudade das coisinhas dela, de casa, da escola, dos amigos e da família. Tanto é que na primeira noite de volta ao Brasil ela disse na cama: Ai, mamãe, que bom que a gente voltou pro Rio de Janeiro! Como quem diz: viajar é bom, mas nada como a nossa casa! rs.

Agora to aqui com aquele gostinho de quero mais, mais e mais! Ai, ai…

Super obrigada pela ajuda, pelas dicas, pelo carinho.

Um beijo enorme,

Pri.”

 

Europa com criança é tudo de bom!!!
Europa com criança é tudo de bom!!!

Eu é que agradeço, Pri, o privilégio de receber uma carta como esta! Que venham muitas outras aventuras viajantes para nossa pequenina Marina!

Meus 5 destinos mais sonhados

Se eu fosse listar aqui todas as viagens que gostaria de fazer, acho que ficaria semanas só nisso… Escolhi então os 5 destinos que mais alimentam minha imaginação atualmente. Não quero chamar esta relação de “wish list”, prefiro “to do list”, pois todas já estão sendo programadas. Mesmo que eu não saiba ainda quando irão, de fato, acontecer…

1- Escócia e Nortúmbria
Esta já tem data e hora marcada, vai acontecer em julho de 2015. Estou na organização de um curso para que os praticantes de cadeias musculares GDS (método fisioterapêutico cuja formação eu coordeno, no Rio de Janeiro) possam conhecer nossa fonte, o Centro de Formação Philippe Campignion. Serão mais de 40 brasileiros invadindo o norte da França! Terminado o curso, parto com Alexandre e Dudu para esta viagem tão sonhada, que já está sendo planejada nos mínimos detalhes. Progressivamente, vou dando notícias do roteiro aqui no blog. Por ora, já adianto que teremos uma programação Harry Potter, com a visita ao Alnwick Castle, na Nortúmbria, e um passeio no trem a vapor The Jacobite, o autêntico Hogwarts Express. Fora os castelos, os lagos, as Highlands, Edimburgo… Mal posso esperar!!!

O trem a vapor The Jacobite passa pelo viaduto Glenfinnan, cenário dos filmes de Harry Potter Fonte: http://www.westcoastrailways.co.uk
O trem a vapor The Jacobite passa pelo viaduto Glenfinnan, cenário dos filmes de Harry Potter
Fonte: www.westcoastrailways.co.uk

2- Alemanha
Meu roteiro imaginário começa em Berlim, desce de carro pela Rota Romântica e chega em Munique. De lá, sigo para Salzburg e fecho a viagem com o maior festival de música clássica do mundo. Estive neste festival uma vez, sozinha, em 1997. Agora quero levar meus dois rapazes para viver comigo esta grande emoção. Por enquanto, vou aproveitando as dicas da minha amiga Viviane Ribas, que descreve seu passeio pela Alemanha no blog Vivi em Viagens, e da Francine Agnoletto, do blog Viagens que sonhamos

3- Egito

Pirâmides, o deserto, antigas civilizações, um cruzeiro pelo Rio Nilo… Chego a suspirar….

4- Praga

Do leste europeu, só conheço a Áustria. Gostaria de visitar a Polônia (de onde veio minha família paterna), a Hungria, a Croácia e a Eslovênia. Mas, em primeiro lugar, Praga. Cidade linda, bem conservada, onde se respira música. Espero que não demore a surgir a oportunidade!

5- Festivais de música clássica
Lucerna, Verbier, Tanglewood… Como mencionei acima, já estive no Festival de Salzburg. Para quem é amante da música como eu, é uma experiência incomparável. A cidade gira em torno do festival, há uma concentração de energia quase palpável. Eu assistia a dois concertos por dia, um de manhã e outro à noite. Os fantásticos festivais de Lucerna e Verbier me oferecem, ainda, a possibilidade de conhecer a Suíça. O de Tanglewood, onde meus queridos Yo Yo Ma, Lang Lang e Joshua Bell sempre marcam presença, pode ser facilmente combinado com um pulinho em Nova York. Difícil é escolher!

Salzburg, cidade dos sonhos de qualquer amante da música clássica
Salzburg, cidade dos sonhos de qualquer amante da música clássica
Gros Festspielhaus: principal teatro do Festival de Salzburg, onde vi Seiji Osawa reger a Filarmônica de Viena
Gros Festspielhaus: principal teatro do Festival de Salzburg, onde vi Seiji Osawa reger a Filarmônica de Viena

 

Esta semana fiz aniversário. No ano que vem, a esta altura, já terei cumprido a primeira missão desta lista. Espero que seja sempre assim, todo ano… 🙂